fragmento.00076

Creio que Fernão Paz Charmin desapareceu deste nosso mundo com a secreta certeza de ter entendido os mistérios da vida. Com efeito, a sugestão que ele nos deixou (a ampulheta que tem dois espaços e nunca esvazia totalmente porque um substitui sempre o outro) faz-me pensar que o homem ao morrer regressa então à sua memória de antes de nascer e que ali encontrará definitivamente a sua imagem verdadeira e intemporal, ele é, meu filho, a imagem infernal da sua própria memória cósmica e que sonhou um dia no intervalo que existe entre os intervalos finais do acta irreversível do amor.

O sangue e a pedra. O tempo e a palavra. A ambiguidade e a loucura. O labirinto do corpo e o gesto que fica suspenso no olhar da serpente. O espaço e a morte. A catalepsia da interpretação. Sinais. Apenas sinais de que o homem foi criado por ninguém. O homem. Filho de Ninguém.

Jánika por Vitório Káli (página 120)

0 respostas

deixar uma resposta

deseja juntar-se à discussão?
esteja à vontade para contribuir!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.