notícias frescas

O harpia do meu vizinho, que mora mesmo ao meu lado, na Rua do Perpétuo Socorro, desde que remodelou a casa com novos revestimentos e adquiriu, até, um novo carrinho acha-se o maior do mundo. O estúpido.

Ontem ele teve a ousadia de me oferecer boleia no seu novo carrinho. Não confiando na sua estabilidade, uma das rodas tinha um comportamento muito periclitante, recusei.

Eu, e não por preguiça, ainda habito a mesma casinha. É pequena; não tem uma coisa a imitar uma clarabóia, como a do meu vizinho, mas tem tudo o que preciso para eu adormecer. E não é afinal isso que interessa? Para quê luxos estéticos. E ao contrário do harpia do meu vizinho que dorme sempre embrulhado em merdas antigas eu adormeço sempre aconchegado por notícias fresquinhas. Hoje sou embalado pelo último número do Jornal de Letras e do Expresso, este é sempre um dos melhores lençóis.

os motivos?

Todas as guerras são originadas por diversos motivos: religiosos, étnicos, ideológicos, económicos, territoriais, de vingança ou de posse. Os indícios estão sempre presentes e podem ser evitados, contornados com paciência, bom senso e boa diplomacia. Mas ninguém estava preparado para O motivo que originou uma guerra de proporções bíblicas e que exterminou 90% da população humana em finais de 2019.

Até 2324 os historiadores, os sociólogos, psicólogos, cientistas políticos, arqueólogos não discerniram qualquer razão objectiva ou subjectiva para a carnificina. Sabem apenas que a génese esteve num grito de alerta que arrotou esta frase: “mexeram-me na cadeira!” Depois disto foi o caos. As pessoas enlouqueceram, deliraram, alucinaram (escolham o que quiserem) e nesse delirium tremens o diabo andou solto na terra.

Em Janeiro de 2325 foi descoberto o ground zero da guerra de 2019 e após duas décadas de escavações meticulosas foi encontrado junto aos restos cadavéricos de uma cadeira um parafuso que segundo projecções tridimensionais faria parte da sua estrutura inicial. O motivo da guerra de 2019 não poderia, realmente, ter sido realmente evitado nem previsto – desde quando um parafuso a menos avisa?

c.h.e.f.e.

Não vamos negar: quem exagera na estupidez tem grandes hipóteses de ver subir a taxa de loucura, especialmente a loucura má porque é contagiante. Isso é o primeiro passo para se transformar num C.H.E.F.E. [Camelo Hábil Em Feitos Estúpidos].

na quinta

Uma quinta tem, desde logo, dois tipos de animais fascinantes: o porco e a galinha.

porco chafurda na imundice dele e dos outros e vive feliz com isso.

galinha debica um grão ali, outro aqui, ainda outro acolá. Entre cada bicada levanta a cabeça e olha ao seu redor; vive às custas dos pedaços deixados e acaba por tecer grandes histórias. Serão histórias verdadeiras ou falsas? Irrelevante. A galinha sente-se importante por ser o centro das atenções.

fujam, vem aí a saúde

Após entrar no parque da cidade de Barcelos fui ultrapassado por algumas pessoas que fugiam esbaforidas, suadas, coradas. Uma chocou contra mim. Aproveitei e perguntei-lhe a razão daquela correria. ‘Ora essa, é por causa da Saúde,’ respondeu com um ar de surpresa, tresmalhado com ofensa. Olhei por cima dos ombro e vislumbrei mais pessoas a fugirem. Não vi nada parecido com a Saúde. Não obstante, com algum receio iniciei a fuga.

esquinas nas cidades

Há pessoas que não gostam de esquinas nas cidades. Existe outro tipo de esquinas, mas aqui e agora apenas falarei das esquinas das cidades: grandes ou pequenas, sujas ou limpas, luminosas ou escuras. Eu adoro uma bom ângulo de rua. Deve ser uma das melhores coisas que há nas cidades. Uma esquina tem algo de mágico, de perturbador, de enganador. É na esquina que acontecem reencontros surpreendentemente bons ou amaldiçoadamente maus, despedidas doces e amargas, choques e colisões, emoções e convulsões. Sem esquinas só existiriam rectas longas e obtusamente infinitas, aborrecidas.
Além de que numa recta nunca conseguiria me esgueirar, mas numa esquina isso é possível e logo ali ao virar da esquina – onde estou? fugi.

knock knock

Knock knock.
Who’s there?
Your smile.

tic tac

The clock did TIC TAC.
The bell made DING DONG.
James Joyce did tattarrattat – but I didn’t open the door.

junk food

‘You only eat junk food.’
‘Who? When? Where? I just ate a slice of orange… I swear by the chips.’

acordo todos os dias com o arrulhar de uma pomba

Acordo todos os dias com o arrulhar de uma pomba.
Anseio, apenas uma vez, sonhar com uma espingarda para libertar a ave do seu conformismo. Sonho matar o acordar e ficar a sonhar liberdade.