Tag Archive for: arturo pérez-reverte

o tango de jorge luis borges

23 Fev
23.02.2019

O Tango por Jorge Luis Borges é um livro sumarento. Cheio de pormenores deliciosos.

E, já agora, o livro de Arturo Pérez- Reverte “O Tango da Velha Guarda” consegue transportar sem dificuldade o leitor para o ambiente do tango dançado prostíbulos de Buenos Aires.

eva

12 Fev
12.02.2019

Aqui está o segundo livro da série Falcó.

arturo pérez-reverte

22 Set
22.09.2018

A minha prateleira com todos os livros adquiridos de Arturo Pérez-Reverte

coisas de setembro, 2017

01 Out
01.10.2017

As leituras de alguns fins-de-semana e não só.

Um pouco de banda desenhada:

  • Estação de Brooklyn – Terminal do Cosmos de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières
  • Os Espectros de Inverloch de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières
  • A Ira de Hypsis de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières
  • A Grande Fronteira de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières
  • As Armas Vivas de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières
  • Os Círculos do Poder de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières
  • Os Livros da Magia de Neil Gaiman
  • Homem-Aranha vol. 4: A Ascensão do Escorpião / Miles Morales
  • Tokyo Ghoul #8 de Sui Ishida
  • K.O.Telavive de Asaf Hanuka
  • Homem-Aranha vol. 5: Entre a Terra e o Céu – que grande desilusão

Um pouco de outras coisas mais:

  • O Mestre de Esgrima de Arturo Pérez-Reverte
  • Gente Independente de Halldór Laxness
  • Ready Player One de Ernest Cline – deliciosa. Trouxe tantas recordações.
  • Auto-retrato do Escritor Enquanto Corredor de Fundo de Haruki Murakami
  • Robopocalipse de Daniel H. Wilson

o francoatirador paciente de arturo pérez-reverte

24 Jul
24.07.2017

Sniper é uma lenda viva no mundo da arte de rua. Subversivo e omnipresente na tela urbana, ninguém conhece a sua identidade, poucos terão visto o seu rosto, não há relatos do seu paradeiro. Quem é o verdadeiro Sniper por detrás deste enigma que o mistifica? É um heroico cruzamento de Salman Rushdie e Banksy, um justiceiro solitário? Ou um terrorista urbano, um egomaníaco cujas ações já se revelaram fatais?
Alejandra Varela, especialista em arte, decide seguir os passos deste homem sem lei. Uma mira telescópica de francoatirador assina todos os trabalhos de Sniper, e é essa mira que leva Alejandra a infiltrar-se no submundo de Madrid e Lisboa, Verona e Nápoles. Cidades que são os campos de batalha prediletos deste caçador solitário. Mas, a coberto das sombras, uma outra pessoa aguarda para descobrir o paradeiro de Sniper, embora as suas motivações sejam bem diferentes…
Segue-se um formidável duelo de inteligências, um jogo de perseguição entre caçador e presa cujo final é, no mínimo, surpreendente.

Edições Asa

Livro lido neste fim-de-semana – ufa!

Gostei. Sim gostei.

o tango da velha guarda de arturo pérez-reverte

11 Jul
11.07.2017

1928. No salão deserto e silencioso de um transatlântico que navega pela noite dentro, um casal dança um tango ainda por escrever…
Ela é Mecha Inzunza, uma mulher enigmática e melancólica. Ele é Max Costa, um elegante fura-vidas. Rumam a Buenos Aires, onde Armando de Troeye, marido de Mecha e músico afamado, enfrenta um extravagante desafio. Ao abrigo das ruelas lúgubres e ilícitas da cidade, nasce entre Mecha e Max uma história de amor arrebatadora que será precocemente interrompida. Voltarão a encontrar-se apenas duas vezes ao longo das suas vidas.

Em 1937, numa intriga de espionagem na Riviera Francesa, um dos destinos preferidos da alta sociedade europeia. E em Sorrento, 1966, durante uma inquietante partida de xadrez. Aqui, o tempo é já de nostalgia. O jogo dos amantes está perto do fim. A sua paixão acompanhou o esplendor e a decadência da Europa do século XX e transcendeu o tempo e a distância. Sempre presente e sempre impossível.

Dois amantes dotados de um carisma apenas possível aos grandes personagens de ficção. O século XX como cenário teatral onde decorrem paixões, intrigas, aventuras e reencontros.
Esperança e nostalgia. Luz e sombra. Arturo Pérez Reverte escreveu um romance trepidante e criou com Mecha Inzunza uma heroína épica e definitiva.

Edições Asa

Outro livro de Arturo Pérez-Reverte que teve de ser lido de rajada. Só se tem sossego quando se chega ao fim da leitura e nem assim – existem sensações que perduram.

História fascinante. Personagens memoráveis. O mar marca a sua presença e, também, o xadrez.

Escritor que ainda não me desapontou.

coisas de junho, 2017

01 Jul
01.07.2017

As leituras de alguns fins-de-semana e não só.

Um pouco de banda desenhada:

  • Airborne 44 – o segundo díptico, composto pelos álbuns Omaha Beach e Destinos Cruzados, revelou-se superior ao díptico anterior. Adorei esta aventura
  • Airborne 44 – o terceiro díptico, composto pelos álbuns Se é Preciso Sobreviver e Inverno das armas, foi o díptico que menos gostei. Fiquei um pouco desapontado.
  • Tokyo Ghoul #7 de Sui Ishida – volume brutal. Sanguinário.

Um pouco de outras coisas mais:

  • Hereges e Heróis de Thomas Cahill – muito bom. Muito bom mesmo.
  • A Sétima Função da Linguagem de Laurent Binet – que leitura adorável. Belo. Surreal. Real. Majestoso.
  • Furiosamente Feliz de Jenny Lawson – Divertido. Tocante. Mas não me entusiasmando por aí além.
  • O Alquimista – Os Segredos de O Imortal de Nicholas Flamel de Michael Scott – já tinha lido este livro na altura da sua edição em Portugal (2008). Chegou a altura de terminar a leitura desta saga e para isso foi necessário ler o primeiro.
  • O Mágico – Os Segredos de O Imortal de Nicholas Flamel de Michael Scott – leitura para relaxar.
  • Lágrimas na Chuva de Rosa Montero – lido. Excelente. Bom. O segundo livro que leio com Bruna Husky – coisa boa.

a nova remessa

  • A Rainha do Sul de Arturo Pérez-Reverte – outro livro de um escritor que nunca me desiludiu. O mar é quase, sempre, uma personagem que inspira, consola, amarga a vida das personagens. Arturo Pérez-Reverte oferece outra história bem tecida, cativante, viciante – paixão em estado puro e duro. Personagens hipnóticas – brilhante!

com as mãos nos bolsos

19 Jun
19.06.2017

Isto está de mal a pior de tal forma que ontem me senti aborrecido. Eu aborrecido é uma novidade. Sem vontade para ler, escrever já não o faço há meses, para ver um filme e/ou uma série. Sem vontade para tudo e para nada.
E quando este sentimento nauseabundo se hospeda em mim leva-me a formatar alguns comportamentos, atitudes. Limpar o disco mental. Começar do zero. Desaparecer do contacto real e virtual. Assim, terminei a conta no Flickr que tinha desde 2006 ou 1996?? Não acedo ao Facebook e ao Twitter desde o início do mês e removi essas contas do telemóvel.
Tenho na mesa-de-cabeceira uma pilha de livros que fui, ontem, colocando de parte – zero vontade, total aborrecimento. A partir de certo momento parei de procurar. Stop obsessão.

Sei que o apetite irá despertar a qualquer momento e aí estarei numa curva ascendente – voraz!

Hoje chegou uma nova remessa de livros. Novidades para breve ou talvez não.

mais leituras de 2017

24 Abr
24.04.2017

Tokyo Ghoul, volume VI de Sui Ishida – ainda não desaponta.
Super-Homem & Apocalipse: Caçador e Presa – 7.º volume da colecção “No coração das Trevas DC” nada de especial.
Hulk: Destruição Total – 41.º volume Colecção Oficial de Graphic Novels Marvel foi uma leitura bué de divertida.

upDATE_2017.04.26
Dança, Dança, Dança de Haruki Murakami – tendo como narrador o protagonista de Em Busca do Carneiro Selvagem, este livro pretende elucidar algumas pontas soltas, e é outro livro maravilhoso do escritor japonês.

upDATE_2017.05.07
Crónica do Pássaro de Corda de Haruki Murakami – adorei. Sublime.

upDATE_2017.05.13
Um Dia de Cólera de Arturo Pérez-Reverte – bom, como sempre.
Joker: O Asilo do Joker – 8º volume da colecção “No coração das Trevas DC”
Mal Eterno 1 – 9.º volume da colecção “No coração das Trevas DC”
Mal Eterno 2 – 10.º volume da colecção “No coração das Trevas DC”

o hussardo de arturo pérez-reverte

14 Mar
14.03.2017

O primeiro romance de Arturo Pérez-Reverte, agora numa edição revista pelo autor.

Andaluzia, 1808. Numa terra assolada pelo horror da guerra, Frederic Glüntz, jovem oficial do regimento de cavalaria de Napoleão, prepara-se para a sua primeira incursão num campo de batalha. Na iminência do combate contra um exército aguerrido armado até aos dentes e disposto a morrer pela sua terra, os ensinamentos recebidos por Glüntz na escola militar parecem distantes. Rapidamente, uma realidade carregada de terror e sangue acabará por se impor, conduzindo o jovem hussardo a uma reflexão sobre a morte e o sentido da vida. Para trás ficam os seus ideais românticos de glória e heroísmo, derrotados face à crueldade da guerra.

Edições Asa

Adorei. Nenhum livro de Arturo Pérez-Reverte me tem desiludido. Acho, que ele escreve o que gosto de ler – só pode.

O Assédio e O Pintor de Batalhas estão no meu top.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!