Archive for month: Abril, 2008

como se pode melhorar a perfeição?

29 Abr
29.04.2008

aviso à navegação:
com o objectivo de proteger a sua sanidade mental uso o estilo kafkiano e identifico-o apenas como p.


está decidido. apesar de não ter o volume de wizard p. e quando falo na sua redondeza não é em sentido critico. é apenas uma constatação. simples. singela. e ele é como é e eu sou eu. sem discussão. ponto final. e sobre a forma cilíndrica de sir p. haveria muito a dizer. haveria muito que rir. que gracejar. falo em p. para se compreender a diferença de formas. mas já chega. agora é altura de escrever sobre a minha figura. não sendo uma pessoa exageradamente pesada sou digamos que elegantemente forte. forte não no sentido de valente. e é claro que tenho a minha dose de covardia e valentia devidamente equilibrada. forte enquanto entendido como substancioso. possante. consistente. é pois uma doce e suave consistência que caracteriza a minha forma. e como melhorar esta solidez tem sido um problema. é que se com alguma regularidade vou perdendo alguma solidez aceitável. repito. aceitável porque não deforma a forma. também a vou recuperando. a solidez que perco não é perdida verdadeiramente. é uma solidez pombo-correio. vai. vem. vai. vem. o reencontro é compreensível. a recuperação previsível. os bons hábitos são complicados de mudar. mas uma vez mais está decidido. e a pedido. e para consolo de algumas pessoas irei revelar um enorme controlo sobre a minha forma. iniciei hoje entre as 14h.00 e as 20h.00 uma demonstração impiedosa de expulsão temporária de activos. vulgo d.i.e.t.a.

ponto de mira

28 Abr
28.04.2008

Thomas Barnes: Control is compromised.

Vantage Point, Ponto de Mira, é um filme que não originou discussões saudáveis à saída do cinema. Nem me lembro porquê.
Talvez por ser bom e como tal isso nem estava sujeito a discussão.
Ou foi sensaborão.
Ou havia outras coisas mais interessantes a discutir.
Ou…

direcção: santiago

11 Abr
11.04.2008

Chegou-me às mãos um livro – “Guia para Pequenos Caminhantes do Caminho Português de Santiago” – bastante interessante. O livro da responsabilidade da Xunta de Galicia é de muito fácil leitura para os mais pequenos.

barcelos_02

Nele constam algumas imagens da cidade de Barcelos que destaco.

dilbert ultimate house

10 Abr
10.04.2008

Hoje num blog sobre wow é feita, num post, referência ao Dilbert. Daí que pensei:
1. Dilbert
2. casa do Dilbert
3. já escrevi um post sobre a casa do Dilbert
4. que foi ao ar quando o disco do servidor anterior “queimou”
5. este post não foi recuperado da cache do Google
6. nem me lembrava mais dele
7. engraçado ter feito um apontamento no post anterior aos “perdidos” do exilezone
8. registo novamente à guisa de apontamento
9. como este post há muito mais
10. enfim uma merda

San Francisco, CA (September 29, 2004) – In pursuit of finding true happiness and peace on earth for Dilbert and Dilbert-like individuals across the globe, cartoonist and visionary Scott Adams embarked on a journey to create “Dilbert’s Ultimate House”(DUH). DUH is a virtual web-based home that the famous icon of the workplace Dilbert, his fans, tech geeks, the environmentally conscious, and those who just plain love the comfort of a good sofa, will covet.

from dilbert.com

se tu visses

04 Abr
4.04.2008

se tu visses o que eu vi
à porta do tribunal
as cuecas do juiz
embrulhadas num jornal

se tu visses o que eu vi
para os lados do barreiro
um polícia a levar no cu
e a dizer que era porreiro

ouvido por aí.

shaun of the dead

02 Abr
2.04.2008

Ed: Any zombies out there?
Shaun: Don’t say that.
Ed: What?
Shaun: That.
Ed: What?
Shaun: The zed-word. Don’t say it.
Ed: Why not?
Shaun: Because it’s ridiculous.
Ed: Alright… are there any out there though?

from imdb

Shaun of the Dead é um filme com zombies. Zombies um pouco ortodoxos, mas zombies mesmo assim. Já “pesquei” este filme noutra altura, mas só num nestes dias é que o vi, na TVI, do princípio ao fim.

Filme apetitoso.

um afago

02 Abr
2.04.2008

afaguei-lhe o corpo com violência…
mordi-lhe a orelha…
ofereci-lhe um abraço…
despedia com uma ferradela no cachaço…

strechiado & religião

01 Abr
1.04.2008

Religião é um tema difícil. Por isso não vou falar de religião mas de culinária.
O strechiado é algo que não se pode esquecer pelo papel importante que ao longo da história tem trazido à culinária. Os seres humanos tentam ainda hoje justificar o uso do strechiado na comida pelo sabor único que dá a um guisado ou até, pasmem-se, a um linguado. E foram os franceses que elevaram a plataforma do seu uso no ímpar linguado francês. Por seu lado os belgas incorporam o strechiado num trio de cervejas belgas; quem não se lembra da ménage à trois, ou seja, beber cerveja por três.

A Igreja Anglicana, lá tem de ser, vamos falar em religião, porque a religião é como o sexo está em todo o lado. Bem… melhor dizendo… o desejo de sexo está em todo o lado… Mas, recapitulando, a Igreja Anglicana, vê o strechiado com algo posto na Terra para o uso dos seres humanos e esta abordagem é similar à da Igreja Católica Romana. Dizem os religiosos estudiosos destas coisas divinas que os homens têm agora o poder completo sobre o strechiado (mas não sobre a mulher digo eu) e são capazes de fazer o que querem com ele e isso dá-nos alguma responsabilidade, de fazer pelo menos um bom guisado.

O que me faz lembrar algo que devia ser o sonho de todo o ser humano.
Numa sexta atacar uma francesinha
No sábado fisgar duas belgas
No domingo andar com duas canadianas. Isto seria o uso do strechiado à máxima potência de 0.99%

© 1999.2018 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera