o homem que escrevia azulejos de álvaro laborinho lúcio

13 Ago
13.08.2020

A Cidade e a Montanha vigiam-se mutuamente, num jogo de espelhos e de contrários, numa geometria de centros e periferias, num enredo de poderes e de ocultações, onde muitas são as maneiras de viver a clandestinidade e muitas são as clandestinidades: escondidas, distantes; umas, vividas; outras, à vista de todos. Dois homens, Marcel e Norberto, atravessam, juntos, todo o tempo de uma vida. Escolheram, para viver, a ficção, e é nela que são clandestinos. Com eles vêm encontrar-se João Francisco e Otília. Ele, violinista e professor de música, ela, a sua jovem neta, ambos na busca incessante do sublime, também eles recusados pela realidade. Um homem que escrevia azulejos – que reencontrou a utopia e gostava da sátira – reparou neles e pintou-os com palavras.

Quetzal Editores

Gostei do que li. Um livro que convida à reflexão de “nós e dos outros” e do conhecimento como instrumento de, digamos… redenção.

coincidências ou não?

13 Ago
13.08.2020

Alguns dos livros que vou lendo estão de alguma forma ligados entre si. Ora vejamos, textos retirados do livro “O Homem Que Escrevia Azulejos” de Álvaro Laborinho Lúcio.

– Este é o papagaio de Flaubert. O verdadeiro.

página 206

Uma referência que eu colo ao livro “O Papagaio de Flaubert” de Julian Barnes.

Uma conversa com Félicité é sempre uma aventura.

página 206

Aqui fala-se claro da personagem do maravilhoso conto “Um Coração Simples” de Gustave Flaubert.

we did it again

13 Ago
13.08.2020

Mais duas mounts…

  • Rusty Mechanocrawler
  • Obsidian Krolusk

332 de 350 para o achievment “No Stable Big Enough”.

master of twin peaks

10 Ago
10.08.2020

Aqui está mais um; 224 bgs para 100 vitórias; uma percentagem de vitórias de 44,64% – pois foi!

simon says

06 Ago
06.08.2020

Simon Says follow me!

madrox, o homem-múltiplo

06 Ago
06.08.2020

Aventuras sem muito sabor. Deu para discorrer o tempo entre um livro e outro e descobri uma personagem que desconhecia e pouco mais… ah! excepto que a imagem desta personagem – Fortão – me levou a recordar o fantástico RanXerox, criação máxima de Stefano Tamburini e Tanino Liberatore – histórias lidas na saudosa revista espanhola “El Víbora”, comprada na livraria Bertrand no Porto (Rua 31 de Janeiro).

fortão

A imagem supra levou à seguinte recordação…

ranxerox

Uma personagem com histórias mais do que espectaculares.

posologia

05 Ago
05.08.2020

Quando estou a ler um romance estou quase sempre a ler um livro de contos e um livro de não-ficção. Presentemente estou a ler:

  • O Homem Que Escrevia Azulejos de Álvaro Laborinho Lúcio
  • A Era dos Muros de Tim Marshall (não-ficção)
  • Histórias de Loucura Normal de Charles Bukowski (contos)

Nos últimos 45m antes de ser abraçado por Morfeu estou refastelado a ler no mínimo um conto e um capítulo.

no interior: “o homem que escrevia azulejos”

04 Ago
04.08.2020

Vinheta no interior do livro O Homem Que Escrevia Azulejos de Álvaro Laborinho Lúcio, publicado pela Quetzal Editores, desenhada por Rui Rodrigues.

Aqui temos um violino e, pois, o arco de violino.

(…) Sem uma palavra, erguera-se da mesa, deixara a sala por uns instantes e regressara pouco depois trazendo consigo, dentro do estojo, o violino.

página 52

dualidades

04 Ago
04.08.2020
terry
gregory

As duas capas do livro Sucesso de Martin Amis.

sucesso de martin amis

04 Ago
04.08.2020

É um livro de mentirosos. De mentiras. De enganos. Desenganos. Os dois narradores Terry e Gregory mentem com quantos dentes têm e sem dentes. Enganam-se a si próprios e ao leitor. O leitor é o recipiente último das loucuras, divagações, preocupações dos dois narradores.

a narração de Terry:

— Olá — disse eu. — Como te sentes? Como foi o teu dia?
— Qual dia? — perguntou ele.
— A coisa está má, hein?
— Absolutamente um horror. A manhã de hoje parece tão longe como a infância. Sinto-me tão fraco que não posso fazer nada para passar o tempo. E assim o tempo não passa.
Perante o belo incentivo deste queixume agradavelmente ensaiado, quase deixei cair o meu saco do álcool quando o Gregory disse a seguir, num tom interrogativo:
— Terry, fica cá em cima esta noite e anima-me. Vá lá. Nem sei dizer como estou deprimido. Por exemplo, conta-me o teu dia. Como foi? Anda, serve-te de um copo e senta-te (…)

página 134

e a de Gregory:

— Greg, estas acordado? — chama ele.
— Acho que sim respondo.
— Olá. Como estás? Como to sentes?
— Sobe?
Comovente, isto. A minha doença parece ter tornado fácil ao Terry expressar a sua total preocupação comigo. Todas as outras coisas que empecilham as nossas relações, toda a inveja, espanto e culto do herói passaram para segundo plano por uns tempos.
(…)
E arrancou… para uma história miserável sobre um ou outro daqueles cretinos, labregos e pseudogente que trabalham no mesmo chiqueiro tenebroso que ele.

página 139

No meio de esperanças, narração de sonhos perdidos, conquistas não conseguidas o leitor vai descobrindo duas personagens que se odeiam mutuamente, mas que perfidamente precisam uma da outra para se odiarem – o ódio é o que as une; ódio a si, aos outros.

O humor, o sarcasmo, a ironia são as notas constantes – uma maravilha este “Sucesso” de Martin Amis.

Tradução de Telma Costa

© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!