Tag Archive for: filmes

the new pope

17 Fev
17.02.2020

Série brilhante de Paolo Sorrentino, e ainda por cima com o magistral John Malkovich como Sir John Brannox/Papa João Paulo III, que revela sem pudor a corrupção da igreja e com humor quanta basta. Tristemente Jude Law, apenas, tem uma presença ligeira.

⭐⭐⭐⭐⭐⭐/10

dr. sono, o filme

14 Fev
14.02.2020

Outra história de Stephen King que se perde no grande ecrã. O filme, nem de longe, nem de perto, faz jus ao livro.

Não deixou de ser gratificante ver algumas personagens ter vida fora dos textos, como Rose The Hat (Rebecca Ferguson), perfeita como vilão, e Dan Torrance (Ewan McGregor).

O filme transmitiu-me durante o seu visionamento pouca tensão, exceptuando a batalha mental entre Rose the Hat e Abra Stone e o sacrifício do rapaz do basebol. Estes dois momentos deviam ser o tom normal do filme – uma pena.

O pior acontece quando o realizador, Mike Flanagan, decide percorrer a memory lane através de cenas copiadas do “The Shining”.

Doutor Sono consegue ser uma razoável adaptação, mas utilizou mecanismos que não criaram nem grande tensão, nem grande terror. Filme que não me produziu uma grande estimulação… psicológica.

⭐⭐⭐⭐/10

aniquilação, o filme

12 Fev
12.02.2020

A minha opinião sobre o filme é mista.

Direi, primeiro, que gostei de ver uma adaptação do primeiro livro da trilogia Southern Reach de Jeff Vandermeer.

Direi, em segundo, que não foi conseguido com consistência transmitir para o ecrã a perturbação, o terror cósmico das páginas. O filme, realizado por Alex Garland não deixa, contudo, de ter momentos belos e estranhos. Falha, contudo, em transmitir o terror que atravessa a mente das personagens – grande valia da literatura.

area x

Natalie Portman está perfeita e conseguiu criar ao seu redor uma atmosfera intensa e hipnótica.

Em resumo: Aniquilação podia ter ido mais longe para ser memorável.

⭐⭐⭐⭐/10

o exterminador implacável: destino sombrio

03 Fev
03.02.2020

Resumo simples: argumento de caca, actuações de caca, ideia estúpida. Filme que se torna interessante quando termina.

Outro filme pipoca. ⭐/10

the mandalorian

31 Jan
31.01.2020

Vi o primeiro episódio, mais por curiosidade do que por interesse. Não me cativou.

Sem complicações coloco a série de lado.

⭐⭐⭐/10

filmes vistos e assim e assim

28 Jan
28.01.2020
  • Engenhos Mortíferos – li o livro em 2007. Filme catita, ou seja ⭐⭐/10
  • John Wick 3 – humm! ⭐⭐⭐⭐/10
  • Ad Astra – ⭐⭐⭐⭐⭐/10
  • Hellboy – ⭐⭐/10

Não é que me vou esquecendo dos filmes/séries que vou vendo! Hoje um ligeiro resumo. E ficam muitos de fora – esquecimento.

you, temporada 2

28 Jan
28.01.2020

Continuando as (des)aventuras de Joe Goldberg, agora como Will Bettelheim, em Los Angeles, posso afirmar que estamos perante uma série mais madura, exceptuando a pornografia visual do episódio 2 – não se enquadra no esquema geral da série – e que se tornou mais agradável de ver.

As voltas e rodopios são inesperados e interessantes e tornam, por isso, “You” mais aceitável.

O que permitiu à série dar um salto qualitativo foi, também, o aparecimento da personagem Love Quinn, interpretada por Victoria Pedretti; personagem mais complexa e não enfadonha como a Guinevere Beck.

Joe Goldberg tornou-se um activo tóxico credível.

the outsider, a série

15 Jan
15.01.2020

Vi ontem o primeiro episódio “The Outsider“, baseado na obra com o mesmo nome de Stephen King, e gostei.

Se algumas adaptações para a nona arte de histórias de Stephen King são logo nos primeiros minutos uma vergonha, com esta série isso não acontece, promete.

A atmosfera está perfeita; o enredo bem cadenciado – sublime – ajudado por uma banda sonora que se acomoda muito bem.

Adorei a actuação, plena de potencial. Aguardo com ansiedade mais episódios.

you

13 Jan
13.01.2020

A série de televisão You, baseada no livro de Caroline Kepnes, segue a obsessão de Joe Goldberg (Penn Badgley), gerente de uma livraria de Nova York, pela cliente Guinevere Beck (Elizabeth Lail).

Fui ver esta série motivado por um comentário positivo de S.

A série não é perturbadora, mas cómica. Vejamos:

  • temos duas personagens ocas e monótonas:
    • a personagem feminina, Guinevere Beck, é escritora, mas não escreve nada… ah exceptuando que publica toda a sua vida privada nas redes sociais
    • a personagem masculina, Joe Goldberg, não tem qualquer carisma e tira conclusões tão óbvias como se fosse um triste pastiche de Sherlock Holmes
  • a janela do apartamento de Guinevere Beck é por si só uma personagem e tanto
  • Joe Goldberg é um perseguidor de uma rapariga que vive num rés-do-chão com uma gigantesca janela sem cortinas e à frente da qual ela faz tudo – não é exibicionismo é estupidez
  • Joe Goldberg é um perseguidor que com apenas um boné consegue camuflar-se em qualquer ambiente; melhor do que um camaleão – Guinevere Beck e as amigas além de fúteis são cegas como morcegos

Tudo o que posso concluir é que única coisa positiva a retirar da série é apenas o comentário positivo de S.

algumas considerações

23 Dez
23.12.2019

The Witcher (a série) – o que não me aborrece muito é terem massacrado uma grande parte da história original; o que, realmente, não suporto é um enredo inconsistente, fracos diálogos, a merda do politicamente correcto (a cena da inclusão) e com isso matar Triss Merigold; e desde quando anões são apenas pessoas pequenas e elfos apenas “tipos” de orelhas ponteagudas?

O que compensa? O facto de Henry Cavill conseguir, convencer sem muito esforço, ser Geralt de Rivia (ele leva a série às costas); as cenas de batalha – a do primeiro episódio está exactamente como imaginava Geralt a lutar.

Em resumo: os livros de Andrzej Sapkowski são fantásticos e com eles mergulhamos com facilidade no universo The Witcher, com a série isso não acontece.

© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!