Artigos

versão original vs versão traduzida

De uma forma geral escolho sempre a versão traduzida, desde que seja realmente um boa tradução, de um texto escrito em inglês, francês ou espanhol, línguas que consigo ler sem qualquer problema.

Só tenho optado pela leitura na língua original quando livros que quero ler não foram ou nem tinham/têm previsão de edição em Portugal. Foram o caso dos livros das sagas:

Só se os lançamentos ficarem a meio é que retomo a compra dos restantes nas versões originais.

harry potter

Houve outros livros que comprei no original apesar de os lançamentos estarem previstos, porque não tive paciência para esperar pelas traduções.

harry potter

Kingsley Shacklebolt: You may not like him, Minister, but you have to admit, Dumbledore’s got style.

from imdb

Gostei bastante do filme. E é a primeira vez, se isto pode ser pensado, que o filme me reconciliou com o livro. No filme Potter é um puto mais maduro. No livro é um adolescente estúpido, parvo, besta.
E por falar em besta. Talvez seja mesmo “giro”, como disse Sir tix criar uma guild apelidada de “Fat Brigade”.

Desta vez não choro pelas partes que não constam no filme. É um assunto recorrente que não leva a lado algum. Porque se há partes no livro que EU adorei, essas mesmas partes não foram adoradas por outrem. O filme é fiel na sua globalidade e é isso que em último interessa.

Ainda temos mistério e adrenalina pululante. A magia do Potter ainda está bem viva.

harry potter 6

Sometimes a cigar is just a cigar. – Freud

A escritora J.K. Rowling, com Harry Potter and the Half-Blood Prince, redimiu-se com os seus leitores.
A perda de rumo que a escritora revelou no Harry Potter and the Order of the Phoenix, que podia ter tido uma leitura mais agradável se tivesse sido reduzido a metade, não aconteceu com Half-Blood Prince. A leitura é, desta vez, feita de forma fluí­da e tudo o que está escrito tem a sua razão de ser. “Harry Potter” em Half-Blood Prince não é o mesmo adolescente irritante, pateta, imbecil, petulante do ano 5 e isso é um dos aspectos que torna o livro mais interessante.
Considero, ao contrário de algumas opiniões, que Potter ainda não perdeu a sua magia e isso apesar dos clichés que lhe possam ser aplicados ou de as histórias assentarem, sempre, como alguém já escreveu, nas mesmas premissas:

1. Harry isn’t allowed to leave for school
2. Everyone is in awe of him.
3. Something happens and people hate him.
4. He must find out the mystery
5. He solves it, people love him again.
6. (Add in for later books, someone has to die.) (in sffworld.com)

Tudo isto tem o seu devido fundamento, mas para mim os livros de Harry Potter, “o universo Potter”, existem apenas como histórias de fantasia de puro entretenimento.
Fico, muito naturalmente, a aguardar a continuação da saga.