— Prezado senhor… — disse Kovalev, com dignidade — … não sei como deva interpretar as suas palavras… Parece-me tudo perfeitamente evidente… Ou será que pretende.. Ora, o senhor é o meu próprio nariz!
Contos de S. Petersburgo de Nikolai Gógol (página 74)
0 respostas

deixar uma resposta

deseja juntar-se à discussão?
esteja à vontade para contribuir!

deixar uma resposta