Artigos

prateleira.0003

Nesta prateleira quase só banda desenhada.

No lado esquerdo uma colecção de cromos de animais. No topo jornais, Barcelos Popular, nos quais constam crónicas minhas da década de 80/90 do século passado.

Revistas da Mônica em Inglês e Espanhol.

goethe e a importância da numismática

Aqui, Viagem a Itália, se fala de numismática…

Fez [Dr. Münter [1]] uma bela colecção de moedas e possui um manuscrito e, ao que me diz, organiza a numismática segundo princípios rigorosos, como os de Linné. Herder poderá informar-se melhor sobre isto, talvez ele permita que se faça uma cópia. Isto é possível, e é bom, que se faça, porque também nós, mais tarde mais cedo, teremos de levar mais a sério esta disciplina.

página 207


[1] Friedrich Münter (1761-1830), teólogo e estudioso da Antiguidade, estava na Itália desde 1784.

altaïr ibn la’ahad

Uma miniatura da personagem Altaïr Ibn La’ahad da saga Assassin’s Creed.

Uma nova colecção pela Salvat.

lápis – a colecção

Aqui se exibe a minha colecção de lápis para decorar o meu espaço de diversão.

livros na palete – posição 009

Apesar de ter duas montanhas de livros para ler não costumo exibir as imagens dos livros de banda desenhada que vou adquirindo. Foi o que aconteceu com a nova edição d’ “A Febre de Urbicanda” de François Schuiten e Benoit Peeters e dos álbuns da colecção Spirou por Franquin.

Geralmente são para consumo imediato. Nem há a possibilidade de ganharem pó.

spirou e fantásio de franquin #11

Neste álbum (o último da colecção), Os elefantes Sagrados e Outras Aventuras, de Spirou e Fantásio temos as histórias:

  • Os elefantes sagrados
  • As Miniaturas
  • Bravo para os Brothers
  • O Marsupilami Desce à Cidade
  • Não Toquem nos Pintarroxos
  • O Natal do Marsupilami
  • e seis histórias de uma página do Marsupilami

Mais histórias divertidas com a marca Franquin.

o aspecto final da lombada da colecção

fauna vertebrados

Colecção “Fauna Vertebrados” lançada por Francisco Más, Lda em 1977. A minha primeira colecção de cromos. 

torpedo 1972

Aqui está o último álbum da colecção completa Torpedo.
Apesar de o argumento continuar a cargo de Enrique Sánchez Abulí, a arte passou para as mãos de Eduardo Risso. É uma história a cores mais longa do que o habitual, mas espectacularmente negra de um Torpedo mais velho, igual a si próprio – cínico, amoral. Uma história que não defrauda.

Só faltou o conto, “Una obra de caridad” que consta da edição espanhola.

coisas boas

Existem uns malucos, seguramente puritanos, que odeiam banda-desenhada. Para descobrirem o que é realmente bom deviam ser castigados com a leitura de Torpedo 1936.

Torpedo 1936 é algo verdadeiramente poderoso. Esta semana sai o último volume da colecção integral, realmente integral sem censuras – as duas histórias que têm sido censuradas (“Toccata y fuga” e “Lolita” constam desta maravilhosa edição da Levoir.

O volume seis oferece as histórias a cores do Torpedo 1972 ainda com o argumento de Enrique Sánchez Abulí, mas com arte de Eduardo Risso que substituiu Jordi Bernet.

torpedo 1936, nova edição

Aqui está o maior lançamento editorial do ano: a colecção completa do Torpedo 1936 escrito por Enrique Sánchez Abulí e desenhado por Jordi Bernet.
Hoje vou colocar nas mãos no segundo volume.