Tag Archive for: estupidez

b.o.s.s.

09 Jul
09.07.2020

Já aqui falei do C.H.E.FE., do E.N.CA.R.R.E.G.A.D.O. e do P.R.O.F.E.S.S.O.R. por isso chegou a altura de falar do B.O.S.S., o supra-sumo do requinte organizacional, o exemplo da reengenharia “estamos aos papéis”.

Um B.O.S.S. quando é um verdadeiro B.O.S.S. toda a gente repara nele. É uma pessoa realmente bestial; capaz de cenas altamente maradas.

O B.O.S.S. é carinhosamente conhecido entre os amigos fictícios e reais inimigos como uma Besta Orgulhosamente Senhora de Si.

de lado – 0100

21 Mai
21.05.2020

Estava a pensar que tudo tem um data de validade; até a vida, mas não a estupidez. E isso é algo que nos deve assustar, não acham?

from the perverse mind of paulo brito

la casa de papel, s03

16 Abr
16.04.2020

Já não tem a frescura das primeiras duas temporadas e não é por ser mais do mesmo, mas porque tem uma falha, quanto a mim, monumental. Com tanto dinheiro uma plástica não seria nada de complicado tendo em conta até que o Professor se movimenta bem nos meandros do crime, mas… a estupidez impera na terra dos génios – também.

Tive a mesma sensação com a série Prison Break. Acho que há séries que não deviam ter mais do que uma ou duas temporadas.

Claro que a Teoria do Big Bang é mais do mesmo, mas também não tem pretensões a ser mais do que isso.

Agora esta La Casa de Papel veste-se como um manifesto político/social, porque:

O Estado pode aceitar que teve que colocar o exército nas ruas. O Estado pode permitir que entre na Reserva Nacional e roube o ouro, mas há algo que não podem permitir. Ele não permite que descubram os seus segredos.

Season 3, episódio 5

E ao tentar ir mais longe comete erros, atrás de erros que se tornam tão obtusos e repetitivos que até assustam. Chega uma altura que a falta de discernimento das personagens cansa, realmente cansa.

p.r.o.f.e.s.s.o.r.

12 Mar
12.03.2020

O combate ao Coronavírus – COVID-19 pode passar por em colocar na linha da frente seres que têm habitado locais inóspitos, áridos nos quais o vazio cerebral e corporal é quase, quase garantido e os vírus não se propagam no vácuo! Estes locais são, para quem desconhece, as Pousadas Remotas Onde Fecundam Estúpidos Sisudos e Solenes de Olhar Resiliente; localidades mais conhecidos como P.R.O.F.E.S.S.O.R.

Esperemos que estas armas de estupidez massiva seja uma das soluções.

covid-19 vs estúpidos?

11 Mar
11.03.2020

Os estúpidos não são afinal capazes de conter o Coronavírus – COVID-19. Apesar de todas as medidas tomadas a estupidez continua a progredir a um ritmo galopante e não revela sinais de abrandamento.

Os investigadores pensavam que o vírus fosse de alguma forma capaz de reduzir os obtusos, mas tal verificou-se infundado. Mesmos vítimas do vírus os estúpidos continuam estúpidos como sempre. Podem recuperar do Coronavírus, mas a estupidez está de tal forma imbuída no tecido cerebral que não existe qualquer solução; por sinal até pode potenciar a maleita.

Pelos vistos o Coronavírus – COVID-19 é democrático e atinge todos por igual. Nunca será acusado de racismo, parcialidade, xenofobia, sexismo, de ter, enfim qualquer tipo de preconceito.

de lado – 0099

09 Mar
09.03.2020

O que eu gostava realmente era que os estúpidos fossem uma criatura mítica.

from the perverse mind of paulo brito

de lado – 0098

08 Mar
08.03.2020

Someone wrote that the problem isn’t stupidity, but the stupid. So I decided to create the MAGA movement: Movement Against Great Assholes.

from the perverse mind of paulo brito

a sério? mesmo a sério?

05 Mar
05.03.2020

A escritora Charlotte Alter ao falar sobre o seu livro “The Ones We’ve Been Waiting For” no The Late Show Setphen Colbert, emitido em 26.02.2020, exibido ontem na Sic Radical, consegue sem qualquer dificuldade revelar um grande grau de estupidez quando afirma o seguinte:

Harry Potter foi um fenómeno cultural sem precedentes. Literalmente sem precedents na história da literatura humana. Mais pessoas consumiram Harry Potter no tempo em que foi criado do que em Dickens, Shakespeare ou qualquer outra grande obra de literatura que se possa imaginar.

Charlotte Alter

Vamos comparar o mundo como o era em 1920, data de publicação do livro “Este Lado do Paraíso” de F. Scott Fitzgerald, cuja primeira edição esgotou em poucos dias, ou como o era no século XIX com Dickens, que com o seu “Oliver Twist” alcançou fama a nível mundial, ou com Alexandre Dumas: o seu “Os Três Mosqueteiros” já tinha em 1846 três edições em inglês.

Será que Charlotte Alter consegue perceber a diferença da nossa aldeia global, termo de Herbert Marshall McLuhan, com a informação a alcançar qualquer lado do planeta em segundos, com a forma como a informação circulava no século XIX ou no durante muito tempo no século XX? Acho que não.

Estamos, realmente, a falar de coisas diferentes.

e.n.c.a.r.r.e.g.a.d.o.

12 Fev
12.02.2020

É mais que certo que o mundo do trabalho está cheio de fungos capazes de quebrar as restrição térmicas que têm protegido a sanidade do trabalhador. Contudo e tendo em conta que as alterações climáticas estão a originar o aparecimento de alguns nabos laborais foi criado um analista de risco: o E.N.C.A.R.R.E.G.A.D.O. [Elegante Nabo Capaz de Alcançar Ridículos Raciocínios Enquanto Garante Actividades de Desgaste Operacional]

thornton niven wilder

23 Jan
23.01.2020

Thornton Niven Wilder (1897 – 1975) was an American playwright and novelist. He won three Pulitzer Prizes — for the novel “The Bridge of San Luis Rey”, and for the plays “Our Town” and “The Skin of Our Teeth” — and a U.S. National Book Award for the novel “The Eighth Day”.

Wikipédia

Noventa e nove porcento das pessoas do mundo são tolas e o resto de nós está em grande perigo de contágio.
The Matchmaker de Thornton Niven Wilder
© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!