os vigilantes do imaginário

Grandes tolas tentaram explicar o sentido da vida. A razão do viver. A força motora que nos faz existir. Foram escritos grandes tratados. Milhentas linhas discorreram sobre o viver, o nascer.

Finalmente alguém explica tudo. Estas palavras ditas de forma singela resumem o problema e fecham a discussão para sempre:

A vida é uma merda. E depois, morre-se.

página 104

Pat Cadigan, Os Vigilantes do Imaginário // Livros do Brasil, Colecção Argonauta n.º 552

0 respostas

deixar uma resposta

deseja juntar-se à discussão?
esteja à vontade para contribuir!

deixar uma resposta