Artigos

revista loud!

Apenas compro esta revista para ler a crónica mensal de David Soares: Marginália e Imaginário.

o homem corvo de david soares

Conheçam o Homem Corvo: um ladrão de lágrimas, que entra à noite nos quartos de meninos tristes. Mas numa noite especial, em que cada barulhinho parece um barulhão, ele espanta-se por encontrar uma coisa que sempre desejara ter: um coração.

Wook

História fantástica; fotografias deslumbrantes.

Os criadores David Soares, Ana Bossa e Nuno Bouça criaram uma aventura mágica.

livros na palete – posição 036

As entradas desta semana.

  • Watchmen, vol. 03 – Irmão dos Dragões de Alan Moore e Dave Gibbons
  • Watchmen, vol. 04 – Um Mundo Mais Forte de Alan Moore e Dave Gibbons
  • Danúbio de Claudio Magris
  • As Sombras Eternas de Glen Cook
  • O Que Fazer dos Estúpidos de Maxime Rovere
  • A Mensagem de Mai Jia
  • O Homem Corvo de David Soares

errata

Entre os deleites imensuráveis coloco o abrir de um livro, por mais desataviado que o seja.

Quando o livro se transcende e transforma-se em obra de arte o prazer de o folhear, de ler as suas palavras e neste caso concreto, também, ver as suas imagens, gera entre o leitor e o livro uma cumplicidade singular.

Errata, realizado e fotografado por Nuno Moreira e com textos de David Soares, é dos tais livros que hipnotizam e elevam os leitores – livro primoroso.

loud! 222

Aqui estou eu na preparação da leitura do artigo de David Soares, “A Anfisbena Manuelina”, publicado na revista Loud!

“God is an idea. Nothing is so ambiguos as an idea.”

The Gospel of the Hanged by David Soares


photo by Gisela Monteiro

a minha escolha

Rhys Hughes tagged me for this. In your status line list 10 books that have stayed with you.

Rhys Hughes

Don’t take more than a few minutes. Don’t think too hard. They don’t have to be great works, or even your favourites. Just the ones that have touched you.
Tag 10 friends including me so I’ll see your list.

Books that have stayed with me?

  1. L’Éducation sentimentale (Gustave Flaubert)
  2. Splendeurs et misères des courtisanes (Honoré de Balzac)
  3. Le Rouge et le Noir (Stendhal)
  4. The Dispossessed (Ursula K. Le Guin)
  5. War and Peace (Leo Tolstoy)
  6. Brave New World (Aldous Huxley)
  7. After Such Knowledge (James Blish)
  8. Le Matin des Magiciens (Louis Pauwels and Jacques Bergier)
  9. Les jeux sont faits (Jean-Paul Sartre)
  10. À la recherche du temps perdu (Marcel Proust)
  11. The Trial (Franz Kafka)
  12. Thus Spoke Zarathustra (Friedrich Nietzsche)
  13. Demons (Fyodor Dostoyevsky)
  • 2010 – The Coandă Effect (Rhys Hughes)
  • 2010 – O Evangelho do Enforcado (David Soares)
  • 2013 – Experiments at 3 Billion A.M. (Alexander Zelenyj)
  • 2014 – Feather (David Rix)
  • 2015 – Sylvow (Douglas Thompson)
  • 2016 – A Suite In Four Windows (David Rix)

Rules: In your status line, list 10 books that have stayed with you. Don’t take more than a few minutes; don’t think too hard. They don’t have to be great works, just the ones that have touched you. Tag 10 friends, including me, so I’ll see your list.

sepulturas dos pais de david soares e andré coelho

Primeira nota:
a nível gráfico é um livro ímpar; Mário Freitas encarregado da edição, da paginação e da legendagem está de parabéns – a Kingpin Books pode se orgulhar de ter editado um livro invejável.

Outra notas:
André Coelho responsável pelos desenhos conseguiu criar uma atmosfera negra, onírica, sensual. Existem pranchas verdadeiramente espectaculares.
As seis pranchas em que Borges nos oferece um solilóquio têm uma perfeita combinação de texto e imagem e a última das seis pranchas é uma doce surpresa.

02104

na leitura

Em “Sepulturas dos Pais” temos um David Soares igual a si próprio: ímpar, irrepreensível, sem papas na língua – o que é o pudor? uma palavra castradora da imaginação, que David Soares não teme -, cruel na exploração da natureza humana, modelador de magia, criador de uma narrativa com melodia (o livro a ser lido em voz alta oferece outra leitura porque David Soares utiliza as palavras certas para criar um ritmo de fundo; é como estar a ler e ouvir o som das ondas). Ele, sem qualquer maquilhagem, produziu uma história em que o real não é o que parece e em que o sobrenatural é o real – doce arrepio.

André Coelho e David Soares são o par perfeito. Um com um traço negro, outro com palavras cruas (provocadoras) conseguiram em pouco (62 páginas) contar muito num livro em que a obsessão é, maravilha das maravilhas, a ordem do dia.

Adorei o livro. É disto que eu preciso.

the ironic fantastic #3 no cadernos de daath

É com imenso orgulho que vejo referido no blog do meu escritor português de eleição, David Soares, algumas palavras sobre a revista editada por mim, The Ironic Fantastic #3.

São demonstrações como estas que compensam o pesadelo que foi editar este número. Obrigado.

14951

sepulturas dos pais

Aproveito para publicitar a capa de «Sepulturas dos Pais», escrito por David Soares e desenhado por André Coelho. Uma edição da Kingpin Books, com lançamento previsto para 25 de Outubro, no Amadora BD.

as minhas leituras de 2012

rhys hughes

rhys hughes

Este ano não foi um grande ano de leituras. Na minha teimosia li livros que sabia à partida não serem a minha onda – mas o que tem de ser tem muita força.

De qualquer forma destaco de uma pouca extensa lista alguns; a ordem é sem ordem:

  • O Pequeno Deus Cego, David Soares e Pedro Serpa (Kingping Books)
  • Infecção, Scott Sigler (Gailivro)
  • Compêndio de Segredos Sombrios e Factos Arrepiantes, David Soares (Saída de Emergência)
  • Strange Embrace, David Hine (Image)
  • Zobo: Les Tournesols de Mr. Vincent (tome 2), Jun Nie (Paquet)
  • Os Anormais: Necropsia De Um Cosmos Olisiponense [spoken word], David Soares (Necrosymphonic Entertainment/Raging Planet)
  • Os Ossos do Arco-Íris, David Soares (Saída de Emergência)
  • Li e reli os ebooks de Rhys Hughes – aquelas histórias são tão sumarentas.
david soares

david soares

O escritor português de eleição continua a ser David Soares – adoro as suas palavras e a sua imaginação saudavelmente doentia. Andar a ler pelas orelhas foi a grande boa novidade do ano. Recomendo Os Anormais: Necropsia De Um Cosmos Olisiponense e o seu Compêndio. David Soares é um escritor abelha que nunca pára na mesma flor e nos oferece obras em registos diferentes.

Apesar de ter descoberto novos autores estrangeiros Rhys Hughes é o que me dá mais gozo ler. Os seus escritos continuam surreais, paranóicos, delirantes, absurdos, cómicos – e isso é positivamente bom.

2013 vai ser um ano mais melhor bom; tenho programado para ler (uns comprados, outros ainda não):

  • The Brothel Creeper
  • The Truth Spinner
  • The Abnormalities of Stringent Strange
  • The Daylight War
  • O Reino mais Além das Ondas
  • David Soares tem lançamentos previstos para 2013
  • e muitos outros [ordem sujeita a alteração sem pré-aviso]