Artigos

encontros de literatura e banda desenhada – amazonas contemporâneas

Estes encontros, compostos por quatro debates: 16, 19, 21 e 23 de Janeiro, estão integrados nas comemorações do 40º aniversário do ILCH e pretendem abordar a relação entre a literatura e a banda desenhada, ou como referiu o Prof. Manuel Curado na sua mágica intervenção “o que cola“.

No dia 16 tivemos: Herdeiras de Wonder Woman. As Amazonas na Ficção Popular Contemporânea

Desde a criação de Wonder Woman em 1941, abundam na ficção popular as mulheres que defendem pela força a liberdade de decidir o seu destino. Entre elas, contam-se Katniss Everdeen (Os Jogos da Fome) e Lisbeth Salander (Millenium. Os homens que odeiam as mulheres). Com Diogo Carvalho, exploramos os modos como estas personagens contribuem para a vitalidade e diversidade da nova mitologia das amazonas.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

Hoje será: Maus, de Art Spiegelman. Um romance Gráfico do Holocausto

Um testemunho real de um sobrevivente de Auschwitz, é isto, entre muitas outras coisas que podemos encontrar neste romance gráfico de Art Spiegelman. Com Marie Manuelle Silva, abordamos as técnicas gráficas, os recursos narratológicos e as figuras estilísticas que o autor usa para representar o Holocausto de forma real e impactante, inscrevendo este estrondoso sucesso de público e de crítica em diferentes correntes da tradição literária e da tradição ilustrativa.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

No dia 21 será: O Motivo do Herói Órfão. Oliver Twist e os Heróis da Banda Desenhada

Quantos heróis que conhecemos são, de uma ou outra forma, órfãos. Trata-se de uma lei ou de puro acaso? Tendo Oliver Twist de Dickens como ponto de partida e Margarida Pereira como convidada, iremos procurar na literatura a origem deste motivo presente na BD e nos Comics.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

No dia 23 será: Para Além do Véu. Persépolis, de Marjane Satrapi

Conversamos com Said Jalali sobre o romance autobiográfico de Marjane Satrapi, Persépolis, que é o olhar de uma menina sobre as alterações radicais introduzidas pela revolução de 1979 na vida quotidiana da sociedade iraniana. Romance de formação escrito e desenhado num contexto de deslocamentos geopolíticos e geoculturais à escala global, Persépolis narra os exílios de Marjane – tanto fora como dentro do Irão.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

Herdeiras de Wonder Woman. As Amazonas na Ficção Popular Contemporânea teve como convidado Diogo Carvalho.
Antes da sua apresentação foi nos oferecida uma mágica intervenção pelo Prof. Manuel Curado. Esta intervenção foi de tal forma intensa, poética que logo se percebeu que a noite ia ser em Grande. O Prof. Manuel Curado revelou sem sobressaltos e com um dialéctica argumentativa tão bem tecida a razão da literatura, nas suas mais diversas formas, nos invadir os sentidos desde sempre. O Prof. Manuel Curado provou ser o nec plus ultra do mágico das palavras e conseguiu deliciar-me ainda mais quando terminou o seu acto com as palavras “o diabo do espelho.

diogo carvalho

diogo carvalho

Diogo Carvalho, a razão que me dez deslocar a Braga, esteve perfeito a falar, sem papas na língua, sobre a Wonder Woman per si, falou nas mudanças no seu uniforme (como sinal dos tempos), os seus motivos como heroína, o seu protagonismo e a forma como foi/está actuando/actuar no universo de super-heróis. Conseguiu em poucas palavras contextualizar a sua criação, com doces e picantes pormenores. Falou do seu multifacetado criado, William Moulton Marston. Falou do presente e do futuro da Wonder Woman.

Quanto a Katniss Everdeen e Lisbeth Salander como amazonas herdeiras da Wonder Woman o que fica em resumo é que ambas são os Alpha das suas histórias. Como mulheres fazem, “e como colocar isto sem ofender, mas tendo de utilizar um cliché“, perguntava Diogo Carvalho, “um bom trabalho de homem. Ou melhor, um trabalho atribuído geralmente ao homem.”

Katniss Everdeen faz o que faz por amor à irmã, ofereceu-se como tributo, e acaba por agir sempre por estímulo. Perante um problema, age. Não cria problemas, mas encontra soluções por… impulso. E perante uma sociedade distópica, acaba por ser ela, pela sua perseverança, coragem, abnegação, a alavanca (“Deem-me um ponto de apoio e moverei a Terra.”) para derrubar o sistema por dentro – implosão.
Lisbeth Salander faz o que faz por vingança. Ao contrário de Katniss Everdeen, Lisbeth Salander perante uma situação adversa, raramente age por impulso. Tudo é planeado. Ela está por fora de um sistema deficiente, corrupto e as suas acções levam a que este expluda.

Foi colocada uma questão. Se elas são o que são ou fazem o que fazem por não estar presente a figura do pai – acho que a ideia da pergunta é esta (contudo, posso estar errado).
A pergunta é interessante e a resposta aceite é que em ambas o pai, pode ou ser o modelo ou a motivação para elas serem como são – fortes, independentes.
Quanto a Katniss Everdeen é fácil concluir que é a ausência do pai que a torna o que é uma Alpha. É ela a razão de a mãe e irmã estarem vivas.
Quanto a Lisbeth Salander foi a existência de um pai que a torna Alpha por competição e sobrevivência.

Se o papel poderia ter sido atribuído a um homem? Podia, mas o efeito não seria tão másculo.

Katniss Everdeen e Lisbeth Salander comprovam acima de tudo que qualquer ser humano consegue ser Homo homini lupus. Apenas são precisas certas circunstâncias, uma série de eventos catalisadoras da nossa natureza predatória.

Isto são pensamentos avulsos que fui tendo e que decidi agora transcrever.

Avalio positivamente o encontro. Adorei as conversas muito interessantes e estimulantes. Os alunos do Mestrado de Mediação Cultural e Literária estão de parabéns.

mesa redonda com ilustradores – feira do livro de braga: a minha apreciação

mesa redonda com ilustradores

mesa redonda

Assumo que fui ontem a Braga apenas à apresentação do livro Obscurum Nocturnus por Diogo Carvalho. Desconhecia, assim, que ia haver uma Mesa Redonda com Ilustradores.

Apenas um suave apontamento: se o meu programa de reconhecimento facial demora um bocado de (muito) tempo a processar a imagem que os meus olhos recebem e é algo pelo qual sou conhecido, para o bem ou para o mal, cada um o entenderá como o quiser, digo-o, contudo, que nunca é intencional. Como diz a minha filha “pai tu andas sempre nas nuvens, mas devem ser especiais porque és robusto 🙂

Como o que mais tinha era tempo lá esperei e assisti mesmerizado a cada uma das intervenções. E apesar de conhecer, apenas, os trabalhos de Diogo Carvalho, mais profundamente, e de Sebastião Peixoto (descobri pela primeira uma ilustração sua na excelente Tornado – Digital Zero Artshow) e Pedro Seromenho, ligeiramente, fiquei naturalmente perplexo por tão perto de mim, ainda, ter dois artistas desconhecidos: Susana Leite e César Figueiredo.

O que saliento desta informal mesa redonda é a paixão que cada um dos oradores dedica ao que faz e é essa paixão que os torna cativantes e fáceis de escutar.

César Figueiredo foi a grande descoberta da noite e revela o quanto por muito conhecimento que penso adquirir a cada leitura que faço a verdade é que ainda há muito a descobrir no mundo da ilustração.
O engraçado é que apesar de ler com alguma regularidade a revista francesa Historia e mergulhar em mundos antigos através de imagens nunca parei para analisar sobre o trabalho que está por detrás daquelas ilustrações. Levei, educadamente, um metafórico puxão de orelhas de César Figueiredo, que sem usar qualquer termo técnico explicou de forma colorida o mundo maravilhoso da ilustração arqueológica e histórica.
Como curiosidade já tinha descoberto o desenho cientifico já que fui levado a esse mundo pela primeira vez através de Pedro Salgado que publicou um artigo na revista Margens e Confluências 2008/2009 e da qual tenho um precioso exemplar.

césar figueiredo

césar figueiredo

Sebastião Peixoto, confessou que não se sente confortável a falar para o microfone; isso não o impediu no mais espectacular estilo telegrama de conseguir obter sorrisos rasgados enquanto explicou em “filme sem som” mas com comentários pontuais o que é a ilustração digital.

sebastião peixoto

sebastião peixoto

Diogo Carvalho, foi para mim o momento especial da noite e a razão de estar ali. Adorei o ouvir e sentir o homem que criou “Cabo Connection” e o espectacular Obscurum Nocturnus. Falou sobre BD – Arte sequencial explicando através do seu trabalho um pouco da nona arte.

diogo carvalho

diogo carvalho

Compro pouca banda desenhada, porque me apaixonei pelo trabalho de “certos e determinados” artistas e estou sempre à espera que produzam novas obras.
Sim: também vou comprando outras coisas, mas mais alternativas como ultimamente: Magic Mirror – A Collection of Comics por Ed Pinsent, ou The Unknown Adjective and Other Stories por Doug Skinner.

diogo carvalho + eu + diogo campos

diogo carvalho + eu + diogo campos

Pela altura da sessão de autógrafos tive a oportunidade de falar um pouco com Diogo Campos e de estar com Arlindo Fagundes que veio cumprimentar o Diogo Carvalho.

Pedro Seromenho é um orador nato. É um contador de histórias multifacetado. Senti-me um puto a ouvir as suas palavras e a seguir os seus gestos. Pedro conseguiu-me hipnotizar e colocar-me dentro de um filme 3D apenas com gestos e palavras. Falou do seu novo livro e da relação entre a escrita e a ilustração.

pedro seromenho

pedro seromenho

Susana Leite não se deixou intimidar pela maioria masculina e revelou que é uma mulher de armas e com uma imaginação soberba. Falou sobre ilustração e técnicas mistas usando um dos seus livros como exemplo e digo-vos que exemplo! Um livro ímpar. Material base: pintura em cerâmica. Foi ousada, mas conseguiu obter um resultado mágico.

susana leite

susana leite

Para mim foi uma noite em grande, na companhia de cinco artistas que revelaram preto no branco e a cores e a som trabalhos tão diferentes, mas que estão todos unidos pela paixão, pela criatividade, pelo sacrifício.

Venderam-me bem o peixe – admito, mas a culpa é deles eu fui uma vítima inocente.

mosteiro de são martinho de tibães, i

No interior do Mosteiro de São Martinho de Tibães.

as atribulações de um português no porto

E antes que digam que existe um livro com um nome semelhante ao título desta entrada, eu coloco-o aqui: “Les Tribulations d’un Chinois en Chine” de Jules Verne. Pronto!

Ontem o dia correu muito bem. O almoço do Leituras de BD estava devidamente condimentado; espectacular companhia.

Quanto ao MAB – Festival Internacional de Multimédia, artes e BD, como ia com o pessimismo instalado, até gostei. Teria alguns aspectos negativos a apontar, mas o facto de ter efectuado umas boas compras, conhecido pessoal fantástico, e ter trazido uns valentes rabiscos, evita frases mais tristes. Além do mais tive o prazer de ver em primeira mão a exposição de Zakarella.

Contudo este post não servirá para falar do MAB – Festival Internacional de Multimédia, isso ficará para outro, mas das minhas aventuras malucas, que comprovam muita coisa ou nada.

Os apontamentos:

    1. Fui de comboio
    2. Como tipo precavido que sou, depois de ver o horário do comboio de regresso, marquei como alarme a hora de partida no meu Nokia x6 para não o perder.
    3. Às 17h45m o alarme disparou. No visor indicava 18h00. Com apenas 15m para chegar ao destino e como não sabia a forma mais rápida de chegar à estação de São Bento pedi indicações à diabólica Virgulina Labareda.
    4. Recordei-me que tinha deixado na mão do João Mascarenhas o Punk Redux, o novo álbum do Menino Triste. Fiquei mais que doido.
    5. Pesquei o marcador de livros da Dr. Kartoon, telefonei para a loja de Coimbra, pedi o número de telemóvel do João Miguel Lameiras e pedi-lhe para deixar o álbum com Nuno Amado – agora vou ter mesmo de pagar os portes!
    6. Perdi-me, temporariamente. Sabia que a rua de referência tinha uma data, mas só me lembrava do 25 de Abril. Como fui capaz de me esquecer de um livro!
    7. Quando me lembrei do 31 de Janeiro foi sempre abrir – claro que a descer ajuda.
    8. Chegado à estação de São Bento, pisco os olhos para o relógio de pulso que me indica 18h30m – merda, perdi o comboio.
    9. Ataco a tabela de horários Porto-Vigo para ver a alternativa e reparo que não existe qualquer comboio às 18h00, mas sim às 18h45m
    10. Amaldiçoo o Nokia x6 e especialmente o sujeito que gravou o alarme. Depois desta confusão ainda tenho 15m – nada mal!
    11. Na bilheteira: “Um bilhete para Barcelos”.
    12. “Não há hoje mais comboios para Barcelos devido à greve”.
    13. “Greve! Mas está no placard o comboio das 18h45m para Braga”.
    14. “Não tem ligações para os regionais.  A greve é dos regionais a partir das 16h00. Só tem comboio até Nine.”
    15. Ainda na bilheteira: “A sério?!! Que seja. Um bilhete para Nine.”
    16. Continuando na bilheteira: “Mas, mas… depois o senhor não tem comboio para Barcelos!”
    17. “Faço o resto do percurso a pé pela linha. O meu Nokia servirá de lanterna.” Fiquei um pouco melhor com a expressão do homem, apesar de ele ter a obrigação de não revelar qualquer surpresa perante um simples sujeito de chapéu aparentemente amalucado.

Ainda tive tempo de beber um capuccino extraído daquelas máquinas automáticas e comprar uma garrafa de 1,5l antes de entrar para o Comboio. Ufa!!!

esmolas para os pobres

Esmolas para os pobres. Braga.

fechadura

Fechadura e corrente.

ordens!

No Bom Jesus, Braga.

as outras duas descobertas: “janelas de futuro”

No dia 25 de Setembro escrevi

Hoje foi um dia de descobertas; duas trouxeram uma frutada surpresa a terceira revelou-se completamente inebriante.
Resolvo para já assinalar a descoberta “inebriante”.

Hoje é dia de escrever sobre as duas descobertas frutadas. Aqui está a segunda.

O projecto Braga Parque “Janelas de Futuro” – Exposição urbana de arte criado no âmbito do rebranding da marca Braga Parque teve uma breve passagem pela cidade de Barcelos; até fim de Outubro, ainda, pode ser visto no Braga Parque.

Foi uma exposição interessante e um desafio ganho pelos criadores:

  • Storytailors – Moda
  • Alexandre Farto (Vhils) – Consumo Urbano
  • Filipe Pinto Soares – Universo Infantil
  • Tiago Bettencourt – Música

janelas de futuro

infância feita de futuro, filipe pinto soares

Enquanto a minha filha passeava pelo Largo da Porta Nova de bicicleta pude sem confusão e com tranquilidade admirar os trabalhos.
Não consegui tirar grandes fotos devido à claridade da manhã e aos vidros que protegiam os quatro enormes expositores. Mas eu vi bem e é isso que interessa.

sahida

Ainda a mesma sahida. Bom Jesus, Braga.

casamento e flores

No Bom Jesus. Braga