No Loney, as coisas viviam como deviam viver. O vento, a chuva, o mar encontravam-se em estado puro, sempre recém-nascidos e selvagens. A natureza entendia-se bem consigo mesmo.
Santuário de Andrew Michael Hurley (página 79)
0 respostas

Deixar uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.