Artigos

boa caminhada

Foi boa esta caminhada, mas não há mais nada a percorrer; não porque a estrada terminou, apenas deixou de ser interessante.
Termino no fim sem desejar regressar. Olho para o abismo e arrojo-me para o início.

linhas

A caminho de Milhazes pela ponte localizada na estrada CM1115.

capa do livro “the road”

Capa do livro “The Road” de Cormac McCarthy pelo artista Nick Lowndes.

Capa sublime.

Nothing behind me, everything ahead of me, as is ever so on the road.

On the Road by Jack Kerouac

que qualidade se pode exigir à batata?

É mais que sabido que a ingestão não moderada de álcool acarreta graves consequências, nomeadamente ao nível da performance sexual. Não existe margem para dúvida que o consumo de álcool diminui a coordenação motora, afectando as aptidões perceptivas e cognitivas, e, pois claro, a capacidade de pressão.

São cada vez mais os casos, vulgarmente baptizados, por “falha em acertar no buraco”, tecnicamente designados como o síndroma da perseguida: o pénis persegue a entrada da vulva, tal mosca a bater ad eternum num vidro, mas nunca acerta e fica de fora bambaleando-se até perder potência e a jovem a paciência.

Aqui o vosso BigPole tem a felicidade de se movimentar pelos meandros da sexualidade nocturna e diurna sem problemas. Reconheço que sou um bom cliente das profissionais da mais antiga profissão do mundo, só me falta ter um cartão de fidelidade para acumular pontos, e igualmente um bom conselheiro. Foi, portanto, na sequência de uma conversa pós-sexo, que, a como que presidente da Organização de Regulação Geral da Actividade Sexual Mesmo Óptima (O.R.G.A.S.M.O.), me confidenciou o facto de que o “oh… oh… sim… mais.. uh… vai.. vai.. ahh… ahhhhh… ai… ai… ui… ui… sí cariño… vai… fundo… isso… me gusta… mais! mais! mais! ok!” e todo um possível caleidoscópio de gemidos está com os dias contados. O cliente é cada vez mais bêbedo, porco e sem o mínimo de postura cívica para utilizar os serviços de qualquer rameira que se orgulhe de dizer de peito ao léu sou uma puta; até as profissionais de nível zero, que não obtiveram aprovação em pelo menos três UFCD (Unidades Fomentadoras de Cenas Doidas), e que pululam e copulam à bermas das estradas se queixam que nem de quatro o buraco é aconchegado com elegância – estão cada vez mais insatisfeitas e apenas esperam a altura para dispararem “agora chega! acabou o tempo!”

As profissionais do sexo querem, como nos antigamente, não apenas dar prazer, mas sentirem diversão no trabalho que têm entre mãos, seios, coxas, enfim, não preciso de fazer um desenho – é o que elas chamam de 2 em 1. Se recebem uma compensação monetária para darem gozo, qual o motivo para não obterem igualmente um saudável e respeitável orgasmo? É pedir muito a um cliente? Não pode ser o cliente um bom amante?

Aconselhei, como quem não quer a coisa, apesar de já estar com os dedos enfiados nela, que “vocês deviam estipular um mínimo de condições de acesso aos vossos serviços.”

Soube, mais tarde, numa outra discussão com a púbis morena da minha presidente, que foram definidas algumas orientações para os clientes, a saber:

  • O cliente não pode estar com uma taxa de álcool acima de 0,65 gramas por litro de sangue. Deixam de existir falsas partidas.
  • O lema “cada um é cada um” só é aceitável a partir do tamanho médio de 12cm a 17cm de pénis erecto como foi definido pelo The Kinsey Institute for Research in Sex, Gender, and Reproduction. Nada de brinquedos de 7cm, excepto se vierem acompanhados de um bom vibrador gelatinoso e por um livro de banda desenhada para o cliente se entreter enquanto espera.
  • Acabaram os sabores vintage. O pénis deve ter um mínimo de limpeza. Tal como um vinho não deve saber a podre, o falo não deve revelar que esteve a marinar por uma semana no cu de um porco. Se tal não acontecer a profissional utilizará um toalhete com PH neutro para a limpeza – despesa a acrescer à tarifa base e sem desconto de tempo; pode até, em último recurso, recusar prestar o serviço, mesmo que o cliente lhe ofereça uma caixa de preservativos com sabor a bolo de batata. Como sabem estes preservativos estão in e qualquer amante que se queira vir deve andar com uma embalagem de 6 na carteira.

Foram tomadas mais decisões, mas eu já não estava com atenção nas palavras, mas no corpo de quem as lia. E, pela primeira vez, a presidente pediu-me para colocar um batata – não me apanhou desprevenido. Claro que eu, o vosso estimado BigPole, não se limitou a usar o batata e aproveitou para amaciar a amante com um ondulante poema:
Beijo-te
Ai…sim!
Tremes
Arrepiada
Transpiras
Apaixonada!

Que noite! Saiu-me foi cara.

o vosso legislador BigPole

outros destinos

Outros destinos…
Em Barcelos.

estrada 587

Uma estrada. Um destino… lol

ligação directa

Ao sair de casa perguntaram-me se tinha um isqueiro. A pessoa que assim me interpelou tinha a balancear entre dedos um cigarro. ‘Não tenho’, respondi. Até podia ter um isqueiro ou fósforos apesar de não fumar; por vezes encontro no meu, quase, alforge coisas que nem o diabo imagina. “Alforge” que não é em nada semelhante às carteiras? de algumas mulheres que de tão complexamente grandes têm a capacidade de esconder um extintor CO2 de 5Kg.

O transeunte que me tinha interpelado abordou sem dificuldade um fumador (ia a fumar dah!) que cruzava a estrada e pediu-lhe lume.
(Reparem que já não se fez de esquisito. Agora queria, apenas, lume. Não especificou que teria de ser de um isqueiro.)

Levou com um bis negativo que quase o destroçava não lhe tivesse sido oferecido uma ligação directa; e lá cigarro contra cigarro o andante anónimo alcançou o seu propósito inicial.

cement

Um suporte.
Fotografia tirada com o carro em movimento.

portugal white and clean!

Concordo. Mas os autores deviam tomar a iniciativa e pintar a parede de branco. E, já agora, arrancar as ervas. Só sabem escrever palavras sem agirem – uma vergonha.