Artigos

de lado – 0126

Ele deixou o sol bronzear a sua barriga tão bem depilada. Acabou por sucumbir ao cansaço de uma noite mal dormida e adormeceu no jardim ao bzzz monótono das abelhas. Acordou mais tarde e descobriu que alguns caracóis confundiram o monte branco da sua barriga com uma pista de esqui.

cansaaaaaaaaaaativo!

Quando o sonho tem como personagem principal uma caixa que tem de ser embrulhada com papel que não existe é um tumulto mental – cansaaaaaaaaaaativo!

Quando o sonho tem como personagem principal uma caixa já embrulhada em papel, mas sem fita cola para o manter colado é um tumulto mental – cansaaaaaaaaaaativo!

Odeio estes sonhos tão abstratos, tão estúpidos. Saio sempre desse limbo onírico cansaaaaaaaaaaado. Realmente cansaaaaaaaaaaado.

cansaço

Os espelhos cansados de serem reflexos de ti,
de mim,
disto e daquilo,
tornaram-se opacos,
e o mundo nunca mais foi o mesmo.

auto-glorificação de likes?

Não vou a qualquer rede social que utilizo e/ou utilizava desde o inicio deste mês. O motivo é menos o cansaço e mais o não ter nada de interessante a dizer. Fico sempre com a obrigação de efectuar um like, um comentário.

E afinal o que vou dizer? Que estou a ler um novo livro. Colocar uma foto de comida? Uma foto de moi numa composição marada?

Não será um narcisismo elevado à décima potência? Uma auto-glorificação de likes? É-me, actualmente, indiferente.

Sinto o vício a despontar debaixo da unha. Aquele necessidade abrasadora de ir lá fazer nada, alguma coisa, mas a ausência de reciprocidade, a deselegância recorrente bastou-me; talvez.

Escrevo aqui, claro que sim – sempre. Escrevo para mim. Aqui sinto-me interessante.

fragmento.00172

I am so tired! So tired I wonder why I am even bothering to sit here and write. I know it is a habit I try and keep myself to — every morning get up and write a page or two before breakfast. A page or two of anything.
What the Giants Were Saying by David Rix

um conselho e uma decisão

O conselho
Nunca oferecer o último rebuçado a uma pessoa mais gulosa do que nós. Ela, egoisticamente, vai o aceitar e nós vamos ficar a chuchar no dedo. Isto não aconteceu comigo, mas tenho conhecimento de causa por experiência própria.

A decisão
Decidi enfrentar um dos meus maiores medos. Ficar com o fecho éclair preso na pele do escroto. Esta intrepidez, de fim de ano, tem mais a ver com o facto de estar cansado de escolher entre modelos de calças apenas com botões e pretender alargar a minha escolha para outros modelos, do que enfrentar um dos meus muitos medos. Eu orgulho-me de ter medo e com isso declarar “sou homem e mortal” – o que é um homem sem medo? Deus?

De olhos bem abertos puxei uns versáteis jeans “chino” e pim! pam! pum! o que meu pior temor não aconteceu; claro que desta vez o que contribuiu para a não ocorrência de acidentes foi ter revestido as minhas partes baixa com umas cuecas. Sou um homem de soluções.

10 horas

Andava de tal forma cansado que dormi ontem 10 horas. Foi ressonar desde as 22h00 até às 08h20 do dia seguinte.

Hoje estou melhor. Ainda irritado não sei com o quê. Talvez vá descobrir no decorrer do dia de hoje.

em estado terminal

não sei se vou continuar com o blog por isso está em estado terminal:

  • ou morre definitivamente
  • ou sofre um choque eléctrico e renasce

não sei?
apenas sei que estou cansado de mim.

“clicou na cruz?” perguntou ela. nem soube o que responder

Não ando a dormir sossegado à muito tempo. Acordo? Ou fico naquele limbo onírico. Meio acordado, meio a dormir obrigo, tento, o sonho a manter um rumo mais interessante – o meu rumo. E estes esforços esgotam-me.

Acordo sempre cansado e nunca me recordo do que sonhei – irónico.

o facão!

Como disse no post anterior estou mais uma vez na posse de uma arma branca que me deliciou na minha adolescência. Não serviu apenas para descascar fruta, mas igualmente com símbolo de terror e de imposição de vontades.

Nem sem durante quanto tempo, meses acho eu, andei a cobiçar “o facão” até que me foi oferecido pelo meu tio João, certamente cansado com as minhas constantes pedinchices .