Archive for month: Janeiro, 2008

âmbar

16 Jan
16.01.2008
the great book of ambar

the great book of ambar

Nine Princes in Amber is a new wave fantasy novel and the first in the Chronicles of Amber series by Roger Zelazny. It was first published in 1970, and later spawned a computer game of the same name. The first (Doubleday hardcover) edition of the novel is unusually rare; the publisher pulped a significant part of the original print run in error when the order went out to destroy remaining copies of Zelazny’s older book Creatures of Light and Darkness.
In the story, Carl Corey wakes up in a secluded New York hospital with amnesia. He escapes and investigates, discovering the truth, piece by piece: he is really Prince Corwin, of Amber, the one true world of which our Earth is just a shadow. He is one of nine men who might rule Amber, if he can fight his way past the armies of his older brother Eric.

via wikipedia

Âmbar era a maior cidade que jamais existira ou jamais irá existir. Âmbar sempre fora e sempre seria, e qualquer outra cidade, em qualquer sítio, qualquer outra cidade que existisse nada mais era do que o reflexo de uma sombra de uma fase de Âmbar.


Roger Zelazny, Nove Príncipes de Âmbar
título original: Nine Princes in Ambar
tradução: Alexandra Santos Tavares
editor: Livros do Brasil, 2001, Lisboa, Colecção Argonauta n.º 521
citação: pág. 119
isbn: 972-38-1837-X

around azeroth

03 Jan
3.01.2008

O site WOW Insider publicou um screenshot das minhas aventuras por Outland.

around azeroth, highlighting the local wildlife

Para visualização do post original no WOW Insider basta seguir o link.

2008, outro ano

01 Jan
1.01.2008

Fechei a porta. – Pensando melhor, não me daria ao incómodo de espreitar lá para dentro. É apenas uma casa de banho. Nada de especial. Que tal a vista?

2007 já passou. 2008 em termos gerais será outra boa merda. impostos. aumentos. aumentos. aumentos. e. impostos.


Jonathan Stroud, O Olho de Golem
título original: The Golem’s Eye
tradução: Maria Georgina Segurado
editora: Editoral Presença, 2005, Lisboa
citação: pág. 222
isbn: 972-23-3303-8

strechiado: insulto?

01 Jan
1.01.2008

Chamaram a alguém: “Tu és um strechiado.” E esse alguém sentiu-se insultado.

Como pode alguém sentir-se insultado, ofendido na sua pessoa por estar a ser identificado a strechiado.

© 1999.2018 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera