Author Archive para: paulo brito

tony chu: galo de cabidela #10

09 Jan
09.01.2020

O novo arco de história de Tony CHU, a série best-seller do New York Times, aproxima-nos rapidamente do final da série (serão 12 volumes), com a sua combinação improvável (e um pouco parva, seremos os primeiros a admiti-lo) de detectives, bandidos, canibais, clarividentes, cozinheiros e homens biónicos.

G Floy

Outro volume delirante, absurdo, surreal, cómico – poderosamente alucinante.

Com argumento de John Layman e arte de Rob Guillory Tony Chu continua a ser da melhor banda desenhada que ando a ler.

Por PoYo! tenho de fazer render o peixe e ir lendo devagar os últimos dois volumes.

canto nómada de bruce chatwin

08 Jan
08.01.2020

Canto Nómada (The Songlines) de Bruce Chatwin, editado pela Quetzal Editores na colecção Terra Incógnita, foi uma leitura deslumbrante.

Será que a linguagem começou como música?


Tradução de José Luís Luna

welwitschia

08 Jan
08.01.2020
@ muriel gottrop (wikipédia)

Apesar do clima em que vive, a Welwitschia consegue absorver a água do orvalho através das folhas. Esta espécie tem ainda uma característica fisiológica em comum com as crassuláceas (as plantas com folhas carnudas ou suculentas, como os cactos): o metabolismo ácido – durante o dia, as folhas mantêm os estomas fechados, para impedir a transpiração, mas à noite eles abrem-se, deixam entrar o dióxido de carbono necessário à fotossíntese e armazenam-no, na forma dos ácidos málico e isocítrico nos vacúolos das suas células; durante o dia, estes ácidos libertam o CO2 e convertem-no em glicose através das reações conhecidas como ciclo de Calvin.
Devido às suas características únicas, incluindo o seu lento crescimento, a Welwitschia é considerada uma espécie ameaçada, pois já existe desde o tempo dos dinossauros. 

Certas sementes do deserto permanecem em repouso durante décadas. Alguns roedores do deserto só saem dos refúgios à noite. A welwitschia, planta espetacular do deserto da Namíbia, de folhas em forma de correias, vive milhares de anos alimentando-se exclusivamente de orvalho matinal.

Canto Nómada de Bruce Chatwin, pág. 295

an impulse

07 Jan
07.01.2020

Following an impulse, I define myself, from now on – God ex-machina -, as a plastic puff artist or a monazitic artist. I put a monazitic sand cone in any place (always 1 kg) and with a blue cocktail straw, also known as a tube to sip liquids, of 10cm long, I puff.

With the sobbing velocity of the air expelled through the plastic tube I get traits in the sand of varied aspect. When I feel that “I am there and here”, “this is what I want” I obtain a new work of art.

My public is the one who loves the Ephemeral Art but that feels it has been offered a punch in the solar plexus; the emotions it arises are plenty … my art.

I don’t set any photo because I refuse myself to perpetuate works of art that must be savoured on the spot.

cara – 051

07 Jan
07.01.2020

Com um protector capilar.

terrário: fase i

06 Jan
06.01.2020

Depois do aquário apresento-me o terrário – ainda em fase de testes.

três filhas de eva de elif shafak

05 Jan
05.01.2020

Foi uma leitura agradável.


Tradução de Tânia Ganho

05 Jan
05.01.2020 Com o à-vontade com que antes passavam pratos de comida à mesa do jantar, distribuíam agora pormenores sangrentos. Não importava a redundância e menos ainda a repetição. Quanto mais partilhavam, menos verdadeiro tudo se lhes afigurava. A tragédia era um bem como outro qualquer: destinava-se a ser consumido, individual e coletivamente.
Três Filhas de Eva de Elif Shafak (pág. 347)

cara – 050

03 Jan
03.01.2020

Adoro os dois apêndices.

no interior: “instantâneos”

02 Jan
02.01.2020

Vinheta, uma pomba, existente no livro Instantâneos de Claudio Magris editado pela Quetzal Editores.


Vinheta desenhada por Rui Rodrigues.

© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!