Artigos

oton lustosa

O homem não busca apenas satisfazer as suas necessidades materiais. Para viver, plenamente, busca a satisfação espiritual. Cheio de poder, posto que dotado de inteligência – esta explosiva força criadora -, o homem transforma o mundo. Escarafuncha, mexe, bisbilhota as coisas da Natureza… Queda-se extasiado diante das belezas naturais… Encafifa-se com os mistérios que levam à perfeição das coisas criadas… Chega a uma conclusão derradeira, inapelável: Deus existe! Mas… De tanto investigar termina por concluir que algo deve ser melhorado ainda neste mundo de Deus. Quer o homem o mundo ao seu serviço, útil e prático; que lhe proporcione um estado tal de bonança, inenarrável, sublime. Algo a que deu o nome de Felicidade! Eis o objetivo primeiro e último do gênero humano: Ser Feliz! Por isso transforma, modifica, cria, destrói, luta. E a tal felicidade como uma miragem, ora perto ora longe. E haja esperanças e haja angústias e haja sonhos! Ah! os sonhos!… Quer o homem, em pleno estado de vigília, entender os sonhos, torná-los concretos. Freud bem que tentou ensinar a fórmula. Mas a psicanálise freudiana, para muitos, ainda é um imenso labirinto onírico. Por isso, em perseguição dessa tão sonhada felicidade, o homem desanda a sofrer. Busca, finalmente, um lenitivo para essas dores do espírito. Põe-se a serviço da construção e da contemplação da Beleza. Nesta sua caminhada terráquea, a estação que o leva a mais se aproximar da felicidade é a contemplação da Beleza. É aí que as artes ocupam importantíssimo papel na vida do homem. Aliás, ouso dizer, sem a arte – expressão maior da inteligência humana -, o homem não passaria de um miserável bicho bípede, deslanado, sem cauda, sem garras, despreparado para a caça e para a pesca; e sem nenhuma chance de cavar, mergulhar e voar. Mas o homem, ser divino, tem a Inteligência!… Que o leva ao trabalho maneiroso, ao engenho, à arte, à perfeição, ao amor… E ainda o levará à felicidade!

Oton Lustosa

Texto extraído do discurso de posse do escritor Oton Lustosa na cadeira n° 05 da Academia Piauiense de Letras.

sunset park de paul auster

Durante os meses sombrios do colapso económico de 2008, quatro jovens ocupam ilegalmente uma casa abandonada em Sunset Park, um bairro perigoso de Brooklyn. 
Bing, o cabecilha, toca bateria e dirige o Hospital das Coisas Escangalhadas, onde conserta relíquias de um passado mais próspero. Ellen, uma artista melancólica, é assaltada por visões eróticas. Alice está a fazer uma tese sobre a forma como a cultura popular encarava o sexo no pós-guerra. Miles vive consumido por uma culpa que o leva a cortar todos os laços familiares. Em comum têm a busca por coerência, beleza e contacto humano.
São quatro vidas que Paul Auster entrelaça em tantas outras para criar uma complexa teia de relações humanas, num romance sobre a América contemporânea e os seus fantasmas.

Wook

Outro livro de Paul Auster que não desaponta. Adorei.


Tradução de José Vieira de Lima

um coração simples de gustave flaubert

Um excelente conto, Un cœur simple, do autor de três excelentes obras que tive o prazer de ler: Madame Bovary, Salambô e A Educação Sentimental. Um Coração Simples foi publicado em 1877 no livro Trois Contes em conjunto com “La Légende de Saint Julien l’Hospitalier” e “Hérodias” .

“Um Coração Simples” de Gustave Flaubert espelha minuciosamente a vida monótona e sem amor de uma criada pobre e sem instrução. Flaubert neste poderoso conto elabora um estudo doloroso das limitações humanas e da solidão que elas criam.

Em “Um Coração Simples” Flaubert deixa espaço suficiente para permitir interpretações diferentes. Mas seja qual for a interpretação a conclusão é única: “Um Coração Simples” é uma obra de arte profundamente comovente e extremamente bela.

hugo teixeira, a cena de uma entrevista

Hoje acordei com uma ideia a moer-me cá na orelha esquerda. Quem é Hugo Teixeira? O que se passa dentro daquela carola que ele teima em embelezar com headphones todos marados? Terá uma mente perversa que tenta disfarçar com fotos, enviadas via express Instragam, de um gato mais fofo que a Madre Teresa? E a barba servirá para esconder marcas de guerra de paintball? Ou desde que começou a ver Dr. House acha que uma barba mal aparada é sinal de gajo que domina diferenciais?

Foi com a ideia de perceber quem é Hugo Teixeira que lhe coloquei uma série de perguntas armadilhadas, porque na realidade é um teste psicotécnico. Espero provar que Hugo Teixeira é um anão disfarçado que assassina caracóis em manteiga 100% reciclada como combustível para criar magia.

Bora lá:

1. já sei que não sabes desenhar, por isso qual o teu truque para ofereceres pranchas de imensa qualidade?
eh pá, questão difícil, ainda hoje disse isso, eu não sei desenhar, mas sei fazer cenas, cenas tas a ver, aquilo que eu QUERO realmente fazer… só não me venham com matemática!

2. não tens medo de ser sequestrado para apresentares o mais breve possível o volume II MAHOU, Na origem da Magia – por que a existir culpado és tu e não Ana Vidazinha?
Pá não sei qual é a idade dos raptores, se forem os miúdos das imensas escolas que ando por esse país afora era mesmo curtido, podia melhorar a história mil vezes… agora imagina se fossem os meia dúzia de nerds portugueses O_O

3. quando comes caracolis atacas o bicho morto com um grafo ou um um palito?
Com os dentes às vezes ou então faz-se aquele barulho específico, shlep! ao chupar.

mahou_na_origem_da_magia

mahou, na origem da magia

4. não andas a perder tempo demais com o Instagram quando podias avançar mais no mundo da magia?
Através do instagram incito magia, já reparaste, tudo tem a sua magia, mesmo que seja…uma foto a um esqueleto…
Quando era puto (ainda sou, mas o reumático está a querer instalar-se) gostava imenso de ver locais de onde os outros desenhavam e coloriam, aí sim era um mundo mágico para mim. Quero oferecer isso.

5. quando não brincas de DJ, ou tentas enfrentar um dólmen, tens tempo para pensares em banda desenhada? ou achas que aqui neste país é um caso perdido?
esta é difícil. pá! Dolmens é só nas férias, brincar de dj é uma coisa que já cá está desde que oiço música, agora para me acalmar e concentrar brinco com isso, ah e legos também. O país não mas eu sou um caso perdido, completamente entregue a mim mesmo.

6. não tens medo de te tornares um cromo da BD sempre de barba por desfazer? ou achas que isso é o teu estilo?
Sempre chamei preguiça à barba. Pronto tenho que marcar mais sessões de tosquia com a veterinária, mas diz lá, dá um certo estilo não?

7. hum não existe 7, mas eu respondo: pá porque é que perdi tempo com isto e daqui a pouco vou perder ali tempo no national geográfic com a tv em temporizador e acordar amanhã à tarde
E voltar a repetir tudo… ah! não! É amanhã, (hoje? sempre perdido no tempo) o Amadora BD, vou ver pessoal que não vejo há bue, vai ser porreiro!

Comprem um livro e pranchas originais fantásticas que eu tenho para venda, não sei desenhar mas sei fazer cenas, montes delas.


Afinal quem é Hugo Teixeira?
Uma coisa é certa é um tipo que tem um fetiche por cenas realmente mágicas!
Por isso comprem o seu livro Mahou, Na Origem da Magia e mergulhem sem dificuldade num mundo de verdadeira magia feita de palavras e imagens. Aproveitem que ele vai estar presente no Amadora BD; para o encontrar nada mais fácil, basta seguir as setas.

asgard: pied-de-fer (tome 1)

“Asgard tome 1: Pied-de-fer” de Xavier Dorison (argumento), Ralph Meyer (desenhos) é um álbum, simplesmente, BRUTAL!
Ambos, que já tinham colaborado na série XIII, álbum “O Mangusto” (La Mangouste, 2008) editado entre nós pela ASA na coleção Os Incontornáveis da Banda Desenhada, oferecem um obra de grande qualidade a todos os níveis.

Asgard, a personagem principal, nasceu imperfeito?, uma das pernas apenas tinha a coxa, e deveria ter sido morto pelo seu pai. Este recusou e batizou-o com o nome da terra dos deuses. Asgard não podendo ser guerreiro tornou-se um caçador de monstros.

É um álbum cheio de personagens fortes, com pranchas de enorme beleza, especialmente as de batalha, que não não vai deixar ninguém indiferente.

História lida nas revistas: L’Immanquable N° 13 e 14

le pilote à l’edelweiss: valentine (tome 1)

“Le Pilote à l’Edelweiss: Valentine” (tome 1) com desenhos de Romain Hugault e história de Yann não me convenceu muito.
A pouca originalidade da história e a dificuldade em distinguir os dois irmãos são para mim os dois aspectos negativos do álbum.

De positivo é a existência de pranchas verdadeiramente sublimes e realistas. Romain Hugault desenha aviões como ninguém – os combates aéreos, a luz no metal são de grande beleza.

O álbum faz parte de uma mini-série de três álbuns a editar pelas edições Paquet na colecção cockpit.

História lida nas revistas: L’Immanquable N° 11, 12 e 13

perspectivas

Já tinha pensado rascunhar umas linhas sobre o assunto, mas nunca o fazia. Hoje é o dia.
Considero-me um tipo com um grande moral e com um saudável dose de amoralidade; existem limites é claro.
Se por vezes publico imagens de erotismo de dado artista é porque gosto em alguma medida do que vejo.

Exemplifico.

Não tenho nada contra a beleza da “Nereida” de Otto Theodore Gustav Lingner que é uma pintura agradável.

nereida de Otto Theodore Gustav Lingner

E muito menos com o quadro de Josep de Togores, “Mulheres a dormir” que transmite bastante volúpia.

mulheres a dormir

mulheres a dormir de josep de togores

Mas já acho desprezível a “Inocência” do quadro de Pedro Sáenz Sáenz. É uma opinião, a minha.

inocência de pedro sáenz sáenz

inocência de pedro sáenz sáenz

hereafter – outra vida

A primeira conclusão a reter é que Clint Eastwood deixa tudo em aberto; cada um pode tirar as suas próprias conclusões. As restantes conclusões resumem-se a uma: Clint Eastwood é um grande realizador.

“Hereafter – Outra Vida” apresenta uma história complexa, personagens fascinantes. Adorei este Matt Damon mais intimista.

O filme trata não apenas do tema “vida depois da morte”, mas acima de tudo (a sua mais valia) sobre a própria vida. O mistério do “outro lado” é importante, até por vezes assustador; a visão de “Hereafter – Outra Vida” é de paz. No final descobrimos que a beleza da vida é afinal aquela que ainda estamos a viver.

Não estejamos à espera: enovelemos toda a nossa força e toda a nossa doçura numa única esfera, e pelo nosso prazer forcemos duramente os portões de ferro da vida, que abriremos amplamente. Não podemos obrigar o nosso Sol a quieto permanecer, mas está ao nosso alcance fazê-lo correr.
Os Impostores por Alfred Bester

Digam que não existe poesia na ficção cientifica? Digam-me?

(…) nas minhas costas ouço sempre a aproximação da quadriga voadora do tempo; e além, à nossa frente, jazem desertos de eternidade. A tua beleza não será mais reencontrada; e os ecos da minha canção não se ouvirão na tua sepultura de mármore: depois, os vermes provarão a tua tão preservada virgindade; a tua honra a pó se reduzirá, e em cinzas o meu desejo se transformará.
Os Impostores por Alfred Bester

Digam que não existe poesia na ficção cientifica? Digam-me?