O riso tinha-os salvo sempre: uma elegância suicida de troçarem de si próprios que era a mútua e solidária máscara do desespero, de um duplo espanto no qual um deles continuava a estar infinitamente sozinho, condenado e perdido.
O Inverno em Lisboa de Antonio Muñoz Molina (página 94)

0 respostas

Deixar uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.