Tag Archive for: cidade

17 Out
17.10.2019 Quanto a mim, adoro o avião, que aguarda o seu Marinetti ou o seu poeta futurista antifascista, pois o avião induz uma outra metafísica, contribui para uma nova perceção do tempo e do espaço. Antes dele, estas formas a priori da sensibilidade kantiana deduziam-se fisicamente, hoje constatam-se experimentalmente: o tempo é espaço, velocidade, deslocação, é a translação num espaço intermédio, bem como uma perceção corporal e subjetiva, uma sensação individual e pessoal. Não há tempo absoluto, nem uma ideia do tempo face à eternidade ou ao movimento, mas apenas a pura consciência de si apreendida em durações variáveis.
Teoria da Viagem. Uma Poética da Geografia de Michel Onfray (página 67)

02 Out
02.10.2019 (…) A chegada à cidade de comboio, penetrar na manhã fresca e na luz que refulgia no rio e se apaziguava nos telhados e na perspetiva das ruas era o princípio imaculado e definitivo de qualquer coisa, a primeira página de um romance, a plenitude do mundo recém-iniciado.
Como a Sombra que Passa de Antonio Muñoz Molina (pág. 125)

doutor sono de stephen king

30 Set
30.09.2019

Uma tribo de gente chamada o Nó Verdadeiro viaja à procura de sustento pelas autoestradas da América. Parecem inofensivos e são, sobretudo, velhos. Mas, tal como Dan Torrance bem sabe, e Abra Stone não tarda a descobrir, os membros do Nó Verdadeiro são quase imortais e vivem do «vapor» produzido pelas crianças com o «brilho» quando são lentamente torturadas até à morte. Assombrado pelos residentes do Hotel Overlook, onde passou um ano horrível da sua infância, Dan anda há décadas à deriva, tentando libertar-se do legado de desespero, alcoolismo e violência deixado pelo seu pai. Por fim, instala-se numa cidade de New Hampshire, numa comunidade de Alcoólicos Anónimos que o apoia e num trabalho num lar, onde o «brilho» que lhe resta oferece um derradeiro conforto aos moribundos. Com o auxílio de um gato presciente, torna-se o «Doutor Sono». E depois Dan conhece a evanescente Abra Stone, e é o espetacular dom dela, o brilho mais vivo que ele já viu, que dá novo alento aos fantasmas de Dan e o impulsiona para uma guerra épica entre o bem e o mal para salvar Abra e a sua alma.

Wook

Adorei a leitura da sequela The Shining. Stephen King no seu melhor.

Doutor Sono é uma leitura que assusta e diverte – delirante.


Na esquina uma miniatura da personagem Altaïr Ibn La’ahad da saga Assassin’s Creed.

a trilogia de nova iorque de paul auster

12 Jul
12.07.2019

Cidade de VidroFantasmas e O Quarto Fechado à Chave, constituem os três andamentos de uma sinfonia única, neste que continua a ser, tantos anos depois, o livro mais emblemático do autor. São três fascinantes histórias de mistério, centradas no submundo de Nova Iorque, em que o leitor, tal como os personagens, se torna prisioneiro dos irresistíveis enredos, dos puzzles alucinantes, em que o autor é mestre incontestado. 

Bertrand

Em “A Trilogia de Nova Iorque” nada é acidental. Histórias complexas e vertiginosas.

o bosque dos pigmeus de isabel allende

27 Jun
27.06.2019

Depois da Amazónia e dos Himalaias – cenários dos primeiros livros da trilogia -, desta vez a aventura decorre em África, onde Nadia e Alexander acompanham a avó Kate em mais uma expedição da International Geographic. Uma série de peripécias e os ciúmes de um elefante vão animar a semana que o grupo passa num safari. Mas o aparecimento de um padre espanhol vai alterar completamente os planos de terminar a reportagem e voltar para a capital, arrastando todo o grupo para um bosque misterioso habitado por pigmeus. Aí, e seguindo o rasto de dois missionários desaparecidos, instalam-se numa aldeia governada pelo rei Kosongo, pelo comandante Mbembelé e pelo bruxo Sombe, um triunvirato assustador que escraviza os pigmeus e o seu próprio povo para enriquecer com o contrabando. 

Porto Editora

A trilogia “As Memórias da Águia e do Jaguar” termina com chave de ouro com este livro. Adorei as aventuras de Nadia e Alexandre.


Os outros livros da trilogia:

23 Abr
23.04.2018 A mulher não caminha na cidade; anda por uma colina com animais de pé firme. Ela está nos Andes, está em casa; o resto das pessoas está em Espanha.
O Velho Expresso da Patagónia de Paul Theroux (pág. 364)

06 Nov
06.11.2017 Paris é uma cidade de que se poderia falar no plural, tal como os gregos falavam de Atenas, porque há muitas parises e a dos estrangeiros só superficialmente tem algo em comum com a Paris dos parisienses. O estrangeiro que atravessa Paris de automóvel e vai de museu em museu não suspeita sequer da presença de um mundo que lhe passa ao lado sem que ele o veja. A não ser que se tenha perdido realmente tempo numa cidade, ninguém poderá considerar que a conhece bem. A alma de uma grande cidade não se deixa apreender facilmente; é preciso, para se comunicar com ela, termo-nos aborrecido, termos de alguma modo sofrido nos lugares que a circunscrevem. Seja quem for, pode, sem dúvida, munir-se de um guia e constatar a presença de todos os monumentos, mas dentro dos próprios limites da cidade de Paris existe uma outra cidade de tão difícil acesso como foi difícil outrora o acesso a Timbuctu.
Paris de Julien Green (página 39)

06 Nov
06.11.2017 A cidade, efectivamente, sorri apenas àqueles que se aproximam dela e que deambulam pelas suas ruas; a esses, ela fala numa linguagem tranquilizadora e familiar, mas a alma de Paris só se revela de longe e do alto, e é no silêncio do céu que se escuta o imenso grito patético de orgulho e de fé que ela eleva na direcção das nuvens.
Paris de Julien Green (página 23)

26 Out
26.10.2017 (…) o sótão estava ocupado por um homem cuja capacidade letal se limitava às moscas e cuja destreza com armas de fogo era mais suicida que homicida.
A Alternativa Wilt de Tom Sharpe

esquinas nas cidades

26 Ago
26.08.2017

Há pessoas que não gostam de esquinas nas cidades. Existe outro tipo de esquinas, mas aqui e agora apenas falarei das esquinas das cidades: grandes ou pequenas, sujas ou limpas, luminosas ou escuras. Eu adoro uma bom ângulo de rua. Deve ser uma das melhores coisas que há nas cidades. Uma esquina tem algo de mágico, de perturbador, de enganador. É na esquina que acontecem reencontros surpreendentemente bons ou amaldiçoadamente maus, despedidas doces e amargas, choques e colisões, emoções e convulsões. Sem esquinas só existiriam rectas longas e obtusamente infinitas, aborrecidas.
Além de que numa recta nunca conseguiria me esgueirar, mas numa esquina isso é possível e logo ali ao virar da esquina – onde estou? fugi.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!