l’ empire des loups

29 Mai
29.05.2006
kinopoisk.ru

O primeiro filme que vi com Jean Reno foi Vertigem Azul (Le Grand Bleu) realizado por Luc Besson. Não guardei grande memória do nome dos actores nem, mesmo, do realizador. Gostei do filme. Ponto final. Na altura não tinha maturidade para ir mais além do ter “gostado” do filme. Claro, que mais tarde, assim que descobri o DVD do filme Grand Bleu na sua edição integral foi amor à primeira vista.
Certo dia, ainda no século passado, a caminho de uma batalha de Magic o meu amigo Sir Paxo falava-me de um filme sobre um assassino perfeito. Gabava a fotografia, a história, o actor, tudo… Eu bem que puxava pela memória, mas o filme não o tinha visto. Aquele sentimento saudável (?) chamado inveja começava a roer-me as entranhas cada vez que era confrontado com o “Não viste esse filme? O tí­tulo não sei qual era. Mas era um filme para ti. Sabes, daqueles que tu gostas mesmooooooo
Ao chegarmos perto da rotunda da Boavista (Porto) certamente condoí­do pelos meus lamentos, pelos sons lúgubres que eu emitia lá lançou para o ar o nome “Léon“. Naturalmente, assim, que tive a mais pequena oportunidade tentei descobrir o filme num clube de video. Vi o filme em VHS e fiquei sem fala ao descobrir nele o meu actor e o mesmo realizador.

Tenho seguido de perto a carreira de Jean Reno e os seus filmes não me têm decepcionado. Alguns são muito bons, outros são, apenas, bons. Mas ça suffi.

L’ Empire des loups [O Império dos Lobos] é um filme de acção que começa muito bem e que acaba menos mal. Assistimos a um Reno num registo diferente e isso é logo uma surpresa.
O cinema francês vem produzindo filmes de acção bastante bons e L’ Empire des loups nâo foge à regra. O ambiente é excelente. A história é um pouco complicada de seguir e nos seus 10 minutos finais muito mal “colada“. E são estes 10 minutos que realmente me aborreceram. Esperamos uma boa explicação final, aquele código que irá explicar toda a confusão criada pelos turcos, pela polícia, pela droga e pela perca de memória. O final é perverso mas ao contrário. Fiquei com a sensação de que não interessava muito o final desde que houvesse um que fechasse o jogo. E este final perdeu-me.

Não deixa no geral de ser um filme agradável, mas que nunca fará parte da minha DVDteca.

etiquetas: , , , ,
0 respostas

deixar uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!