Artigos

novidades 2020 da relógio d’água

Relógio D’Água tem planeado uma série de obras deliciosas. Entre elas destaco para o meu gosto as seguintes:

  • Ética de Baruch de Espinosa
  • Tonio Kröger de Thomas Mann
  • A Montanha Mágica de Thomas Mann
  • Buddenbrooks de Thomas Mann
  • As Flores do Mal de Charles Baudelaire
  • A Vida Mentirosa dos Adultos de Elena Ferrante
  • Os Teus Passos nas Escadas de Antonio Muñoz Molina
  • O Problema dos Três Corpos de Cixin Liu

Esta editora continua a revelar um enorme fôlego. Parabéns.


Actualizações serão feitas quando necessário.

leituras em 2019

Para me manter na crista da onda vou tentar listar, por que a vida também se faz de listas, alguns dos livros que me satisfizeram ACIMA da MÉDIA em 2019.

  1. Contos de S. Petersburgo por Nikolai Gogol
  2. O Céu Que Nos Protege por Paul Bowles
  3. A Conjura por José Eduardo Agualusa
  4. O Vendedor de Passados por José Eduardo Agualusa
  5. Um Estranho Numa Terra Estranha por Robert A. Heinlein
  6. Comer/Beber por Filipe Melo e Juan Cavia
  7. Barroco Tropical por José Eduardo Agualusa
  8. A Nuvem de Smog e a Formiga Argentina por Italo Calvino
  9. Babilónia por Yasmina Reza
  10. Devias Ter-te Ido Embora por Daniel Kehlmann
  11. Hotel Silêncio de Auður Ava Ólafsdóttir
  12. Matadouro Cinco de Kurt Vonnegut
  13. A Trilogia de Nova Iorque de Paul Auster
  14. Estação das Chuvas de José Eduardo Agualusa
  15. A Contraluz de Rachel Cusk
  16. 1Q84 (volume 1) de Haruki Murakami
  17. Astonishing X-Men – livro um
  18. Doutor Sonho de Stephen King
  19. Samitério de Animais de Stephen King
  20. Elevation de Stephen King
  21. Teoria da Viagem. Uma poética da Geografia de Michel Onfray
  22. Os Meus Heróis Foram Sempre Drogados de Ed Brubaker e Sean Phillips
  23. Como a Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina
  24. Blacker Against the Deep Dark by Alexander Zelenyj
  25. Viagem por África de Paul Theroux
  26. O Periférico de William Gibson

como a sombra que passa de antonio muñoz molina

Realmente uma leitura memorável. Demorei algum tempo a terminar este livro devido às imensas referências que o autor vai colocando aqui e ali.

A partir de um dado momento não consegui parar e fui tomando nota do que deveria pesquisar mais tarde.

at the white heat?

DARE you see a soul at the white heat?
Then crouch within the door.
Red is the fire’s common tint;
But when the vivid ore

Has sated flame’s conditions,
Its quivering substance plays
Without a color but the light
Of unanointed blaze.

Least village boasts its blacksmith,
Whose anvil’s even din
Stands symbol for the finer forge
That soundless tugs within,

Refining these impatient ores
With hammer and with blaze,
Until the designated light
Repudiate the forge.

Emily Dickinson, Complete Poems (1924) [Part One: Life – XXXIII]

A partir da leitura do livro Como a Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina.

Sentamo-nos a escrever, dia após dia, querendo que se reavive o fogo da invenção, que a alma chegue ao calor branco, como diz Emily Dickinson.

Antonio Muñoz Molina

laura

(…) decalcara-a da última cena de Laura: um homem sozinho numa divisão quase às escuras, e Gene Tierney parada no umbral, não recém-chegada, mas recém-aparecida, como as aparições das histórias de fantasmas, não coberta com um lençol, mas vestindo uma gabardina desabotoada, com o cabelo e os ombros molhados.

Como a Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina

Um vez cometido, o erro continua a decorrer com uma obstinação irreparável, como o tiquetaque de uma bomba-relógio. Revivemo-lo depois com uma tal lucidez que parece mentira que não possamos corrigi-lo
Como a Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina (página 247)
(…) A chegada à cidade de comboio, penetrar na manhã fresca e na luz que refulgia no rio e se apaziguava nos telhados e na perspetiva das ruas era o princípio imaculado e definitivo de qualquer coisa, a primeira página de um romance, a plenitude do mundo recém-iniciado.
Como a Sombra que Passa de Antonio Muñoz Molina (pág. 125)

no interior: “como a sombra que passa”

Fotos no interior do livro “Como a Sombra que Passa” de Antonio Muñoz Molina publicado pela Ponto de Fuga.

(…) Os primeiros solavancos metálicos do comboio a arrancar transmitiam a sensação física e perentória do início da viagem, o corte brusco que nos separa e liberta do quotidiano; como o momento em que os músicos começam a tocar e é como se uma corrente poderosa tivesse irrompido; como a imersão nas primeiras imagens de um filme ou nas primeiras frases definitivas de um livro. Cada começo é um era uma vez e o princípio do Génesis, o primeiro verso da Ilíada, a primeira linha de ou do Lazarilho de Tormes ou de Moby Dick. Tratem-me por Ismael. Antes de tudo o mais, saiba pois Vossa Mercê que me chamam Lázaro de Tormes. Se numa noite de inverno um viajante. A primeira vez que vi Terry Lennox, estava ele perdido de bêbado dentro de um Rolls-Royce último modelo. Porventura não existe melhor começo do que uma enunciação impessoal de factos muito precisos. É deste modo que a literatura reclama ou imita a objetividade do mundo. Por isso mesmo, o início de romance de que mais gosto foi o que Flaubert escreveu para A Educação Sentimental, que versa sobre o início de uma viagem e tem qualquer coisa de registo administrativo ou de anotação num diário de bordo: «Em 15 de setembro de 1840, pelas seis da manhã, o Ville-de-Montereau, prestes a partir, lançava grossos rolos de fumo em frente do cais de Saint-Bernard.» Às onze da noite de 1 de janeiro de 1987, o Lusitânia Expresso saiu da estação de Atocha, em Madrid, em direção a Lisboa. No dia 8 de maio de 1968, à uma e um quarto da madrugada, um viajante de perto de quarenta anos, com um fato escuro e gabardina, chegou ao aeroporto de Lisboa num voo procedente de Londres.
Como A Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina (página 107)

6 pessoas + 1

Inicialmente estavam seis pessoas sentadas ao redor da mesa de café. Logo de seguida instalou-se à mesa o Huawei que era não apenas muito amigo da P., mas, igualmente, muito interessante pois durante todo o tempo que estive naquela mesa P. só o encarava e acariciava.

Por isso decidi convidar para o convívio o meu amigo Antonio Muñoz Molina. Conversamos sobre “O Inverno em Lisboa”.

O resto do pessoal não ficou muito contente.


Conclusão: é mais aceitável brincar com um telemóvel do que ler um livro.