Archive for month: Maio, 2018

mais uns

10 Mai
10.05.2018

O fim da Saga Infinito, o especial Thanos e mais um de Claire North.

09 Mai
09.05.2018 Nessa noite, falei dos cães a um colombiano. Parece que há muitos cães nessa colinas, disse eu. Eram perigosos?
– Alguns cães são perigosos – disse ele -, mas as cobras são todas venenosas.
– Não vi cobra nenhuma.
– Pode ser que não. Mas elas viram-no a si.
O Velho Expresso da Patagónia de Paul Theroux (pág. 391)

torpedo 1972

09 Mai
09.05.2018

Aqui está o último álbum da colecção completa Torpedo.
Apesar de o argumento continuar a cargo de Enrique Sánchez Abulí, a arte passou para as mãos de Eduardo Risso. É uma história a cores mais longa do que o habitual, mas espectacularmente negra de um Torpedo mais velho, igual a si próprio – cínico, amoral. Uma história que não defrauda.

Só faltou o conto, “Una obra de caridad” que consta da edição espanhola.

descender – vol. 1: estrelas de lata de dustin nguyen e jeff lemire

09 Mai
09.05.2018

Este primeiro álbum de Descender é visualmente impressionante e que se cola perfeitamente a uma história elegante.
Com Jess Lemire nas rédeas do texto e Dustin Nguyen no desenho Descender é uma cena marada a seguir.

G Floy está uma vez mais de parabéns.

um estranho numa terra estranha de robert a. heinlein (nova edição)

09 Mai
09.05.2018

Foi em 1986 que li esta fantástica história de Robert A. Heinlein numa edição das Publicações Europa-América.

Tenho agora nas mãos a edição da Saída de Emergência, primeiro volume; um lançamento memorável e integral que irei mergulhar assim que for publicado o segundo volume.

Um Estranho Numa Terra Estranha foi um leitura que deixou marcas positivas, como será agora a releitura deste épico de ficção científica?


Post um pouco mais completo do que este.

09 Mai
09.05.2018 A mentira por omissão transforma-se, inevitavelmente, em mentira positiva.
Sem Olhos em Gaza de Aldous Huxley (página 309)

09 Mai
09.05.2018 Choices for the lonely: to seek human company in all its forms, or to be content with the fact you have no company at all. I switch between the two.
The Sudden Appearance of Hope by Claire North (page 57)

09 Mai
09.05.2018 O humor não salva; o humor, em definitivo, não serve para quase nada. Podem ver-se, durante anos, muitos anos mesmo, os acontecimentos da vida com humor. Nalguns casos pode adoptar-se uma atitude divertida praticamente até ao fim; mas a vida acaba sempre por nos deixar de rastos. Por melhores que sejam as qualidades de coragem, sangue-frio e humor que criemos ao longo da vida, acabamos sempre por ficar com o coração em fanicos. E, então, deixamos de rir. No fim de contas, só nos resta a morte.
As Partículas Elementares de Michel Houellebecq

de (1999)

09 Mai
09.05.2018

Este mundo é, às vezes, difícil de aguentar. Muitas “crianças grandes” abusando de tudo e de todos. Morte e doença em quantidades industriais. Muitas desilusões amorosas(!). E as pessoas fazem o que podem para seguir em frente. A religião acaba por ser mais saudável do que o “ecstasy”.
Odeio é quando as pessoas ficam fanáticas. Odeio mesmo.
Mas de uma forma geral, a religião ajuda as pessoas a sobreviver, e a maior parte das pessoas religiosas são inofensivas. Elas precisam dela.
Eu também preciso da religião, mas não existe uma que seja indicada para mim. Provavelmente irei iniciar a minha própria religião quando estiver para aí virado.

Não sei de onde traduzi isto, apenas que é de 1999.

cp barcelos

09 Mai
09.05.2018

Na estação dos comboios de ferros em Barcelos.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera