26 Abr
26.04.2018 Sabia que estava no fim do mundo, mas o mais surpreendente e tudo era que continuava a estar no mundo ao fim de todo este tempo, num ponto na parte inferior do mapa. A paisagem tinha uma expressão desolada, mas não podia negar que possuía traços legíveis e que eu existia nela. Isto era uma descoberta – o seu aspeto. Pensei: O fim do mundo é um lugar.
O Velho Expresso da Patagónia de Paul Theroux (pág. 578)
Tags: , , ,
0 respostas

deixar uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!
%d bloggers like this: