Author Archive para: paulo brito

cara – 039

21 Jun
21.06.2019

Uma cara sem grande fôlego.

as mulheres do meu pai por josé eduardo agualusa

21 Jun
21.06.2019

Ao morrer, o famoso compositor angolano Faustino Manso deixou sete viúvas e dezoito filhos. A filha mais nova, Laurentina, realizadora de cinema, tenta então reconstruir a atribulada vida do falecido músico. Em As Mulheres do Meu Pai, realidade e ficção correm lado a lado, a primeira alimentando a segunda. Nos territórios que José Eduardo Agualusa atravessa, porém, a ficção participa da realidade. As quatro personagens do romance que o autor escreve, enquanto viaja, vão com ele de Luanda, capital de Angola, até Benguela e Namibe. 

Wook

Outro livro de José Eduardo Agualusa de grande qualidade, mas com um registo diferente. Uma história em que o parece que vai ser não o é.

Um livro de amor e desamor no qual a música é o fio condutor e o unificador comum.

seis matadouros

21 Jun
21.06.2019

Comecei a ler Matadouro Cinco de Kurt Vonnegut e perguntaram-me qual o tema do livro. Respondi naturalmente que era sobre um tipo que tinha seis matadouros, mas que era no matadouro cinco que aconteciam coisas altamente maradas.
— Que coisas? — questionaram novamente.
— Coisas altamente maradas!
— Maradas como?
— Altamente claro!
— Mas que coisas porra?
— Outra vez? Maradas! Altamente maradas!
— Marado és tu.
— Compra o livro para ficares marado com as coisas altamente maradas.

21 Jun
21.06.2019 — Fala do Jardim da Morte, bem sei.
— Sim, a Morte. A Morte deve ser tão bela. Repousar debaixo da terra, com as ervas ondeando ao vento sobre o nosso corpo, ouvindo o silêncio em toda a volta. Não ter ontem nem amanhã! Esquecer o tempo, perdoar a vida, estar em paz! Talvez possa auxiliar-me, abrir-me as portas da Morte, porque o Amor vive em si, Miss Otis, e o Amor é mais forte do que a Morte.
O Fantasma de Canterville e Outras Histórias por Oscar Wilde (página 44)

19 Jun
19.06.2019 (…) Porque tenho outras coisas para fazer e, finalmente, porque não me parece que você me possa pagar a viagem — replicou Angie.
— Pagá-la-ia Deus, sem dúvida — disse o missionário.
— Oiça, parece-me que o seu Deus já tem demasiadas dívidas.
O Bosque dos Pigmeus por Isabel Allende (página 47)

cara – 038

18 Jun
18.06.2019

Cara triangular em rabisco.

devias ter-te ido embora por daniel kehlmann

18 Jun
18.06.2019

Um escritor, a sua mulher e a filha de ambos, de 4 anos, alugam uma casa nos Alpes, mas alguma coisa não está bem. Ele trabalha arduamente na sequela do seu argumento cinematográfico mais famoso, mas repara que coisas estranhas se passam ali. As divisões da casa não estão no lugar onde deviam e começam a aparecer no seu caderno palavras que não foram escritas por si. Como foi que o mundo começou a perder o sentido? As próprias leis da física parecem ter sido subitamente suspensas.

Devias Ter-te Ido Embora lê-se de uma penada. Volta-se umas páginas atrás e segue-se em passo de corrida.

O suspense construído é perfeitamente sustentado pelos esforços do escritor em tentar perceber os acontecimentos, cada vez mais misteriosos, que o cercam. Mesmo não tendo certeza de que ele possa estar a ter ou não alucinações, ficamos intrigados para descobrir o que está a despoletar os acontecimentos.

Devias Ter-te Ido Embora, apesar de ser um livro pequeno, é complexo e estruturalmente sólido. É surrealista e perturbador, mas igualmente libertador. Um livro poderoso.


Tradução de Ana Falcão Bastos.

não desistam!

18 Jun
18.06.2019

Não desistir acho uma boa posição. Acho que os professores devem lutar por aquilo que acham que têm direito. Agora colocar em slogan que é “PELOS NOSSOS ALUNOS, PELA EDUCAÇÃO” é abusar. Se assim fosse respeitavam os alunos e não teriam feito greves às reuniões de avaliação. “PELA NOSSA DIGNIDADE PROFISSIONAL” é, também, um pouco forçado. Os professores ao agiram da forma como o fizeram mostraram que são isso sim indignos de serem professores.

Porque não dizem que é pelo dinheiro. Seriam mais verdadeiros. Há nisto tudo um problema com o Saber-Ser/Saber-Estar.

cara – 037

17 Jun
17.06.2019

Eu sou fixe!

um coração simples de gustave flaubert

17 Jun
17.06.2019

Um excelente conto, Un cœur simple, do autor de três excelentes obras que tive o prazer de ler: Madame Bovary, Salambô e A Educação Sentimental. Um Coração Simples foi publicado em 1877 no livro Trois Contes em conjunto com “La Légende de Saint Julien l’Hospitalier” e “Hérodias” .

“Um Coração Simples” de Gustave Flaubert espelha minuciosamente a vida monótona e sem amor de uma criada pobre e sem instrução. Flaubert neste poderoso conto elabora um estudo doloroso das limitações humanas e da solidão que elas criam.

Em “Um Coração Simples” Flaubert deixa espaço suficiente para permitir interpretações diferentes. Mas seja qual for a interpretação a conclusão é única: “Um Coração Simples” é uma obra de arte profundamente comovente e extremamente bela.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!