Archive for month: Janeiro, 2016

black sunshine by alexander zelenyj

28 Jan
28.01.2016

Without any 3D effects Black Sunshine, Alexander Zelenyj is a real joy; without knowing what is going to happen next helps keep the suspense (horror) level high.

  • the background event isn’t explained: it just happened, and it was sudden
  • it was through the perspectives/thoughts of the main character that I can try to figure something
  • there was no sudden discovery of a super solution that could solve the event(?)
  • it really made me think of how people might react in that situation

These are some of the added values of the book. The story has allegorical elements about society and family, humanness, about the knowing and foremost about the unknown. The book makes me feel extremely uncomfortable.
But the main achievement is that the book come with an “open story”: it leaves me with many unanswered questions.

It’s actually a book rather fascinating; very intelligent and thought-provoking.

the neglected works of norman conquest

25 Jan
25.01.2016

I found it entertaining. I am a fan of good ideas and good satire.

the neglected works of norman conquest

the neglected works of norman conquest

This book is definitely for me. The plot is unexplainable, but the jokes aren’t.

rear windows: an inside look at fifty film noir classics

23 Jan
23.01.2016

Rear Windows: An Inside Look at Fifty Film Noir Classics por Norman Conquest is very over the top (or under the belly).
Someone may think that a support group might be necessary for those subjected to the visions that took place in this book – not me! As for me I love it. I missed however some music and sound effects (a valuable tool for this unique genre).

It is a book of windows and prisons. Worth a shot! Or better several… It was a gem.

braços abertos

22 Jan
22.01.2016

O bicho, diabo da Tasmânia, na protecção.

the superstition issue, photos

21 Jan
21.01.2016

Algumas fotos promocionais(?) do livro “Superstition” – Black Scat Review #13

the neglected works of norman conquest, promotional photo

20 Jan
20.01.2016

Uma imagem promocional – ou não!

fantasmas

20 Jan
20.01.2016

Fantasmas pendurados – a flutuar em disfarce!

encontros de literatura e banda desenhada – amazonas contemporâneas

18 Jan
18.01.2016

Estes encontros, compostos por quatro debates: 16, 19, 21 e 23 de Janeiro, estão integrados nas comemorações do 40º aniversário do ILCH e pretendem abordar a relação entre a literatura e a banda desenhada, ou como referiu o Prof. Manuel Curado na sua mágica intervenção “o que cola“.

No dia 16 tivemos: Herdeiras de Wonder Woman. As Amazonas na Ficção Popular Contemporânea

Desde a criação de Wonder Woman em 1941, abundam na ficção popular as mulheres que defendem pela força a liberdade de decidir o seu destino. Entre elas, contam-se Katniss Everdeen (Os Jogos da Fome) e Lisbeth Salander (Millenium. Os homens que odeiam as mulheres). Com Diogo Carvalho, exploramos os modos como estas personagens contribuem para a vitalidade e diversidade da nova mitologia das amazonas.

Hoje será: Maus, de Art Spiegelman. Um romance Gráfico do Holocausto

Um testemunho real de um sobrevivente de Auschwitz, é isto, entre muitas outras coisas que podemos encontrar neste romance gráfico de Art Spiegelman. Com Marie Manuelle Silva, abordamos as técnicas gráficas, os recursos narratológicos e as figuras estilísticas que o autor usa para representar o Holocausto de forma real e impactante, inscrevendo este estrondoso sucesso de público e de crítica em diferentes correntes da tradição literária e da tradição ilustrativa.

No dia 21 será: O Motivo do Herói Órfão. Oliver Twist e os Heróis da Banda Desenhada

Quantos heróis que conhecemos são, de uma ou outra forma, órfãos. Trata-se de uma lei ou de puro acaso? Tendo Oliver Twist de Dickens como ponto de partida e Margarida Pereira como convidada, iremos procurar na literatura a origem deste motivo presente na BD e nos Comics.

No dia 23 será: Para Além do Véu. Persépolis, de Marjane Satrapi

Conversamos com Said Jalali sobre o romance autobiográfico de Marjane Satrapi, Persépolis, que é o olhar de uma menina sobre as alterações radicais introduzidas pela revolução de 1979 na vida quotidiana da sociedade iraniana. Romance de formação escrito e desenhado num contexto de deslocamentos geopolíticos e geoculturais à escala global, Persépolis narra os exílios de Marjane – tanto fora como dentro do Irão.

Herdeiras de Wonder Woman. As Amazonas na Ficção Popular Contemporânea teve como convidado Diogo Carvalho.
Antes da sua apresentação foi nos oferecida uma mágica intervenção pelo Prof. Manuel Curado. Esta intervenção foi de tal forma intensa, poética que logo se percebeu que a noite ia ser em Grande. O Prof. Manuel Curado revelou sem sobressaltos e com um dialéctica argumentativa tão bem tecida a razão da literatura, nas suas mais diversas formas, nos invadir os sentidos desde sempre. O Prof. Manuel Curado provou ser o nec plus ultra do mágico das palavras e conseguiu deliciar-me ainda mais quando terminou o seu acto com as palavras “o diabo do espelho.

diogo carvalho

diogo carvalho

Diogo Carvalho, a razão que me dez deslocar a Braga, esteve perfeito a falar, sem papas na língua, sobre a Wonder Woman per si, falou nas mudanças no seu uniforme (como sinal dos tempos), os seus motivos como heroína, o seu protagonismo e a forma como foi/está actuando/actuar no universo de super-heróis. Conseguiu em poucas palavras contextualizar a sua criação, com doces e picantes pormenores. Falou do seu multifacetado criado, William Moulton Marston. Falou do presente e do futuro da Wonder Woman.

Quanto a Katniss Everdeen e Lisbeth Salander como amazonas herdeiras da Wonder Woman o que fica em resumo é que ambas são os Alpha das suas histórias. Como mulheres fazem, “e como colocar isto sem ofender, mas tendo de utilizar um cliché“, perguntava Diogo Carvalho, “um bom trabalho de homem. Ou melhor, um trabalho atribuído geralmente ao homem.”

Katniss Everdeen faz o que faz por amor à irmã, ofereceu-se como tributo, e acaba por agir sempre por estímulo. Perante um problema, age. Não cria problemas, mas encontra soluções por… impulso. E perante uma sociedade distópica, acaba por ser ela, pela sua perseverança, coragem, abnegação, a alavanca (“Deem-me um ponto de apoio e moverei a Terra.”) para derrubar o sistema por dentro – implosão.
Lisbeth Salander faz o que faz por vingança. Ao contrário de Katniss Everdeen, Lisbeth Salander perante uma situação adversa, raramente age por impulso. Tudo é planeado. Ela está por fora de um sistema deficiente, corrupto e as suas acções levam a que este expluda.

Foi colocada uma questão. Se elas são o que são ou fazem o que fazem por não estar presente a figura do pai – acho que a ideia da pergunta é esta (contudo, posso estar errado).
A pergunta é interessante e a resposta aceite é que em ambas o pai, pode ou ser o modelo ou a motivação para elas serem como são – fortes, independentes.
Quanto a Katniss Everdeen é fácil concluir que é a ausência do pai que a torna o que é uma Alpha. É ela a razão de a mãe e irmã estarem vivas.
Quanto a Lisbeth Salander foi a existência de um pai que a torna Alpha por competição e sobrevivência.

Se o papel poderia ter sido atribuído a um homem? Podia, mas o efeito não seria tão másculo.

Katniss Everdeen e Lisbeth Salander comprovam acima de tudo que qualquer ser humano consegue ser Homo homini lupus. Apenas são precisas certas circunstâncias, uma série de eventos catalisadoras da nossa natureza predatória.

Isto são pensamentos avulsos que fui tendo e que decidi agora transcrever.

Avalio positivamente o encontro. Adorei as conversas muito interessantes e estimulantes. Os alunos do Mestrado de Mediação Cultural e Literária estão de parabéns.

as melhores obras policiais de edgar wallace

08 Jan
8.01.2016

Sempre desejei ter esta colecção de Edgar Wallace (As melhores obras policiais de Edgar Wallace, edição Círculo de Leitores).
O preço dela foi tão insultuosamente baixo que… enfim! Se já tinha muita coisa para ler, aumentei o lote ao triplo – vou ter mais umas histórias para reler e outras para descobrir.

carbono alterado [edição especial]

08 Jan
8.01.2016

Um dos livros que li foi Carbono Alterado de Richard Morgan editado pela Saída de Emergência, numa edição especial de 999 exemplares (ver imagem) e com prefácio exclusivo do autor.

carbono alterado

carbono alterado

Pena, ou não, que o livro tenha uma pequena gralha na capa. A personagem principal chama-se, efectivamente, Takeshi Kovacs e não Takeshi Kivacs.

© 1999.2018 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera