manter a paixão

Desde o início da pandemia que Aleksandro é recebido no hall, assim que chega do trabalho, pela sua mulher Rubena ornada com luvas e máscara cirúrgica. Ela despe-lhe toda a roupa, colocando-a num saco de plástico; a roupa irá posteriormente para a máquina de lavar roupa.

Completamente nu, Rubena inicia uma tarefa que Salas sente ser agora o epítome da paixão. Rubena besunta-lhe o corpo com gel desinfectante com uma solução de 95% de álcool e demora-se pacientemente em todas as partes; sem pressas Aleksandro sente o corpo ser higienizado – sublime. E com um beijo nos lábios do seu marido Rubena dá o trabalho por terminado.

Esta rotina decorreu sem sobressaltos durante catorze dias. Hoje antes do ritual do beijo Rubena coloca uma máscara em Aleksandro e sussurra-lhe sensualmente ‘espera pela surpresa’. De olhos vendados ele aguarda saturado de desejo o regresso de Rubena.

A última frase que Aleksandro ouviu na sua vida antes do raspar de um fósforo foi ‘sente agora o ardor da nossa paixão’.

faston

Faston é o caracol mais veloz da Floresta da Verde Bulba, praticante da arte
marcial, exclusiva dos caracóis, designada por Tai Chi que assenta nos princípios “vencer o movimento através da quietude” e “vencer o rápido através do lento”. É uma arte que Faston executa na perfeição, que lhe faz granjear fama e dinheiro.

Faston é o único possuidor do cinturão AAA+ (um mestre vivo) e o caracol que desvalorizando toda a pureza da arte decidiu abraçar o lado negro do Tai – tornou-se assassino profissional.

O movimento das suas antenas maiores é sibilante, reptilíneo, até sedutor. O objectivo último é conseguir que a sua vítima fique hipnotizada pelos movimentos das antenas maiores e assim sem se aperceber tornar-se vulnerável ao ataque mortal das antenas menores.

Isto seria uma história. Ficou nem a meio do caminho.

são cheiros

Desde que se recorda o cheiro das fezes incomoda-o. Foi tentando reduzir os odores nauseabundos experimentando mudanças alimentares. Apenas frutas, aqui apenas laranjas, maças, bananas, etc… e depois combinações de várias frutas; apenas insectos, combinações de insectos, insectos com frutas, com carne, com peixe, marisco, vegetais; apenas lacticínios, águas, vinhos, licores. Imaginem todas as variantes possíveis e imaginárias de comida e de qualquer coisa remotamente comestível. Nada resultou, os dejectos mudavam a consistência, mas o odor continuava a ser asqueroso.

Até que a solução lhe surgiu tão cristalina como o gelo. Desde que eliminou os receptores no nariz responsáveis pelo olfacto nunca mais teve problemas. Agora o mundo tem o cheiro ideal.

a reunião

Elvira Dark recorda-se do seu primeiro filme como se fosse hoje. Uma adolescente percorre um abandonado parque de estacionamento quando é vítima de um ataque tecnológico inaudito: é enforcada com um telefone sem fios até a cabeça ser decapitada. O arrojo de sangue marrom que besuntou a tela branca foi tão intenso que Elvira ficou nesse momento fascinada por sangue e por bifes tártaros.

O hoje é o dia da semana em que vai à reunião. Entrou sem qualquer receio na sala contígua à sacristia da Igreja Matriz em Barcelos, sem antes ter visitado o pelourinho. Sentia um dilacerante prazer ao imaginar o sofrimento e o sangue que aquelas pedras tinham testemunhado e bebido.

Na sala já se encontravam sentados em círculo Carl Maia, Francis Barnard, Cataline Stone, o orientador Hezekiah e surpresa… um novo membro.

‘Como já repararam temos hoje entre nós um novo membro’, iniciou a conversa Hezekiah após Elvira ter ocupado a cadeira remanescente, ‘e é altura de lhe desejar as boas vindas.’

‘Olá!’, responderam os membros em sincronia.

‘Olá. O meu nome é Bruce, Bruce Campbell e sou… não consigo, desculpem!’

‘Bruce se desejares podes apenas ouvir, não precisas de participar. Vai com calma. Todos nos sabemos o quanto é difícil’, aconselhou Hezekiah.

Elvira ficava constantemente extasiada pelo pescoço à touro seminal que Hezekiah exibia em cima de uns largos ombros. A imagem que se projectava, sempre, no seu pensamento era ela vestida apenas de luvas de mirtilo em azul a fazer carving na carne e ossos do portentoso Hezekiah com uma moto-serra STIHL MS 192 T. O seu delicioso devaneio durou pouco tempo; foi interrompido pelo gorgolejar a seco do novo membro.

‘Queres dizer alguma coisa Bruce?’, questionou Hezekiah.

‘Sim. O meu nome é Bruce Campbell e sou viciado em filmes Série B.’

estamos a falar de coisas diferentes

— Queres a mãe morta? Mas que raio de filho és tu?
— Eu gosto da nossa mãe tanto como tu. Que merda de acusação é essa?
— Não disseste que ela está a sofrer muito?
— Sim disse.
— Não disseste que não há ninguém para tomar conta dela?
— Sim disse.
— Não disseste que a morte acabaria com o seu sofrimento?
— Sim disse.
— E então, sacana da merda, ainda dizes que não queres a mãe morta.
— Estamos a falar de coisas diferentes. Eu não disse que desejo a sua morte; apenas que estava melhor morta.


Uma história com exactamente 101 palavras.


Fascinado pela frase “estamos a falar de coisas diferentes” do conto “Um Conto Popular Para a Minha Geração: Na Pré-História do Capitalismo Tardio” de Haruki Murakami constante no livro “A Rapariga que Inventou Um Sonho”, tentei criar um texto sem sentido com apenas 101 palavras. Aqui está ele.

o que menos me preocupou foi a cor do sangue dela

O que menos me preocupou foi a cor do sangue dela: vermelho como todos. O problema que se me colocava era como retirar o corpo do apartamento sem ninguém descobrir. Não sendo canibal, comê-la estava fora de questão. A solução estava em fazê-la desaparecer sem sair do apartamento. Através de ácidos na banheira – vulgar. Sentei-me e olhei para o peixe vermelho que dentro da bola de vidro gozava comigo. E nesta altura a solução surgiu com mais naturalidade do que uma erecção. Um aquário de 150cm é uma decoração sempre elegante e ainda mais se estiver habitado por certos peixes.


Uma história com exactamente 101 palavras.

oulipo: bisexuelle 01

appel vidéo

Je suis en train de perdre mon contenance,
après avoir vu dans la main de mon ami un certain liquide…
Je confirme qu’il s’agit d’une bière; maudit distance!

campo maféfico terrestre

Até 1054 considerava-se que a terra estava rodeada por um campo magnético com os seus pólos próximos aos pólos geográficos da Terra. O facto de a localização dos pólos não ser estática, chegando a oscilar vários quilómetros por anos era motivo de confusão para os teólogos cientistas.

Esta teoria foi refutada em Abril de 1054 quando o Papa Leão IX sofreu um mortal ataque de coração causado pela súbita aparição – puf – do Diabo Balão nos seus aposentos.

O Diabo Balão (único diabo avistado até à data) foi capturado e interrogado ad nauseam.

Ficou-se, finalmente,  a saber a razão das forças maléficas nunca terem sido bem sucedidas a conquistar a terra. Atacar a terra significa subir das profundezas do inferno. Ora ascender é algo “bom”. Significa elevação (sentimento incompatível com o mal), por isso as forças do mal têm de descer. Contudo, e tendo em conta que a terra é redonda se descerem em demasia começarão a subir de outro lado. O lugar ideal, válido para qualquer diabo é o centro.

[para mais informação pode ser consultado o artigo sobre a definição da circunferência na geometria euclidiana]

Nestas subidas e descidas é criado o Campo Maléfico Terrestre. Ironicamente são os diabos nas suas movimentações que protegem a terra das partículas carregadas do vento solar. Ainda não se saber a razão do Diabo Balão ter conseguido ascender à terra. A teoria geralmente aceite é ele ter aproveitado a ruptura causada na Igreja pelo Grande Cisma do Oriente.

barbaridade

Entrei no apartamento. Sentia-se a atmosfera pesada, como se o local soubesse que ali tinha sido cometido um crime.

Antes de entrar no quatro já se ouvia a azáfama da equipa forense. Apesar de ter visitado muitos cenários de crimes hediondos nunca deixo de ficar chocado com a capacidade humana para a crueldade. O que deparava perante os meus pés era o crime dos crimes. Uma bíblia foi desventrada por um punhal. Deu para perceber que proporcionou luta: diversas páginas estavam rasgadas, ainda coladas ao miolo, outras páginas encontravam-se espalhadas pelo chão – barbaridade.

an impulse

Following an impulse, I define myself, from now on – God ex-machina -, as a plastic puff artist or a monazitic artist. I put a monazitic sand cone in any place (always 1 kg) and with a blue cocktail straw, also known as a tube to sip liquids, of 10cm long, I puff.

With the sobbing velocity of the air expelled through the plastic tube I get traits in the sand of varied aspect. When I feel that “I am there and here”, “this is what I want” I obtain a new work of art.

My public is the one who loves the Ephemeral Art but that feels it has been offered a punch in the solar plexus; the emotions it arises are plenty … my art.

I don’t set any photo because I refuse myself to perpetuate works of art that must be savoured on the spot.