Artigos

clássico eis a questão

Um clássico é um livro atemporal, que consegue sobreviver para além da época em que foi escrito. Não implica ser, necessariamente, um livro antigo, apesar de isto estar, quase, implícito, porque actualmente os livros falham em qualidade do texto. Claro que a determinação do que é belo é um juízo subjectivo do leitor, com os seus gostos e valores próprios. Mas é fácil concluir que nunca são livros vulgares, são sim livros complexos, inusitados; não que sejam difíceis de ler.

Um clássico teve e continua a ter, sempre que é lido ou relido, uma repercussão na história literária e, porque não, na cultura popular – fica gravado de uma maneira ou outra na memória colectiva pelos temas universais que geralmente abordam.

Um livro editado hoje não pode ser considerado um clássico, porque ainda não resistiu ao teste do tempo.

Numa lista simples posso colocar:

  • O Romance do Genji (1005-1014) de Murasaki Shikibu
  • Dom Quixote de la Mancha (1605-1615) de Miguel de Cervantes
  • Moby Dick (1851) de Herman Melville
  • Os Maias (1888) de Eça de Queirós
  • O Retrato de Dorian Gray (1891) de Oscar Wilde
  • Em Busca do Tempo Perdido (1913-27) de Marcel Proust
  • O Processo (1925) de Franz Kafka
  • Admirável Mundo Novo (1932) de Aldous Huxley
  • 1984 (1949) de George Orwell
  • As Cidades Invisíveis (1972) de Italo Calvino
  • O Nome da Rosa (1980) de Umberto Eco
  • Memorial do Convento (1982) de José Saramago

convento della carità

@ six days in the veneto

No seu livro “Viagem a Itália” Goethe fala deste convento e em particular de umas escadas em caracol. Curioso fui à pesquisa. Este convento foi projectado por Andrea Palladio. A sua construção decorreu de 1561 a 1562, e ficou incompleta. O que fez soltar esta pergunta ao escritor:

Ah, caro Destino, tu que favoreceste e eternizaste tanta estupidez, porque é que não deixaste que esta obra se realizasse?

página 114

Sobre as escadas:

Mas apressei-me a ir até à Carità (…). De um dos lados fica a sacristia, do outro uma sala do capítulo, ao lado da mais bela de caracol do mundo, com uma espiral larga e aberta, os degraus de pedra metidos na parede e sobrepostos de tal modo que um sustenta o outro; não nos cansamos de a subir e descer, e podemos ter uma ideia da sua harmonia se nos lembrarmos de que o próprio Palladio a considera uma obra perfeita.

páginas 113/114


Photo by @ Six Days In The Veneto

restos de madeira

Restos de madeira no espaço Convento dos Frades a caminho da Franqueira.

convento dos frades

Uma geral do Convento dos Frades.

santos

Outra fotografia do lindo Convento dos Frades. Franqueira.

três arcos

Mais uma fotografia do lindo Convento dos Frades. Franqueira.

porta, já ali

Uma parte do Convento dos Frades.

blue door

blue door… again. i think!

convento

um convento a caminho da franqueira.

untitled xxiv

Uma imagem do Convento dos Frades. Franqueira.