Tag Archive for: leituras

contos de s. petersburgo de nikolai gogol

16 Jan
16.01.2019

Lido os Contos de S. Petersburgo de Nikolai Gogol, oferecido no Natal pelo meu filho.

Este livro é composto pelos contos:

  • Nevksy Prospekt
  • O Diário de um Louco
  • O Nariz
  • O Coche
  • O retrato
  • O capote

Nos contos são narradas situações tão estranhas, surreais, que não fazem qualquer sentido (o que acho por demais divertido). Cheias de personagens hilariantes que por motivos vários acabam por viver situações absurdas, as histórias fornecem ao mesmo tempo uma leitura divertida e um questionamento sobre a percepção do que é a nossa realidade.

o nariz do herói decide passear e torna-se funcionário público

Todas as histórias estão assentes numa obsessiva – ideal – observação. Com uma lógica própria e com descrições quer cómicas, ou sinistras ou até comoventes temos textos estranhos, bizarros, satíricos – malucos!

Ler Gogol foi puro prazer.


Imagem “The Nose” by Ekaterina Boglovskaya

a maldição de hill house de shirley jackson

14 Jan
14.01.2019

O livro “A Maldição de Hill House” de Shirley Jackson foi a minha leitura do passado fim-de-semana. Leitura viciante. Excelente thriller.

Excelente história de terror psicológico.


O livro já foi adaptado duas vezes ao cinema. Uma em 1963, outra em 1999 com o título português “A Mansão”, aqui numa versão mais de horror. Esta versão acabou sendo parodiada no filme Scary Movie 2.

lucky luke – re(leituras)

30 Dez
30.12.2018

A re(ler) as histórias desta espantosa personagem.

the outsider by stephen king

29 Dez
29.12.2018

Outra história mirabolante, delirante de Stephen King. Autor que nos consegue convencer que o sobrenatural existe.

Numa história em que nada parece ser o que é ainda nos é oferecida a participação de Holly Gibney, nossa conhecida de Mr. Mercedes, o que melhora uma história boa já por si.
O conceito de “Ka” dos livros da Torre Negra é igualmente mencionado no livro.


Parece que está prevista uma adaptação da história para a televisão. Deve ser outro desastre – o habitual.

the girl with all the gifts por m.r. carey

19 Dez
19.12.2018

Terminei a leitura ontem deste livro que trouxe novas possibilidades para um tema já tão esmiuçado: zombies, mas aqui chamados de “hungries”.

alerta de spoiler

Os humanos são transformados em “hungries” devido ao fungus Ophiocordyceps unilateralis apenas encontrado até então nas florestas tropicas da Tailândia e do Brasil. Os “hungries” vêm com naturalidade os outros humanos como comida. Estes “hungries” são irracionais e agem pela necessidade básica de sobrevivência. Existem outros “hungries” de segunda geração, híbridos, crianças possivelmente geradas de pais já infeccionados, que apesar de atacarem os humanos, são racionais, capazes de aprendizagem. Um destes “hungries” é Melanie. Uma rapariga que encontramos num centro de detenção/laboratório onde se procura uma cura. Aqui ela cria uma relação especial com a professora/psicóloga Helen Justineau. Relação que é o motor chave da história.

Entre percalços a base é invadida e apenas conseguem fugir, Melanie, Helen Justineau, o Sargento Parks, o soldado Kieran Gallagher e a cientista Caroline Caldwell. 

Entre outros percalços e mais percalços ficamos a descobrir que existem mais “hungries” híbridos que vivem em comunidade e que os “hungries” irracionais acabam, na última fase da vida, por estacionarem juntos. O fungo acaba por consumir o resto do corpo do hospedeiro e transformar-se numa “árvore” cujos frutos a abrirem-se libertarão o fungo por via área. O que significará o fim para os humanos ainda não contaminados. Isto acaba por acontecer por iniciativa de Melanie. Incendiadas os frutos abrem-se e o fungo espalha-se pelo mundo como chuva.

Melanie é a nova Pandora que abriu a caixa dos pesadelos.

A novidade da obra está nos zombies racionais e na extinção do homo sapiens sapiens.

A esperança de uma “nova humanidade” reside nos “hungries” híbridos e na sua capacidade de aprendizagem. Isto irá acontecer porque Helen Justineau ficou a salvo num perfeitamente hermético laboratório móvel (parte dos percalços) e vai continuar a ensinar – a esperança existe! Transmissão de conhecimentos.


Vi o filme. Existem algumas variantes na forma de contar a história, mas compreende-se isso. Fraco filme, comparado com o livro.


Em resumo. História lida, como costume dizer, sem sobressaltos e mais por culpa da vinda do autor a Portugal. Fiquei curioso. Culpado!

Pintura: Pandora por Nicolas Régnier (via wikipedia)

leituras em 2018

18 Dez
18.12.2018

Para me manter na crista da onda vou tentar listar, porque a vida também se faz de listas, alguns dos livros que me satisfizeram em 2018.

  • Teoria Geral do Esquecimento de José Eduardo Agualusa
  • O Inverno em Lisboa de Antonio Muñoz Molina
  • Sul Profundo de Paul Theroux
  • Deixa a Chuva Cair de Paul Bowles 
  • A Cicatriz do Mal de Pierre Lemaitre 
  • Torpedo
  • Comboio-Fantasma Para o Oriente de Paul Theroux
  • Y O Último Homem de Brian K. Vaughan e Pia Guerra
  • Countdown City de Ben H. Winters
  • Punk Jesus Rock de Sean Murphy
  • The Fade Out de Ed Brubaker e Sean Phillips
  • Batman – O Príncipe Encantado das Trevas de Enrico Marini
  • O Xerife da Babilónia de Tom King e arte de Mitch Gerads

largo winch, volume 11

17 Dez
17.12.2018

Aqui está o último álbum (n.º 21) da colecção Largo Winch, A Estrela da Manhã, criação da dupla Philippe Francq e Jean Van Hamme.

Este álbum, tem contudo o argumento de Éric Giacometti. Os desenhos continuam a cargo de Philippe Francq.

Com este lançamento finalmente estão editadas em Portugal todas as histórias de Largo Winch.

Agora só falta continuar os lançamentos, nomeadamente com o álbum, Retour à -33, que fechará este díptico.

largo winch, volume 10

17 Dez
17.12.2018

Mais duas histórias da dupla Philippe Francq e Jean Van Hamme.

álbum_19. Contradança
álbum_20. 20 segundos

Histórias excelentes. Acção. Acção. Sensualidade. Mais acção – confusão. 

largo winch, volume 9

17 Dez
17.12.2018

Mais duas histórias da dupla Philippe Francq e Jean Van Hamme.

álbum_17. Mar Negro
álbum_18. Ilha Vermelha 

Muito bom. A qualidade persiste e recomenda-se.

metade da vida de v. s. naipaul

12 Dez
12.12.2018

Metade da Vida é o primeiro livro que li de V. S. Naipaul, empurrado pelas leituras de Paul Theroux e foi uma leitura bastante agradável apesar de narrar a vida em tons de não viver da personagem Willie Somerset Chandran; personagem que vive naufragado numa vida infeliz.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera