Tag Archive for: blueberry

blueberry #24 – mister blueberry de charlier e giraud

09 Fev
09.02.2020

Tombstone, 1881. Chegado há uma semana no hotel Dunhill, um misterioso jogador incendeia todas as noites as mesas de póquer e todos os homens abastados da região se acotovelam para o defrontar. Mas esta figura enigmática acaba por suscitar o interesse de muitas outras pessoas, por razões variadas que vão muito para além do mero póquer. Blueberry – pois não é ele senão a intrigante personagem – ganhou alguns cabelos brancos e a sua vida resume-se agora a estas partidas de cartas, que se sucedem umas atrás das outras. Ele que já não quer senão calma e tranquilidade, acaba por se ver colocado no centro das atenções, com a sua mesa de póquer a transformar-se num redemoinho que pode acabar por o engolir…

Bandas Desenhadas

É o primeiro álbum, de 1995, do ciclo Mister Blueberry, no qual Giraud continua a série após o falecimento de Charlier, passando, também a assumir o argumento, apesar de em 2007 ter sido editado o álbum Apaches, que cronologicamente decorre antes de Mister Bluberry.[1]


[1] Tem como ponto de partida flashbacks contidos nos volumes 24 a 28, para formar uma única história linear, e contem, igualmente, algumas novas pranchas. Essas pranchas serão as últimas produzidas por Jean Giraud para a série Blueberry.

Tradução de Paula Caetano

blueberry #05 – a pista dos navajos de charlier e giraud

09 Fev
09.02.2020

Blueberry, com a ajuda de MacClure e Crowe, tentar convencer os chefes apaches a porem fim à guerra contra os brancos. Em atenção a Crowe, que em tempos o havia salvado, Cochise aceita encontrar-se com Blueberry. Mas Quanah, entretanto chegado ao acampamento índio e disposto a impedir esse encontro a qualquer preço, anuncia que as armas prometidas pelo governador Armendariz seriam entregues dentro de seis dias. Trata-se nada mais nada menos do que 200 espingardas modernas, que seguramente colocariam os índios em vantagem face aos caras-pálidas. A notícia acaba por chegar ao conhecimento de Blueberry e de MacClure, que decidem impedir a entrega das ramas e defrontar Quanah numa derradeira batalha…

Bandas Desenhadas

A conclusão da história iniciada em Forte Navajo. É o quinto e último álbum do primeiro ciclo da série, denominado Ciclo das Primeiras Guerras Índias.

Tradução de Paula Caetano

blueberry #04 – o cavaleiro perdido de charlier e giraud

03 Fev
03.02.2020

Blueberry voluntaria-se para se encontrar com o chefe apache Cochise e encetar negociações de paz. Mas, para isso, tem de encontrar Crowe. Jim MacClure, um batedor que conhece a região melhor do que os próprios índios, aceita servir-lhe de guia até ao acampamento do chefe Charriba, onde, segundo ele, Crowe se encontra. À sua chegada, porém, ambos são tomados por perigosos espiões e capturados. Prestes a serem torturados e executados, são salvos pela chegada inopinada de Crowe, que assume a sua defesa junto do chefe. Mais tarde, Crowe informa Blueberry que o chefe Cochise e os seus homens se encontram em Sierra Madre, no México, onde o governador Armendariz lhes fornece armas e munições para continuarem a guerra…

Bandas Desenhadas

Aqui é dada a conhecer uma personagem super divertida – Jim MacClure.


Tradução Paula Caetano

blueberry #03 – a águia solitária de charlier e giraud

02 Fev
02.02.2020

A guerra contra os Apaches está ao rubro, mas Blueberry consegue resgatar o jovem Stanton com a ajuda de Crowe. Este, contudo, desaparece na refrega, deixando Blueberry sozinho na missão de convencer as autoridades de que não são os Apaches os responsáveis pela guerra. Para defender a causa da paz junto do general Crook, que tem plenos poderes na matéria, Blueberry parte para Camp Bowie, onde Crook reside; mas, para isso, tem de escoltar até lá uma carroça carregada de munições. Assim começa uma viagem de alto risco, seguida de perto por um terrível adversário que tudo vai fazer para se apoderar das munições em trânsito e, com isso, assegurar a continuação da guerra a qualquer preço: um apache rebelde de nome Águia Solitária.

Bandas Desenhadas

E isto continua a bombar forte e feio – fantástico.


Tradução Paula Caetano

blueberry #02 – tempestade no oeste de charlier e giraud

23 Jan
23.01.2020

Os Apaches reuniram todas as suas tribos para decidirem se vão ou não entrar em guerra com os caras-pálidas, e entretanto montaram um cerco a Forte Navajo, onde vários chefes apaches se encontram aprisionados. A angústia é grande no interior do Forte, que assim se encontra isolado do resto do mundo. Após uma traição do tenente Crowe tudo parece irremediavelmente perdido e Blueberry decide partir para Tucson em busca de reforços e de medicamentos para salvar o coronel Dickson, entre a vida e a morte. Conseguirá ele sobreviver a esta travessia do deserto? E se sim, conseguirá ele regressar a tempo? Os Apaches uniram-se entretanto a traficantes de armas mexicanos e parecem ter-se apoderado de toda a região…

Este álbum, continuação da história iniciada em Forte Navajo, continua a fazer-se valer.

Tradução de Paula Caetano

blueberry #01 – forte navajo de charlier e giraud

19 Jan
19.01.2020

O Público e a Asa trazem de volta o Tenente Blueberry, o mais célebre cowboy do velho Oeste Americano.
Nascido pela mão de Charlier (argumento) e Giraud (desenho), o oficial do exército americano Mike Blueberry é uma personagem criada expressamente para a revista Pilote, onde faz a sua primeira aparição em 1963. A série a que dá origem constitui uma referência incontornável no estilo western e continua ainda hoje a entusiasmar leitores de todas as idades um pouco por todo o mundo.
Blueberry é considerado um dos maiores personagens da banda desenhada franco-belga. Herói atípico ocidental, é um oficial do exército norte-americano, inteligente, destemido e de espírito rebelde, conduzindo-nos a um mundo repleto de perigos e aventuras na época da Guerra Civil Americana.
Nesta colecção descubra as aventuras do Ciclo das Guerras Índias (primeiro ciclo do personagem) e do Ciclo Mister Blueberry (totalmente da autoria de Moebius), há muito desaparecidas do mercado português.

Uma releitura, de Forte Navajo, um clássico da banda desenhada numa nova edição da Asa em colaboração com o jornal Público.

Tradução de Paula Caetano

livros na palete – posição 025

12 Jan
12.01.2020

Aqui se revela o que tenho de novo em 2020 – primeira fase.

The Subjugate by Amanda Bridgeman

Os primeiros quatro álbuns da colecção Blueberry.

autopsy to a poem: the compass of digestion by rhys hughes

22 Fev
22.02.2014

Next item is an autopsy to a poem from the book “The Gloomy Seahorse” by Rhys Hughes.

Why does the poet ask me to go with him to Indonesia? He has no friends and that is why he needs me? Is he afraid to go alone? If he is afraid, is this a reflection of a childhood trauma? An unresolved Oedipus complex? I’m sorry, but I have to refuse. I do not like Indonesia in February and I get sick just from thinking about the Komodo Dragons.

Again the poet reveals that he values his dental hygiene. We must take a toothbrush, and bath salts! Clearly he’s an addict in personal hygiene which reveals an unresolved Oedipus complex. I could argue that even if I go to Indonesia I will only take the toothbrush, but never the bath salts. I like showering.

The poet reveals that we will not pass beyond Borneo!! If so, why ask me to go with him to Indonesia if he doesn’t have enough money for a full ticket? He reveals that he is a liar with this fake invitation. He tries to blame the toaster. We know that it is never the toaster’s guilt, but always the butler’s. This is an unresolved Oedipus complex.

rhys hughes the gladiator

rhys hughes and the jungle picnic!

He states that picnics with blueberry jam in the jungle are uncommon. This sentence shows a disturbing innocence mind, because we never do picnics in the jungle. This demonstrates that the poet did not go far away from home in his childhood. This reveals an unresolved Oedipus complex.

Then he says that we won’t get as far as Java? For the love of God he could decide once and for all. Why did he make a poem without the minimum knowledge of geography. This reveals an unsolved Oedipus complex. He even poses the hypothesis to swim in the sea, but only if the water isn’t cold – he lives in Swansea and he has problems with the cold?

Then I discovered that the poet is a voyeur. His neighbor Polo went shopping and did a good bargain, and that is the envy of our poet who covets his brown bread and jam.

With all this I end up not understanding the reference to Xanadu. The poet could be more specific. We’ll have breakfast in Xanadu or eat Xanadu? And if the latter hypothesis, is Xanadu the jam’s brand? The poet really needs a compass.

ringo

26 Set
26.09.2010

“Ringo – Três Bandidos na Neve” de William Vance (desenhos) e André-Paul Duchâteau (texto), no original “Trois Salopards dans la neige” (1978) é um boa banda desenhada a todos os níveis. Os desenhos de Vance já revelam um estilo muito próprio que ia aperfeiçoando em cada obra. Se na série do agente especial “Bruno Brazil” já era um artista reconhecido em XIII a fama tem o seu maior pico.

Gosto especialmente deste Ringo que foi o primeiro verdadeiro western que li antes do mítico Blueberry.

eu babo-me e tu?

04 Out
04.10.2009

Ao reler Incal pensei no que me leva a gostar de tal forma de uma história que serve não apenas de referência para todas as outras que vou lendo, mas, também, como ponta de lança numa conversa quando falo, completamente babado, sobre a 9º arte ou sobre a 6º arte; já não tão babado, claro.

Apenas recorrendo à memória e não às estantes aponto como os meus autores de BD de excelência: Moebius, Druillet, Pratt, Bilal [1], Goscinny e Greg; e Alexandre Dumas, Walter Scott, Tolstoi, Nietzsche, Kafka, Eça, Hubbard, Heinlein, Robert Silverberg, Camus, Sartre, Gautier, Balzac, Sthendal e Flaubert na literatura. [2]

Starwatcher

Starwatcher (1)

Sei que se fosse agora mesmo às estantes iria descobrir outros autores tão espectaculares quanto estes, mas a verdade é que são estes e não outros autores que foram aqui escritos.

.Moebius
A primeira história que li era passada num mundo estranho. Havia um menino numa janela; uma personagem impassível. E um gato. E uma águia. O desenho é fascinante. O argumento assombroso. O conjunto é uma história com uma narração cinematográfica de um surrealismo magnético. É uma obra a duas cores, metálicas, que se lê em 5 minutos, como um filme(?), mas que deixa uma sensação inesquecível. A primeira aquisição que tenho de Moebius é, pois, “Os Olhos do Gato” (Martins Fontes, 1987); o argumento é de Alejandro Jodorowsky, o mesmo argumentista do Incal.

Incal Negro

Incal Negro (2)

Depois veio o Incal. A paixão pelo Incal começou logo na prancha 1bis (2 página d’ “O Incal Negro”, Editorial Futura, 1983).
Após isto com Moebius aka Giraud ou Giraud aka Moebius foi sempre a abrir. Tenho praticamente todo o Moebius – ainda não comprei, mais por preguiça, acho eu, Arzach – não tanto Giraud, apesar de adorar Blueberry.
A grande aquisição que tenho de Moebius é “Starwatcher”, Edition Aedena, 1986; o livro é uma reedição “De la Mémoire du Futur” inteiramente revista e ampliada.

Moebius é para mim dentro da excelência a maior referência na banda desenhada.

.Druillet
Foi descoberto a ver revistas Écho des Savanes. Não foi uma história, mas uma entrevista. Os desenhos eram diferentes. Tinham vida própria. De Druillet apenas tenho Salammbô, mas os desenhos são um desespero visual.

. Hugo Pratt
“A Balada do Mar Salgado”, editada pela Bertrand (1982) e emprestada por um colega (Ilídio Torres [IT]) em Coimbra, foi amor à primeira vista. Na mesma altura lembro-me de ler o “Silêncio” de Didier Comès, mas foi com Pratt que fui descobrir outro universo de BD. Pratt é O autor que cria com uma tal intensidade uma BD que podemos dizer que estamos perante um romance de aventuras em forma de BD. Corto Maltese é o herói/anti-herói que vive aventuras de sonho num mundo real(?).

.Enki Bilal
“O Cruzeiro dos Esquecidos”. Mais uma vez Coimbra e IT. Bilal com um desenho de sombras único cria personagens que são de tal forma psicologicamente credíveis que nos contaminam com os seus medos; vivem num futuro com características assustadoramente reais e possíveis.

.Réne Goscinny
Coimbra e as revistas Tintin perdidas em desleixo na Real República dos Pyn-Guyns onde residia IT. Goscinny é Humor + Humor + Fantasia. Uma simplicidade a contar histórias que nos faz sonhar ao quadrado.

.Greg
Achille Talon com naturalidade. Ainda adoro dizer/escrever o “espirrar baboseiras pelo nariz”. Greg (Michel Regnier) é Humor + Aventura + Fantasia. Experimentou com sucesso todos os géneros. Grandes heróis de aventuras têm a sua marca: Chick Bill, Spirou e Fantasio, Bernard Prince, Luc Orient, Bruno Brazil, Comanche, Spaghetti e muitos mais.

A Armadilha Diabólica

A Armadilha Diabólica (3)

Se com os autores acima descritos foi sempre amor à primeira vista houve pelo menos dois autores que tive dificuldade em comer à primeira, segunda e até terceira vez:
– um foi Edgar E. Jacobs e “As Aventuras de Blake e Mortimer”; tanto texto, mas tanto texto que me assustava sempre que folheava um álbum, mas quando finalmente ganhei coragem foi uma paixão para sempre.
Haverá alguém que não fique com suores frios ao descobrir n’ “Armadilha Diabólica” (Meribérica/Liber, 1987) a prancha da página 38?

– o segundo foi Tardi com “As Aventuras Extraordinárias de Adéle Blanc-Sec”. O desenho de “Adéle e o Monstro” (Bertrand, 1978) não me convidava, sabe-se lá porquê, a avançar. Foi muito mais tarde, quando ganhei a colecção completa a IT, que me senti obrigado a ler “Adéle” e adorei.

Graças a este esforço e persistência adorei, mais tarde, Alix de Jacques Martin e não perdi na (A Suivre) as aventuras de “Nestor Burma” baseadas nos livros de Léo Malet.


[1] descobri na sequência de estar a ler “A Viagem de Théo” (Circulo de Leitores, pág. 63) que Bilal, um escravo negro, foi um dos primeiros convertidos aos ensinamentos do profeta Maomé.
[2] falarei destes escritores noutro post.
imagem (1) – descrição: imagem retirada da edição Starwatcher”, Edition Aedena, 1986
imagem (2) – descrição: prancha (página 2) retirada da edição da Editorial Futura, 1983
imagem (3) – descrição: prancha (página 38) da da edição da “Armadilha Diabólica”, editada pela Meribérica/Liber, 1987.
© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!