Mas a sua perceção da coisa limitava-se a reconhecer que, ultimamente, tinha tendência para ficar em silêncio, sentado no quarto, dizendo a si próprio que estava ali. O facto repetia-se: «Aqui estou.» Nada se podia deduzir disto. Dizê-lo parecia estar relacionado com o sentimento de quase anestesia que existia algures dentro dele.
Deixa a Chuva Cair de Paul Bowles (página 137)
0 respostas

deixar uma resposta

deseja juntar-se à discussão?
esteja à vontade para contribuir!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.