Tag Archive for: corpo

17 Out
17.10.2019 Quanto a mim, adoro o avião, que aguarda o seu Marinetti ou o seu poeta futurista antifascista, pois o avião induz uma outra metafísica, contribui para uma nova perceção do tempo e do espaço. Antes dele, estas formas a priori da sensibilidade kantiana deduziam-se fisicamente, hoje constatam-se experimentalmente: o tempo é espaço, velocidade, deslocação, é a translação num espaço intermédio, bem como uma perceção corporal e subjetiva, uma sensação individual e pessoal. Não há tempo absoluto, nem uma ideia do tempo face à eternidade ou ao movimento, mas apenas a pura consciência de si apreendida em durações variáveis.
Teoria da Viagem. Uma Poética da Geografia de Michel Onfray (página 67)

01 Jul
01.07.2019

O UMBIGO É UMA CICATRIZ DECORRENTE DA QUEDA DO CORDÃO UMBILICAL. NO NASCIMENTO, O CORDÃO É FIXADO NA BASE COM UMA PINÇA CIRÚRGICA E, DE SEGUIDA, CORTADO PARA ROMPER O LAÇO ENTRE A PROGENITORA E O FILHO.
A CICATRIZ ORIGINAL ESTÁ, PORTANTO, LIGADA À MÃE.

Hotel Silêncio de Auður Ava Ólafsdóttir (página 19)

20 Mai
20.05.2019 SEI MUITO BEM QUE, QUANDO ESTOU NU, fico com um ar ridículo, mas mesmo assim dispo-me.
Hotel Silêncio de Auður Ava Ólafsdóttir (página 11)

haverá

10 Mai
10.05.2018

Haverá algo melhor do que sentir a chuva a cair no guarda-chuva ao som da Lacrimosa de Mozart, debitada directamente nos ouvidos, enquanto o cheiro da terra molhada te impregna o nariz, a humidade e o frio te rodeia e embala, além de estar sentado na cama, quente, aconchegado pelos lençóis e pelo corpo sensual que se entrelaçou no teu, enquanto sorves um golo de chá quente e te preparas para iniciar a leitura do Romance de Genji e vês no parapeito o gato a brincar com a chuva que bate hipnoticamente nos vidros da janela?

de lado – 0071

18 Jan
18.01.2018

era chamado de urso sempre que ela se abafava naquele corpo felpudo. uma catarse de pêlo.

escrevo

12 Dez
12.12.2017

Escrevo
em avulso,
por grosso.
Assim e assado!

Escrevo palavras
açucaradas,
azedas,
insossas,
mas nunca salgadas.
O sal é sagrado.
Beatifica-me o corpo
e o espaço.

Escrevo palavras
planas,
convexas,
côncavas,
mas nunca espelhadas.
O espelho é cópia.
Reflecte-me o real
e o virtual.

Sombras de beatas.

Escrevo um sim.
Escrevo um não,
mas nunca um talvez.
Se não estou tramado
com a indefinição.

lol, camouflage 11.0 – spicy

13 Nov
13.11.2016

Wearing a turban, his body covered with sandalwood ashes and painted with dye, his face decorated with an outline of a black beard, precariously wrapped in a ragged saffron robe, fastened on a piece of rope is a loincloth that pretends to hide his nakedness, with sacred beads and sequins around his neck, a gold chain looped on his right ankle, which makes him appear to be a young sadhu although he does not have any tilaka on his forehead, he walks through Rishikesh towards Haridwar.
A smile of pure satisfaction radiates from his face as his senses embrace the colors, smells and flavors of the spice stands that surround him.
Sitting near the bank of the Ganges River, wearing the shade of a tree, after having crossed the Laxman Jhula Bridge, he realizes how magnificent the smells of Rishikesh are and is proud to have chosen this pilgrimage route to the Maha Kumbha Mela. ‘It is incredible how in a crowd one can better perceive healthy solitude’ is the thought that arises before the undulating mystique of the Ganges River. It is this refuge that he needed and also the absorption of millennial energies.
It is almost sunset. The young sadhu rises and as he leaves behind the Ganges the aquatic magic is diluted harmoniously in the bustle of the metropolis and he feels like the link that unites the two landscapes. His readings taught him that there may be no chaos in chaos, as there may be no order in order, but these maxims begin to be broken when he is surrounded by a group of tourists who had hitherto been photographing the exterior of Trayambakeshwar.
‘A HOLY MAN!’ they shouted.
‘Holy? Where?’ he questions himself, but as he is pointed out by cell phones, he suspects that they think he is the saint, ‘crazy people!’

[… an excerpt …]

quando?

31 Out
31.10.2016

Quando é possível um casal de namorados comungar de um saudável e bufalino traque? Ou seja e visto isto, apenas do lado masculino, quando pode o macho dar um sonoro traque (vulgo pólvora seca) ou emitir um traque silencioso (mais estilo ataque terrorista)? E para que se saiba do que estou a falar o traque é segundo o dicionário online (Priberam) a “Ventosidade que sai do intestino pelo ânus” ou para os mais lentos aquilo que vulgarmente se apelida de peido. Ou será que só casamento é que justifica a comunhão do peido? ou nem o casamento? ou será que é apenas quando o macho namorado/marido partilhando já de uma relação carnal – tipo sexo puro, mas duro – pode exibir os seus dotes e peidar-se sem sobressaltos assinalando até com esse acto que terminou o seu serviço de amante e que deseja dormir até ultrapassar o doce período refractário? ou nem com o sexo o traque está autorizado na relação? Terá o amante sempre de levantar-se da cama, aconchegante, do sofá e verter o(s) peido(s) na solidão do quarto de banho? E se, academicamente falando, como hipótese remota, o macho estiver a conduzir ou a ser conduzido a 140km à hora e urgir a necessidade de arremessar algum vento pelo ânus, ainda não o sabe se sonoramente ou silenciosamente, mas claro que com apenas dois ocupantes não há a quem mais atribuir a culpa, pode-o fazer? ou tem de aguentar, apertando as nádegas em sofrimento, correndo o risco de causar um acidente, se estiver a conduzir, pois estará distraído com uma premente dor abdominal, até à próxima estação de serviço? É aceitável nesta situação de condutor a emissão de um peido ou vários? Por que se estiver no lugar do morto, mais sofrimento não corre do que estar a ser conduzido por uma mulher – pode, pois, unir sem problemas as musculadas, como devem ser, nádegas e esperar pela estação de serviço que se aproxima subjectivamente de forma lenta, mas que se aproxima mesmo assim. E se, remotamente, por qualquer motivo incompreensivelmente válido, os amantes estiverem numa de coitus interruptus e nesse hercúleo esforço o macho peidar-se, é este traque aceitável? Deve o macho ser penalizado pela parceira por uma ventosidade não premeditada? Não será o traque o indicador de que o casal está mais liberto de inibições e que alcançou outro patamar de intimidade? Intimidade que tem muitos degraus e nuances. Não será motivo de orgulho para a mulher quando o macho se levanta pela manhã, coça os tomates e em cada passo cambaleante até ao quarto de banho exprimir a sua felicidade, por ser bafejado por mais um dia de trabalho, de vida, de alegria, de sentir na sua alma o que é ser português, através de uma rajada metódica, equilibrada, cadenciada, sonora de peidos – uma sinfonia zen à rouxinol português?

É um assunto complexo.

Há quem defenda que o traque enquanto função corporal é um acto normal e deve ser até acarinhado pela possibilidade de suavizar ambientes pesados com as risadas, com os trejeitos cómicos de quem fica desnorteado pelo tradicional cheiro português a nabiças, mas altamente concentrado.

Para os SIM o traque deveria ser usado nos meios sociais como símbolo de altivo status e servir para competições: o peido mais sonoro, o mais longo, o mais quimicamente mortal, etc… Contudo há pessoas que entendem superiormente, digo eu, na minha natural modéstia, que o peido é um acto biológico sim, mas individual e que nunca deve ser partilhado.

Para os NÃO o peido tem de ser dado num completo solipsismo social. É o ostracismo do traque fechado tal queijo numa redoma de vidro. Existe, contudo, como muito bem apontou um amigo meu, quando lhe colei algumas frases desta crónica?, uma situação rara, como um caracol veloz, em que o peido pode fazer parte de uma relação amorosa duradoura. No acontecimento, raro pois, da mulher abrir o ânus ao peido é o mesmo que dar a chave de ouro da cidade dos peidos ao macho e a partir daqui é uma Sodoma e Gomorra. É o mesmo que biblicamente dizer “venham a mim os peidos“!

É claro que numa relação fugaz o peido até serve em 49,3% dos casos como desculpa barata ao rompimento, sem necessidade de se recorrer a um jantar para explicar à miúda o inexplicável; que já estamos noutra onda e que ela não tem lugar na prancha. Nestes casos um traque ou até dois, seguido de um pedido de desculpa enquanto colocamos o indicador na boca, mordiscamos a unha e expelimos outro peido, agora, este indesculpável é remédio santo para quebrar qualquer namoro. Na pior das hipóteses a miúda relevando-se uma patetoide até acha piada à nossa desenvoltura corporal e decide contribuir com peidos próprios à festa. Perante isto basta meter o dedo no nariz tirar um bom macaco, provar a sua consistência suavemente com a língua e oferecer como tributo à nossa ex-namorada. Iremos ser chamados de “broncos estúpidos”, o que não deixa de ser verdade, apesar de ela não precisar de usar dois adjectivos com o mesmo significado, mas é compreensível tendo em conta o choque olfactivo que acabou de sofrer. Poupamos 50 euros no jantar e estamos prontos para outras aventuras.

Se apesar disto tudo a miúda não arredou pé estamos perante uma deusa e o melhor é levar a relação a outro degrau.

Depois de 888 palavras a dúvida persiste na minha mente. Deve o peido ser valorizado ou punido socialmente?

Outras divagações sobre o tema poderão ser tratadas noutra altura.

erro de sistema

21 Set
21.09.2016

Pequenos textos sobre “erro de sistema”.


erro de sistema!

o erro de sistema à distância de um click!


upDATE_17.09.2016
o erro de sistema nunca está de férias!


upDATE_18.09.2016
o erro de sistema trabalha 365 dias e descansa no 366, ou talvez não!


upDATE_19.09.2016
erro de sistema ao minuto.

o erro de sistema vai arrebentar pelas costuras.

‘Há muitas maneiras de me dizerem as coisas e como as coisas são transmitidas e como eu venho a saber, depois na realidade, repare: estava um caos, estava coisa, há quanto tempo foi? e não fizeram nada, então não estava assim tão mau, isso então não explodiu, nem foi pelo ar agora eu também digo assim, é necessário pedir as peças?’
Talvez sim… devido ao erro de sistema.


upDATE_20.09.2016
e não é que todos vamos ouvir… Carmina Burana!
à espera que o erro de sistema entre em licença sabática.

o erro de sistema não é humilde.
o erro de sistema extermina todos os processos cognitivos.
o erro de sistema é “Temor e Tremor”.


upDATE_21.09.2016
‘mas quem deu ordem para isso?”
‘um erro de sistema impede acesso à resposta.’
/>a recuperar de um erro grave…
/>a realizar uma manutenção cerebral… sem sucesso
/>a identificar o ficheiro danificado… sucesso
/>a identificar o ficheiro executor… sucesso
/>a reinstalar o cérebro em modo de segurança…
/>
/>erro de sistema


upDATE_22.09.2016
o erro de sistema não previne estrias corporais, estruturais e outras que tais.

o erro de sistema não é marca branca.

se o erro de sistema imprimir só a preto em folha branca é racismo.
se o erro de sistema imprimir só a preto em folha preta é redundância.

o erro de sistema é um lobo solitário, excepto quando imprime páginas em branco.


upDATE_23.09.2016
o erro de sistema não permite saídas à noite.

a lista Y deslocou-se para a pasta X porque pensou que o erro de sistema não estava operacional; ilusão! o erro de sistema estava em hibernação e logo exibiu uma mensagem: ‘deslocação sem permissão!’


upDATE_26.09.2016
o erro de sistema gosta de ti.


upDATE_27.09.2016
o erro de sistema não te vira as costas.

o erro do sistema não conhece a palavra “bug”.


upDATE_28.09.2016
o erro de sistema não processa caracóis.

o erro de sistema não precisa da ajuda do justiceiro, nem dos sete magníficos; ele é lei, juiz e carrasco.

opiniões

15 Abr
15.04.2015

‘Que linda que eu sou!’ afirmou ela com exagerada alegria.
‘Mas que espelho usas para chegares a essa conclusão!’, respondeu o seu amigo.

Logo que acordou sentiu-se verdadeiramente cínico, sem paciência para tudo e mais alguma coisa. Ou ficou neste estado depois da não ingestão do pequeno-almoço: uma questão de pormenor. Também se recordou que está desiludido com as últimas leituras; quando um livro não permite ostracizar durante algum tempo a rotina para que é lido?

Pela manhã, ao olhar para o ondulado da rampa em cimento de saída da garagem fixou aí o seu olhar. A visão ficava sempre desfocada, sentiu o corpo sair de si, uma experiência transcendente semelhante às conseguidas pelos monges de Shaolin; e bastou ter perdido a primeira refeição do dia. O que aconteceria se deixasse de comer durante uma semana?

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!