Artigos

sucesso de martin amis

É um livro de mentirosos. De mentiras. De enganos. Desenganos. Os dois narradores Terry e Gregory mentem com quantos dentes têm e sem dentes. Enganam-se a si próprios e ao leitor. O leitor é o recipiente último das loucuras, divagações, preocupações dos dois narradores.

a narração de Terry:

— Olá — disse eu. — Como te sentes? Como foi o teu dia?
— Qual dia? — perguntou ele.
— A coisa está má, hein?
— Absolutamente um horror. A manhã de hoje parece tão longe como a infância. Sinto-me tão fraco que não posso fazer nada para passar o tempo. E assim o tempo não passa.
Perante o belo incentivo deste queixume agradavelmente ensaiado, quase deixei cair o meu saco do álcool quando o Gregory disse a seguir, num tom interrogativo:
— Terry, fica cá em cima esta noite e anima-me. Vá lá. Nem sei dizer como estou deprimido. Por exemplo, conta-me o teu dia. Como foi? Anda, serve-te de um copo e senta-te (…)

página 134

e a de Gregory:

— Greg, estas acordado? — chama ele.
— Acho que sim respondo.
— Olá. Como estás? Como to sentes?
— Sobe?
Comovente, isto. A minha doença parece ter tornado fácil ao Terry expressar a sua total preocupação comigo. Todas as outras coisas que empecilham as nossas relações, toda a inveja, espanto e culto do herói passaram para segundo plano por uns tempos.
(…)
E arrancou… para uma história miserável sobre um ou outro daqueles cretinos, labregos e pseudogente que trabalham no mesmo chiqueiro tenebroso que ele.

página 139

No meio de esperanças, narração de sonhos perdidos, conquistas não conseguidas o leitor vai descobrindo duas personagens que se odeiam mutuamente, mas que perfidamente precisam uma da outra para se odiarem – o ódio é o que as une; ódio a si, aos outros.

O humor, o sarcasmo, a ironia são as notas constantes – uma maravilha este “Sucesso” de Martin Amis.

Tradução de Telma Costa

Há mentiras que resgatam e há verdades que escravizam.
A Rainha Ginga de José Eduardo Agualusa (pág. 121)

Um vez cometido, o erro continua a decorrer com uma obstinação irreparável, como o tiquetaque de uma bomba-relógio. Revivemo-lo depois com uma tal lucidez que parece mentira que não possamos corrigi-lo
Como a Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina (página 247)
A mentira por omissão transforma-se, inevitavelmente, em mentira positiva.
Sem Olhos em Gaza de Aldous Huxley (página 309)

omissão…

A mentira por omissão transforma-se, inevitavelmente, em mentira positiva.

Aldous Huxley, Sem Olhos em Gaza


Aldous Huxley, Sem Olhos em Gaza< // título original: Eyeless in Gaza // tradução: V. de Miranda Reis // editor: Livros do Brasil, Lisboa, 1984, pág. 309