Artigos

eye

eye of the soul!

a luz miserável

A hora ou a altura do dia é indiferente. Onde reina a música da perpétua escuridão e o tempo não corre esses artifícios humanos são uma natural anedota. O local é uma gruta que possuía uma viscosidade agradável e que transpirava uma doce podridão admirada por muitos, mas que exigia um laborioso trabalho de manutenção. E nem todos os horrores estavam com disposição para comer humanos numa dieta regular, expelir excrementos de alma e cuidar durante séculos desse perpétuo jardim de bosta anímica. A maior parte deles degustavam um humano por diversas décadas enquanto palitavam animais. Por isso quando foram liminarmente convocados por #$%&$%# (nome impronunciável, mas que pode ser chamado de ‘o portador da luz’) ocorreram de bom grado para beberem dos seculares, bafientos, abomináveis cheiros da sua residência.

Obrigado pela vossa pestilenta presença”, disse #$%&$%# – ditatorial líder dos mundos horrendos – sem qualquer esforço verbal para a massa amorfa de horrendos que enchia a enorme gruta; a sua enorme bocarra possuidora de uma garganta afunilada facilitava o arrojar de palavras, de gritos sibilinos a longas distâncias, e a sucção de qualquer corpo etéreo ou carnal para um dos seus 32 estômagos – o VIII estômago era o seu preferido; aí a maceração de qualquer alma permitia obter um excremento baunilhado. “O motivo que me levou a solicitar a vossa presença de forma tão inusitada é o atrevimento do David Soares em lançar um inclassificável livro de horror? demasiado real. Ele inocentemente rotula-o de horror, mas todos nós sabemos o quanto ele se aproximou da nossa verdade. Ele não tem apenas uma imaginação fértil, tem uma perspicácia para o fantástico realmente assustadora.

ABAIXO O DAVID SOARES”, gritaram em divina unidade os horrendos. #$%&$%# deixou apenas por breves instantes que a massa pensasse que tinha uma opinião relevante enquanto um dos seus braços – tentáculos? – usava um coto de um homem para coçar o seu sexo sempre tumescente porque logo entoou um “BASTAAAAAAAAAAA” que silenciou os horrendos. “Com os zombies, os anjos, os vampiros e outras vulgares bichezas ainda temos tido paciência porque nos divertem – um pouco – e permitem manter afastadas as atenções dos nossos macabros, mas necessários, propósitos. O que seria a humanidade sem um pouco de saudável horror. Agora este David Soares com estes contos está a substituir-se a nós. O horror é apenas nosso. Só nosso. Mas em apenas três contos, em 122 páginas, temos histórias que nos tratam fielmente. Alguns poderão pensar ‘ah! 122 páginas, isso não é nada’, mas eu em boa verdade vos digo que ele em 122 páginas faz mais estragos que muito dito escritor em 956 páginas. São histórias visuais que se desenrolam sem gaguejos. Não deixa pontas soltas. Assuntos inacabados? Nem pensar. As personagens e os ambientes claustrofóbicos incomodam pela crueza do horror retratado. E quando se incomoda, também se fascina; ele faz-nos sentir atraídos pelo horror. NÃO QUERO QUE AS PESSOAS SEJAM MARIPOSAS PERANTE O HORROR ESCRITO PELO DAVID SOARES.” Nesta fase do discurso #$%&$%# parou para avaliar o resultado das suas palavras. Ameaças soltas começaram a ser ouvidas aqui e acolá. “Eu fico com um braço.“Para mim a língua.” “Para mim o resto.

#$%&$%# decidido a acalmar os horrendos sequiosos por um pedaço do escritor arrotou um sonoro e bafiento “CALEEEM-SE.” “O que mais me aborrece é que quando nós sairmos à rua o que sobra? NADA! Depois de 122 páginas nada será como antes. Nós deixaremos de ser o horror porque as palavras de ‘David Soares’ serão a nova bitola para o definir. O que mais me aborrece é que ele ainda tem a presunção de oferecer a cada novo halloween um novo livro de horror. O que me aborrece é que ele não deixou nada ao acaso…

VAMOS A ELE”, interrompeu a turba ignorante. #$%&$%# aborrecido por mais uma interrupção sorveu e arrotou sem dificuldade um horrendo perto de si e as hostes transformaram-se magicamente num mar de tranquilidade. “Até o grafismo do livro foi cuidadosamente pensado”, continuou #$%&$%#, “Cor vermelha – sangue – na capa. As letras a branco sobre um fundo totalmente preto – escuridão – dão ao livro um cheiro característico. O livro vive com uma identidade própria na mão dos leitores; mais uma cuspidela inconsciente ou não, para mim isso é irrelevante, nos defensores dos ebooks. A originalidade do ‘Rei Assobio’ é tão saudavelmente doentia que não deixará ninguém apático – se alguém ficar apático é de choque.

Só temos uma saída de emergência e não é traga-lo”, prosseguiu #$%&$%#, “porque quem domina o horror com aquela mestria está imune a qualquer um de nós. Por isso só nos resta uma alternativa comprar todo e qualquer exemplar d ‘A Luz Miserável’ antes que mais humanos o comprem. O HORROR TEM DE SER NOSSO MAIS UMA VEZ”, terminou #$%&$%#. “Sabem o que têm a fazer.

Magicamente uns – o sempre delicioso efeito ‘puf’ -, outros aos tropeções, os horrendos foram esvaziando a gruta em direcção às livrarias. E pela primeira vez em séculos os horrorosos horrendos deixaram de ser o horror no halloween.

the box

Uma caixa de supresas? Um caixa de doces? A caixa de Pandora? Não!

Uma verdadeira caixa de almas – pedir perdão a um Deus.

fragmento.00109

a imortalidade (…) é o que se vive enquanto a morte não chega.
Vida e Morte dos Santiagos por Mário Ventura

a estranha vida de nobody owens

“A Estranha Vida de Nobody Owens” é outra maravilhosa obra de Neil Gaiman editada pela Editorial Presença oferta da minha filha mais nova – tem um dedicatória ainda hoje indecifrável?

Nobody Owens podia ser um rapaz perfeitamente normal não fosse o facto de viver num cemitério e ter como família adoptiva uma série de fantasmas, almas penadas e outras entidades semelhantes que o educam e cuidam dele. Owens não se pode gabar de nunca se ter metido em sarilhos, mas é para além das grades do cemitério que residem os verdadeiros perigos, pois é aí que vive Jack – o homem que nunca desistiu de procurar Owens desde aquela sinistra noite em que matou toda a sua família…

É uma história muito bem contada. As ilustrações de Chris Riddell pecam por serem poucas.

Incompreensível é a tradução do título “The Graveyard Book” para “A Estranha Vida de Nobody Owens”. Mas o que sei eu disso.

imagem (1)
descrição: capa do livro “A Estranha Vida de Nobody Owens” por Chris Ridell do escritor Neil Gaiman
título original: The Graveyard Book
tradução: Fátima Andrade
editor: Editorial Presença, colecção Estrela do Mar, n.º130, 1ª edição (maio.2010)

gato morto

Gato morto encontrado na estrada. Na altura não estava espalmado; mas ficou. Bastou um condutor mais ensonado ter passado com o automóvel por cima do bicho.

porquê sr. matias? (excerto)

Já não era apenas quando chegava de férias que encontrava o meu porta lápis desprovido de canetas, de lapiseiras, de lápis, de tesoura, de corrector, de réguas, de afia lápis, de corta papel, de borrachas, de tira-agrafos, de x-acto, mas tal coisa nunca me ralou, apenas perdia por tradição alguns minutos a pensar quem teria levado o material tendo em conta que eu era o único funcionário no escritório, por que assim começava o trabalho com novo material e adoro especialmente afiar o novo lápis, a ponta fica fina como um estilete; é a única tarefa que realizo com imensa atenção e prazer, mas actualmente era a qualquer momento que as minhas coisas saíam do lugar e o culpado tinha agora rosto. Quando dou por mim até a minha dedeira de borracha estava a ser usada pela minha nova colega de escritório. A sua mesa de trabalho está colada ao tampo angular colocado à direita da minha secretária. Eram ainda 09h45m e depois de diligentemente alfabetizar uma série de documentos e esticar a mão para pegar numa pinça clipe que sabia estar, cegamente, sempre naquele sítio da secretária encontro o espaço vazio. A pinça clipe estava, agora, pendurada no lado esquerdo do calendário de mesa da nova colega, que publicita aquele restaurante que serve comida intragável, sem qualquer objectivo que não uma pretensa decoração. Para agravar o meu estado de espírito enquanto fui buscar outra pinça clipe uma das folhas alfabetizadas foi virada de costas para a colega tomar nota de um número de telefone – usou uma caneta. Pressentia nas costas uma sensação de gozo silenciosa sempre que me deslocava para trazer novo material de trabalho. Suava nessas deslocações. Não pensava num buraco, mas numa enorme cratera. Não sou cobarde. O que detesto são confrontações físicas; penso que a inteligência supera qualquer adversidade.

informações: apenas um extracto da história

quando é possível?

Quando é possível um casal de namorados comungar de um saudável e bufalino traque? Ou seja e visto isto, apenas do lado masculino, quando pode o macho dar um sonoro traque (vulgo pólvora seca) ou emitir um traque silencioso (mais estilo ataque terrorista)? E para que se saiba do que estou a falar o traque é segundo o dicionário online (Priberam) a “Ventosidade que sai do intestino pelo ânus” ou para os mais lentos aquilo que vulgarmente se apelida de peido.

Ou será que só casamento é que justifica a comunhão do peido? ou nem o casamento? ou será que é apenas quando o macho namorado/marido partilhando já de uma relação carnal – tipo sexo puro, mas duro – pode exibir os seus dotes e peidar-se sem sobressaltos assinalando até com esse acto que terminou o seu serviço de amante e que deseja dormir até ultrapassar o doce período refractário? ou nem com o sexo o traque está autorizado na relação?

Terá o amante sempre de levantar-se da cama, aconchegante, do sofá e verter o(s) peido(s) na solidão do quarto de banho?

E se, academicamente falando, como hipótese remota, o macho estiver a conduzir ou a ser conduzido a 140km à hora e urgir a necessidade de arremessar algum vento pelo ânus, ainda não o sabe se sonoramente ou silenciosamente, mas claro que com apenas dois ocupantes não há a quem mais atribuir a culpa, pode-o fazer? ou tem de aguentar, apertando as nádegas em sofrimento, correndo o risco de causar um acidente, se estiver a conduzir, pois estará distraído com uma premente dor abdominal, até à próxima estação de serviço? É aceitável nesta situação de condutor a emissão de um peido ou vários? Porque se estiver no lugar do morto, mais sofrimento não corre do que estar a ser conduzido por uma mulher – pode, pois, unir sem problemas as musculadas, como devem ser, nádegas e esperar pela estação de serviço que se aproxima subjectivamente de forma lenta, mas que se aproxima mesmo assim.

E se, remotamente, por qualquer motivo incompreensivelmente válido, os amantes estiverem numa de coitus interruptus e nesse hercúleo esforço o macho peidar-se é este traque aceitável? Deve o macho ser penalizado pela parceira por uma “ventosidade” não premeditada?

Não será o traque o indicador de que o casal está mais liberto de inibições e que alcançou outro patamar de intimidade? Intimidade que tem muitos degraus e nuances.

Não será motivo de orgulho para a mulher quando o macho se levanta pela manhã, coça os tomates e em cada passo cambaleante até ao quarto de banho exprimir a sua felicidade, por ser bafejado por mais um dia de trabalho, de vida, de alegria, de sentir na sua alma o que é ser português, através de uma rajada metódica, equilibrada, cadenciada, sonora de peidos – uma sinfonia zen à rouxinol português?

É um assunto complexo.

Há quem defenda que o traque enquanto função corporal é um acto normal e deve ser até acarinhado pela possibilidade de suavizar ambientes pesados com as risadas, com os trejeitos cómicos de quem fica desnorteado pelo tradicional cheiro português a nabiças, mas altamente concentrado. Para os SIM o traque deveria ser usado nos meios sociais como símbolo de altivo status e servir para competições: o peido mais sonoro, o mais longo, o mais quimicamente mortal, etc…

Contudo há pessoas que entendem superiormente, digo eu, na minha natural modéstia, que o peido é um acto biológico sim, mas individual e que nunca deve ser partilhado. Para os NÃO o peido tem de ser dado num completo solipsismo social. É o ostracismo do traque fechado tal queijo numa redoma de vidro.

Existe, contudo, como muito bem apontou um amigo meu, quando lhe colei algumas frases desta crónica?, uma situação rara, como um caracol veloz, em que o peido pode fazer parte de uma relação amorosa duradoura. No acontecimento, raro pois, da mulher abrir o ânus ao peido é o mesmo que dar a chave de ouro da cidade dos peidos ao macho e a partir daqui é uma sodoma e gomorra. É o mesmo que biblicamente dizer “venham a mim os peidos“!

É claro que numa relação fugaz o peido até serve em 49,3% dos casos como desculpa barata ao rompimento, sem necessidade de se recorrer a um jantar para explicar à miúda o inexplicável; que já estamos noutra onda e que ela não tem lugar na prancha. Nestes casos um traque ou até dois seguido de um pedido de desculpa enquanto colocamos o indicador na boca, mordiscamos a unha e expelimos outro peido, agora, este indesculpável é remédio santo para quebrar qualquer namoro. Na pior das hipóteses a miúda relevando-se uma patetóide até acha piada à nossa desenvoltura corporal e decide contribuir com peidos próprios à festa. Perante isto basta meter o dedo no nariz tirar um bom macaco, provar a sua consistência suavemente com a língua e oferecer como tributo à nossa ex-namorada. Iremos ser chamados de “broncos estúpidos”, o que não deixa de ser verdade, apesar de ela não precisar de usar dois adjectivos com o mesmo significado na mesma pessoa, mas é compreensível tendo em conta o choque olfactivo que acabou de sofrer. Poupamos 50 euros no jantar e estamos prontos para outras aventuras.

Se apesar disto tudo a miúda não arredou pé estamos perante uma deusa e o melhor é levar a relação a outro degrau.

Depois de 895 palavras a dúvida persiste na minha mente. Deve o peido ser valorizado ou punido socialmente?
Outras divagações sobre o tema poderão ser tratadas noutra altura.

o evangelho do enforcado

O pouco que aprendi, mas sou um tipo novo, com apenas uns simpáticos 4? anos, sobre a crítica ou os críticos em Portugal é que existem quase em exclusivo dois tipos quando tratam de autores portugueses:
# 1 – há aqueles que dizem bem por dizer (talvez pensando que assim lhe tecerão críticas igualmente boas)
# 2 – há aqueles que dizem mal porque sim (possivelmente porque a editora não lhes ofereceu um exemplar ou na melhor das hipóteses por pura inveja; não se iludam que esta existe e é visceral)

Existe um terceiro tipo de crítico que escreve com sinceridade, são poucos, mas felizmente são bons. Escrevo isto porque já li tantos disparates críticos que só são concebíveis com este “tipo” de críticos.

Evidente que quando falo em críticos são aqueles que têm um estatuto?, digamos, de crítico institucionalizado.

No fim da pirâmide (fico na dúvida se na base ou no topo) temos o leitor anónimo, como eu, que opina como pode ou sabe sobre o que lê. E é neste sentido que irei tecer algumas palavras sobre “O Evangelho do Enforcado” de David Soares.

David Soares não precisou de muito para que eu ficasse convencido que estava perante uma obra grande. Logo no primeiro capítulo consegue sem dificuldade narrar um nascimento fantasticamente perturbador que é o perfeito comburente para continuar a minha leitura – depois “daquilo” o que mais David Soares me vai oferecer?

Oferece-me não apenas uma Lisboa deliciosamente nauseabunda, mas igualmente um Portugal sem alma. A cobiça pérfida pelo poder da nobreza é narrada magistralmente e ficaria convencido se não estivesse a ler uma romance que as conversas ocorreram mesmo daquela forma. E quando intervém a personagem Henrique quase que sinto o seu bafo, a sua transpiração a pulsar nas páginas. É a personagem mais loucamente saudável – se tal é possível dizer-se – e que se torna nesta sua alienação a mais consistente com o mundo que a rodeia; a frase “sobrevivência do mais apto” poderia ter sido criada para Henrique.

Naturalmente que Nuno Gonçalves, o pintor maldito dos misteriosos Painéis de São Vicente, é o nec plus ultra das personagens que vivem na obra “O Evangelho do Enforcado”. É impossível não sentir empatia com este assassino que consegue ser genial na pintura e esplendoroso nas mortes que executa.

“O Evangelho do Enforcado” foi um dos melhores livros que li este ano. Poderá não ser uma leitura fácil para muita boa gente porque David Soares não tem qualquer tipo de inibição a narrar o que quer que seja: morte, violação, sodomia, necrofilia.
Há quem se preocupe obsessivamente em colar ao “O Evangelho do Enforcado” um estilo. Eu resolvo? o problema afirmando que é uma amálgama de estilos que só David Soares é capaz de criar; o que se passará naquela cabeça?

Não posso deixar, igualmente, de salientar o trabalho de paginação e as fontes utilizadas no livro nas conversas de Geronte com Nuno Gonçalves.

Recomendo vivamente a leitura do livro “O Evangelho do Enforcado”.

E nada como dar um ar de erudito e colocar a propósito do romance “O Evangelho do Enforcado” esta frase

He cried in a whisper at some image, at some vision—he cried out twice, a cry that was no more than a breath—”The horror! The horror!”

Joseph Conrad, Heart of Darkness

tintin no país dos filósofos

Só descobri que a banda desenhada que adoro e que me divertia imenso ler e que ainda me diverte podia ser uma “coisa” séria e caso de estudo foi quando vi em exposição o livro “Tintin no Psicanalista” de Serge Tisseron (Bertrand Editora, 1987).

tintin au pays des philosophes

Li-o mais por curiosidade e fiquei atarantado pela análise que é feita não apenas à personagem Tintin, mas a todo o seu universo. Foi mais o subtítulo da obra “Ensaio sobre a criação gráfica e a encenação dos seus dados na obra de Hergé” que me despertou grande interesse na sua leitura e que até me arrancou um “olha-me isto!”
Recomendo-o naturalmente.

Mas o motivo deste post foi a aquisição do Hors-Série da “Philosophie Magazine” (setembro.2010) de título “TINTIN au pays des Philosophes”. Li-a depois do quinto álbum do Gaston e é de uma leitura suave e um número espectacular. A revista é de capa dura e com temas que nos obrigam a reler os álbuns de Tintin de outra forma.

“Milou contre Descartes”, “Le courage selon Tintin”, “Le mystère de la trinité”, “L’écrin du monde”, “Le réel et son double”, “Le décalage du rire” entre outros artigos permitem dar razão a Sven Ortoli quando este no editorial escreve:

S’il existe une manière faussement paresseuse et vraiment joyeuse de faire de la philosophie, c’est bien en lisant Tinti!

Philosophie Magazine

A colaboração da Philosophie Magazine com as edições Moulinsart e com cumplicidade de Michel Serres, Pascal Bruckner, Clément Rosset, Philippe Descola e muitos outros permite ver a profundidade histórica e filosófica de Tintin e do seu criador Hergé. E quem não se recorda destes dizeres:

Tintin (e todos os outros) sou eu, tal como Flaubert dizia: “Madame Bovary sou eu!”. São os meus olhos, os meus sentidos, os meus pulmões, as minhas tripas… Creio que sou o único a poder animá-lo no sentido de lhe dar uma alma. É uma obra pessoal, tal como o é a obra de um pintor ou dum romancista. Não é uma indústria! Se outros pegassem em “Tintin”, talvez o fizessem melhor, talvez menos bem. Uma coisa é certa, fá-lo-iam de outra forma e, assim deixava de ser “Tintin”.

Eu criei-o, protegi-o, alimentei-o como um pai cria um filho.

Tintin et moi. Entretiens avec Hergé de Numa Sadoul

Neste Hors-Série temos um manual de moral, uma aula de antropologia, pensamentos sobre a arte, uma reflexão sobre o rir, … entre outras considerações.

Brilhante. Uma peça a ler e a coleccionar.