Archive for month: Janeiro, 2007

não

26 Jan
26.01.2007

Invocam que digo NÃO com demasiada facilidade.
Isso será algum crime? Acho que NÃO.

from the perverse mind of paulo brito

Nem mesmo as mais abjectas auto-recriminações irão dar vida aos mortos durante o tempo suficiente para dar absolvição aos vivos.

Anne McCaffrey, A História de Nerilka
título original: Nerilka’s Story
tradução: Alexandra Santos Tavares
editor: Livros do Brasil, Colecção Argonauta n.º 501, Lisboa, 1999
citação: página 15
isbn: 972-38-1718-7

o mistério de alaizabel cray

08 Jan
8.01.2007

(…)quando largámos bombas do céu… bem, foi o fim. O triunfo da ciência. Já não precisávamos de temer que um deus nos atacasse do céu. O Homem assumia o papel de Deus. Agora nós temos o poder de arrasar cidades, de pôr fim a milhares de vidas de uma só vez. O bom do Charles Darwin explicou a vida, percebe. A ciência dá passos de gigante todos os dias, e cada passo se afasta mais do caminho do antigamente. A ciência retirou-nos a necessidade de acreditar seja no que for, porque agora tudo é explicável. O que é que resta? Quem é que ainda existe para nos livrar de culpa e da angústia?

Chris Wooding, O Mistério de Alaizabel Cray
título original: The Haunting Of Alaizabel Cray
tradução: António Carlos Andrade
editor: Editorial Presença, Colecção Via Láctea n.º 4, Lisboa, 2003
isbn: 972-662-009-0
citação: página 226

azul cobalto

07 Jan
7.01.2007

(…)Este tipo de depressão, para além de uma tristeza absoluta, consiste em colocarmos a nós mesmos perguntas ambiciosas, como por exemplo: Qual é o significado da vida?(…)

Patricia Highsmith, Azul Cobalto
título original: Ripley Under Ground
editor: Gradiva, colecção não incomode n.º 1, Viseu, 1986
ISBN: 972-662-009-0
citação: páginas 153 e 154

© 1999.2018 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera