Archive for category: escritos

nascer…

09 Ago
9.08.2008

Nascer…
um destino
que se inicia…

sem continuação

31 Jul
31.07.2008

De boca rasgada
De olhos fechados
respiro. soluço. sufoco. respiro
e eis que morro…
suavemente, dizem. como um passarinho, comentam.
Gostava de dizer que morri devagarinho
sem glória. sem história.

hoje

03 Jul
3.07.2008

hoje
mais uma vez
acordei. mas

ontem
fechei os olhos e
estagnei o pensamento
numa ideia. de que

hoje
continuaria
a dormir. mas

viver
é sofrer
também
com esta leviandade.

um afago

02 Abr
2.04.2008

afaguei-lhe o corpo com violência…
mordi-lhe a orelha…
ofereci-lhe um abraço…
despedia com uma ferradela no cachaço…

“bom dia apesar de estar um dia muito cinzento”

19 Nov
19.11.2007

Céu carregado de nuvens escuras, está a chover, seguro no guarda-chuva, não me esqueci, árvores a bracejar, tento manter o corpo quente, esfrego as mãos, mudo de posição, vento frio, troco de mão o guarda-chuva, algumas folhas caem, amarelas, verdes, eis o Outono a espreitar, carros deslizam na estrada, olho para o lado, espero alguém, outra distracção, rugas junto aos olhos, preciso limpar os óculos, profundas, ouço-a sem a perceber, irritam-me as gotas no vidro, caem mais folhas, ela não se cala, mas não tenho as mãos livres, lembro-me da anedota, falam muito porque têm 4 lábios, quatro lábios?, não seriam 6?, “ainda bem que te vi“, é um ponto de vista, “bem, vou buscar o miúdo à escola“, casada?, ou pelo menos mãe, não fazia ideia, matuto, um beijo, outro beijo, sorriso forçado, está a afastar-se, finalmente, viro-lhe as costas, gelado, mas contente.

© 1999.2018 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera