intermundo

— Eles têm mesmo uma masmorra de escravos? — perguntou Seymour.
— Claro. De que servem escravos sem uma masmorra?

página 121


Eu, Klox tudo que vê (quase), que tudo sabe (por vezes), quase omnipotente (em certas ocasiões muito circunscritas), avanço em direcção ao meu destino. Naturalmente, tenho grande interesse nisso. Os destinos são difíceis de encontrar.

página 135


Isidore Haiblum, Intermundo // tí­tulo original: Interworld // tradução: Elsa T. S. Vieira // editor: Editora Livros do Brasil, Mai. 2004, Lisboa // isbn: 972-38-2703-4

0 respostas

deixar uma resposta

deseja juntar-se à discussão?
esteja à vontade para contribuir!

deixar uma resposta