um catálogo de sonhos

Faço minhas as palavras de Ferrão:

Nesta aventura surrealista, bem ao género do autor, há um catálogo de sonhos que ameaça a estabilidade de um sistema totalitário, que funciona placidamente desde que os sonhos foram abolidos. Tudo começa bem ao jeito de O Processo de Kafka, dois indivíduos acordam Cláudio Remo na tranquilidade do seu quarto e perguntam-lhe por um catálogo de sonhos que este desconhece e afirmam que ele é o Dr. Slumber. Confuso, dirige-se até à entrada do seu quarto, onde vê que realmente há uma placa com o nome de Slumber. Quando os dois indivíduos sorumbáticos saem do quarto o verdadeiro Dr. Slumber aparece debaixo da cama, é então que ficamos a saber que Cláudio não passa de uma personagem de um sonho que foi retirado do catálogo de sonhos. Ainda mais confuso e revoltado, Cláudio desaparece com o catálogo de sonhos; o que o vai pôr na mira das forças da autoridade, e dos membros da Frente de Liberação Onírica e Patriótica, que vão fazer tudo o que estiver ao seu alcance para encontrarem o manuscrito que pode ser a chave da revolução.
(…)
A arte a preto e branco assemelha-se à de A Pior Banda do Mundo. Gostei do modo como foram pensados os quadradinhos, são utilizados livremente vários tamanhos para servir os desenhos em questão, e em determinados momentos a ausência dos mesmos foi a melhor solução (gostei particularmente do salto no vazio de Cláudio em que não há quadradinho e o resto da página está em branco, assim como da sequência da queda de Slumber). Quem já conhece o traço de José Carlos Fernandes não vai estranhar os homenzinhos barrigudos de fato que asseguram a policiamento das ruas.

Outro livro directamente do sótão.

0 respostas

Deixar uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.