a margarida e eu, versão naïf

06 Ago
06.08.2010

Mais um vez sou vitima do olhar fulminante da minha filha. Sou o seu modelo preferido.
– És tu pai!
– Uau, ainda estou para descobrir como descobres o meu verdadeiro eu!

Bem, até que desta vez desenhou vulcões.

versão naïf, eu

versão naïf, eu again

versão naïf, eu again & again

versão naïf, vulcão

versão naïf, vulcão

bhagavad-gita

02 Ago
02.08.2010

Acabei de ler Bhagavad-Gita.

(…)

Nada de aplausos ou olhos esbugalhados em sinal de surpresa – não se acaba o Bhagavad-Gita.
Bhagavad-Gita é um livro cheio de camadas, camadas e mais camadas que nunca está lido.

Por isso: cheguei à última página do Bhagavad-Gita. O Bhagavad-Gita foi-me de forma maquiavélica – brincadeira! – oferecido por João.
Não sei o que dizer depois de o pousar na mesinha da cabeceira. Não tenho qualquer comentário saído da cartola. Talvez arrisque a dizer que é um livro inexplicável e de uma pureza espiritual assustadora.

Ler Bhagavad-Gita e ouvir diariamente os cânticos védicos, em especial o Maha Mantra, tornou-me mais feliz, mais relaxado, mais tolerante comigo e com os outros. Ainda não sou capaz de dar “um salto de fé” e avançar para um outro nível. Algumas das razões eu sei quais são e são razões menores; as outras razões ainda estão a ser desfiadas na minha consciência ateística – o “salto” é uma coisa realmente danada!

two birds

01 Ago
01.08.2010

Apenas dois pássaros que bebiam para saciar a sede de uma fonte improvisada mantida pela água que escorria da torneira.

??? hummmm ???

01 Ago
01.08.2010

Uma imagem muito surrealista. Abstracta.

knocker

01 Ago
01.08.2010

Aldabra e ferrugem.

old gate

01 Ago
01.08.2010

Old gate. Abandoned house.

um imitador de sherlock holmes

31 Jul
31.07.2010

Não deve existir alguém que não tenha ouvido falar do detective Sherlock Holmes…
ainda deve existir alguém que não tenha lido as suas aventuras escritas por Conan Doyle…
as pessoas que viram o filme Sherlock Holmes interpretado por Robert Downey Jr. e realizado por Guy Ritchie deve ser maior do que as que o leram…

O que interessa, com esta pequena brincadeira inicial, é entendermos que Sherlock Holmes é uma referência universal – um ícone. E como tal é normal que outros escritores criem novas histórias nas quais Sherlock Holmes é, naturalmente, a personagem. A este tipo de história, imitação, dá-se o nome de pastiche.

Como já referi em posts anteriores só tinha lido um pastiche de Ellery Queen intitulado “Sherlock Holmes contra Jack o Estripador”, editado pelas Edições 70, na colecção Alibi, n.º 1 (1983). Mais recentemente, 2009, li “As Vitórias da Lógica” (1910) – escrito por Gustaf Adolf Bergström e o excelente livro “A Sabedoria dos Mortos” por Rodolfo Martinez.

Esta semana terminei a leitura de um, digamos, suave livro que não é um pastiche de Sherlock Holmes. Na obra “Um Imitador de Sherlock Holmes” da portuguesa Maria O’ Neill, editado pelos Livros do Brasil, colecção Vampiro n.º 668, Maio de 2003 (isbn 972-38-2654-2), a personagem principal (Visconde Silvestre) utiliza os métodos dedutivos de Sherlock Holmes para a solução dos mistérios de que é incumbida e é ajudada nessa tarefa por Pedro Montagraço. E é esta a grande diferença. Visconde Silvestre conhecedor do sucesso de Holmes decide empregar os mesmos métodos nas suas “investigações”. São histórias razoáveis que se lêem num consultório médico ou na paragem do autocarro.

Acho que o livro vale mais pela originalidade e pela época em que foi escrito.

a kind of key

31 Jul
31.07.2010

Uma fechadura.

chair in the sun

31 Jul
31.07.2010

Cadeira refastelada ao sol.

the lair of the spider

31 Jul
31.07.2010

Uma enorme teia de aranha existente num velho tronco.

© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!