Agora sabia que era capaz de fazê-lo; mas isso não me deu prazer. O pobre sujeito não me fizera mal. A sorte estivera simplesmente contra ele e a cor do seu cabelo. Que, como via agora, tinha sido a sua distinção fatal. O seu caminho naquela noite, ao coincidir infaustamente com o meu na Threadneedle-street, tinha feito dele o objecto inconsciente da minha intenção irrevogável de matar alguém; mas se não tivesse sido ele, devia ser outro qualquer.
página 22

Michael Cox, O Sentido da Noite, Uma Confissão // título original: The Meaning of Night – A Confession // tradução: António Pescada // editor: Círculo de Leitores, Out, 2006, Braga // isbn: 978-972-42-3827-2

0 respostas

Deixar uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.