Tag Archive for: guerra

blueberry #04 – o cavaleiro perdido de charlier e giraud

03 Fev
03.02.2020

Blueberry voluntaria-se para se encontrar com o chefe apache Cochise e encetar negociações de paz. Mas, para isso, tem de encontrar Crowe. Jim MacClure, um batedor que conhece a região melhor do que os próprios índios, aceita servir-lhe de guia até ao acampamento do chefe Charriba, onde, segundo ele, Crowe se encontra. À sua chegada, porém, ambos são tomados por perigosos espiões e capturados. Prestes a serem torturados e executados, são salvos pela chegada inopinada de Crowe, que assume a sua defesa junto do chefe. Mais tarde, Crowe informa Blueberry que o chefe Cochise e os seus homens se encontram em Sierra Madre, no México, onde o governador Armendariz lhes fornece armas e munições para continuarem a guerra…

Bandas Desenhadas

Aqui é dada a conhecer uma personagem super divertida – Jim MacClure.


Tradução Paula Caetano

blueberry #03 – a águia solitária de charlier e giraud

02 Fev
02.02.2020

A guerra contra os Apaches está ao rubro, mas Blueberry consegue resgatar o jovem Stanton com a ajuda de Crowe. Este, contudo, desaparece na refrega, deixando Blueberry sozinho na missão de convencer as autoridades de que não são os Apaches os responsáveis pela guerra. Para defender a causa da paz junto do general Crook, que tem plenos poderes na matéria, Blueberry parte para Camp Bowie, onde Crook reside; mas, para isso, tem de escoltar até lá uma carroça carregada de munições. Assim começa uma viagem de alto risco, seguida de perto por um terrível adversário que tudo vai fazer para se apoderar das munições em trânsito e, com isso, assegurar a continuação da guerra a qualquer preço: um apache rebelde de nome Águia Solitária.

Bandas Desenhadas

E isto continua a bombar forte e feio – fantástico.


Tradução Paula Caetano

blueberry #02 – tempestade no oeste de charlier e giraud

23 Jan
23.01.2020

Os Apaches reuniram todas as suas tribos para decidirem se vão ou não entrar em guerra com os caras-pálidas, e entretanto montaram um cerco a Forte Navajo, onde vários chefes apaches se encontram aprisionados. A angústia é grande no interior do Forte, que assim se encontra isolado do resto do mundo. Após uma traição do tenente Crowe tudo parece irremediavelmente perdido e Blueberry decide partir para Tucson em busca de reforços e de medicamentos para salvar o coronel Dickson, entre a vida e a morte. Conseguirá ele sobreviver a esta travessia do deserto? E se sim, conseguirá ele regressar a tempo? Os Apaches uniram-se entretanto a traficantes de armas mexicanos e parecem ter-se apoderado de toda a região…

Este álbum, continuação da história iniciada em Forte Navajo, continua a fazer-se valer.

Tradução de Paula Caetano

falcó de arturo pérez-reverte

19 Jan
19.01.2020

Em 1936, no início da Guerra Civil Espanhola, Lorenzo Falcó move-se por entre as sombras do submundo. Ex-contrabandista de armas, espião sem escrúpulos, encontra-se agora a trabalhar para os serviços de inteligência franquistas. A sua missão? Libertar um detido da prisão. Tem Eva Rengel e os irmãos Montero como companheiros. (E, quem sabe, vítimas? Pois os tempos são traiçoeiros, e nada é o que parece.)

Bertrand

Na guerra não há heróis. Apenas os que morrem e os que conseguem sobreviver e muita, mas muita insanidade.

Adorei.

27 Nov
27.11.2019 — Uma mulher de Malakal disse-me: «Nesta região, ninguém ficou desfeito por uma mina antipessoal.» Mas depois um dos vizinhos disse-me que a vaca dessa mulher havia pisado uma mina, que tinha explodido. Então, a mulher disse: «Ah, sim, a minha vaca.» Numa guerra, a morte de uma vaca não quer dizer grande coisa.
Viagem Por África de Paul Theroux (pág. 86)

os motivos?

21 Nov
21.11.2019

Todas as guerras são originadas por diversos motivos: religiosos, étnicos, ideológicos, económicos, territoriais, de vingança ou de posse. Os indícios estão sempre presentes e podem ser evitados, contornados com paciência, bom senso e boa diplomacia. Mas ninguém estava preparado para O motivo que originou uma guerra de proporções bíblicas e que exterminou 90% da população humana em finais de 2019.

Até 2324 os historiadores, os sociólogos, psicólogos, cientistas políticos, arqueólogos não discerniram qualquer razão objectiva ou subjectiva para a carnificina. Sabem apenas que a génese esteve num grito de alerta que arrotou esta frase: “mexeram-me na cadeira!” Depois disto foi o caos. As pessoas enlouqueceram, deliraram, alucinaram (escolham o que quiserem) e nesse delirium tremens o diabo andou solto na terra.

Em Janeiro de 2325 foi descoberto o ground zero da guerra de 2019 e após duas décadas de escavações meticulosas foi encontrado junto aos restos cadavéricos de uma cadeira um parafuso que segundo projecções tridimensionais faria parte da sua estrutura inicial. O motivo da guerra de 2019 não poderia, realmente, ter sido realmente evitado nem previsto – desde quando um parafuso a menos avisa?

y, o último homem: mãe terra #9

31 Out
31.10.2019

Juntos uma vez mais, os dois últimos mamíferos do sexo masculino na Terra – Yorick Brown e seu macaco de estimação, Ampersand – rumam lentamente à China, de onde O Último Homem partirá para o reencontro com sua noiva Beth em Paris. Mas, enquanto ambos se preparam para atravessar mais dois continentes com a ajuda da agente 355, as suas outras companheiras de jornada estão quase no fim de uma busca muito diferente: encontrar o que causou a extinção em massa dos mamíferos machos há quatro anos.
Algo inesperado as aguarda num laboratório secreto em Hong Kong, podendo mesmo significar  não apenas o fim do Último Homem, como também o fim da espécie humana.

Levoir

Estamos a chegar ao final de Y O Último Homem, série escrita por Brian K. Vaughan e desenhada por Pia Guerra.

Série bombástica!

operação bagration, o outro dia d

24 Jun
24.06.2019
veículos alemães abandonados numa estrada perto de bobruisk, na bielorrússia

Operação Bagration foi o codinome para a Ofensiva Bielorrussa na Segunda Guerra Mundial, que retirou completamente as tropas alemãs da República Socialista Soviética da Bielorrússia e Polônia oriental entre 22 de junho e 19 de agosto de 1944.
A operação recebeu este nome em homenagem ao príncipe Pyotr Bagration, general das forças russas que foi ferido mortalmente na Batalha de Borodino.

A acção resultou na quase completa destruição do Grupo de Exércitos Centro e três de seus componentes: 4.º Exército, 9.º Exército e 9.° Exército Panzer. O resultado, foi “a derrota mais calamitosa” do exército da Alemanha na Segunda Guerra Mundial.

Foi um triunfo militar soviético, devido ao movimento coordenado da ofensiva em todas as frentes e operações para enganar o inimigo até a ofensiva geral, no verão de 1944. Apesar do grande número de forças envolvidas na operação, o inimigo não sabia onde e nem quando seria a operação.

Após a batalha, o exército alemão havia perdido cerca de 25% de todas as forças na Frente Oriental e não se recuperou da excepcional baixa em homens e material. Perdas de oficiais nazistas: 9 generais mortos, 22 capturados, 1 perdido e 2 cometeram suicídio. Ao final da operação o “Grupo de Exércitos Central” foi quase completamente destruído. Perdas materiais: 2000 tanques e 57000 veículos. Além de cerca de 400 mil mortos.

Perdas do lado soviético: 2957 tanques e 2447 peças de artilharia, 822 aeronaves. Perdas humanas: 180.040 mortos e desaparecidos e 590848 feridos.

Wikipédia

Tudo apontava que a antiga URSS poderia por si só vencer a Alemanha, facto que não interessava às potências ocidentais. A invasão da Normandia foi um episódio claramente importante, mas não foi o factor decisivo que conduziu à derrota dos nazis.

game of thrones, 8ª temporada

17 Mai
17.05.2019

Game Of Thrones está a chegar ao fim. Já assistimos a derrotas, a reinados que acabaram, copos de café foram deixados por engano nas cenas, há bebés que não crescem há duas temporadas… e há um público bastante dividido.
Milhares de fãs estão a delirar com esta derradeira temporada, mas outros tantos estão muito insatisfeitos. Tanto que querem um novo fim para a história, exigindo uma nova 8.ª temporada.

directamente de pplware

ha hahi hihæ hæho hoti hi

hahaheh-hehhoho(tee)heehee

ha-hahi-hi

Que cambada de tones. Já não perco tempo com isto desde a temporada 3√2

a guerra americana de omar el akkad

03 Out
03.10.2018

Esta obra explora a fractura sempre presente – nunca sarada – entre o Norte e o Sul dos EUA para o início de uma possível Segunda Guerra Civil Americana. E as razões para uma guerra, como sabemos, não necessitam de ser muito complicadas ou sinuosas.

Neste livro de Omar El Akkad a história desenrolasse num futuro não muito longínquo e o motivo foi a proibição do uso de combustíveis fósseis pelo governo central.

O livro retrata as atrocidades da guerra, do seu impacto na sociedade como um todo e nas vidas individuais. A história desenvolve-se muito bem e conforme vai deixando marcas nas suas personagens principais, também o faz no leitor – leitura que obriga a paragens e reflexões.

O que se retém ao fim e ao cabo, num resultado simplista, são as razões que justificam (?) a guerra e todos os seus horrores – as suas maquinações; que trazem quase sempre o lado mau do homem, raramente o bom.

O Norte lutou pela liberdade, pela democracia valores muito maleáveis e com imensos significados; que se podem adaptar, tal camaleão, a qualquer situação. O Sul lutou por uma única razão contra a proibição do uso de combustíveis fosseis:

(…) quando um sulista nos diz aquilo por que luta, podemos concordar ou não, mas não podemos dizer que é mentira. Bem ou mal, um homem do nosso país sabe exactamente o que quer dizer, defende aquilo que diz. 
Mesmo que isso acabasse por ser revelar mentira.

Não é um livro fácil, não o é a guerra também. Não deixa, contudo, de ser um livro memorável.

© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!