Artigos

n’ a catedral do mar

Direito da primeira noite (latim: jus primae noctis), também conhecido como direito do senhor ou direito da pernada, refere-se a uma suposta instituição que teria vigorado na Idade Média e que permitiria ao senhor feudal, no âmbito de seus domínios, desvirginar uma noiva na sua noite de núpcias.

São todos os acontecimentos que ocorreram após o senhor de Bernat Estanyol ter desvirginado Francesca Esteve, mulher de Bernat, no dia do casamento, que levam e justificam a fuga de Bernat com o seu filho Arnau para a cidade de Barcelona.

Segundo a obra de Alain Boureau “Le Droit de cuissage. Histoire de la fabrication d’un mythe (XIIIe-XXe siècle)”

From the late Middle Ages to The Marriage of Figaro to Mel Gibson’s Braveheart, the ultimate symbol of feudal barbarism has been the droit de cuissage, or right of a feudal lord to sleep with the bride of a vassal on her wedding night. The droit de cuissage even resurfaced in the debate over the French Penal Code of 1992 as a synonym for sexual harassment.
But, as Alain Boureau elegantly demonstrates in this book, the droit de cuissage is a myth. Under contextual examination, nearly all the supposed evidence for this custom melts away—yet belief in it has survived for seven hundred years. Boureau shows how each era turned the mythical custom to its own ends. For instance, in the late Middle Ages, monarchists raised the specter of the droit de cuissage to rally public opinion against local lords, and partisans of the French Revolution pointed to it as proof of the corruption of the Ancien Régime.
A fascinating case study of the folklore of sexuality, The Lord’s First Night also offers evocative insights into popular (mis)conceptions of the Middle Ages.

University of Chicago Press

Não sei se a utilização deste artificio que causa revolta, repulsa e ódio foi apenas uma forma dramática para levar a história a seguir dado rumo ou tem qualquer fundamento.


Outra questão é a revisão deste livro de Ildefonso Falcones numa edição comemorativa, limitada (nova edição com prólogo do autor):

— É muito jovem — afirmou um terceiro
— Arnau olhava para todos com os olhos esbugalhados.

página 217


— Tu é o bastaix — afirmou (…)

página 245

Foi nesta altura da leitura que decidi registar as últimas gralhas de revisão. Existem mais gralhas antes destas duas, mas irritado deixei-as passar ao lado. Nesta fase entendi apontar.

Lamentavelmente as gralhas continuaram, continuaram e continuaram. Acabei por desistir até chegar à página 500. Chegado aqui tomei nota da respectiva gralha. Existem mais, mas… enfim… que desilusão

Mar também pensou nisso: devia contar o sucedido a Arnau? O ganharia se o o fizesse?

página 500


(…) Nem seque sabia que atrás vidraças estavam a julgar Arnau!

página 652

As gralhas são uma constante nesta edição – muito, mas muito lamentável. São falhas que não podem acontecer.

Ligo menos a imprecisões históricas – afinal é uma obra de ficção – do que às gralhas. Erros como os apontados põe-me piurso.

A editora Suma de Letras não está realmente de parabéns.

a praia de manhattan de jennifer egan

Os anos 1940. Anos de guerra e de esforço de guerra nos estaleiros navais de Brooklyn. No mesmo espaço geográfico, os sindicatos e as lutas pela supremacia das várias máfias: italiana, irlandesa, outras. Anna Kerrigan é a figura central do romance. Trabalha nos estaleiros (como centenas de outras raparigas) e deseja ardentemente ser a primeira mulher mergulhadora. Isto num tempo em que a vida das mulheres era ainda muito circunscrita. Mas Anna quer sobretudo saber o que aconteceu ao pai, que desaparecera anos antes, sem deixar rasto.

Edições Asa

Brilhante. Adorei. Tem tudo o que adoro num livro e ainda por cima tem o mar, também, como personagem.

1q84 (vol. 3) de haruki murakami

O Livro 3 revela o estilo forte e truculento de uma personagem única, Ushikawa de seu nome. A par de Tengo e Aomame, a voz da Ushikawa ecoa nas páginas do terceiro volume de 1Q84 e provoca as reações mais intensas. Amem-no ou detestem-no, mas deixem-no entregue à sua sorte. Tengo e Aomame continuam sem saber, mas aquele é o único lugar perfeito no mundo. Um lugar perfeitamente isolado e, ao mesmo tempo, o único que escapa às malhas da solidão.

Casa das Letras

1Q84 é Haruki Murakami em toda a plenitude. Gostei, muito mais que catita.

Tradução de Maria João Lourenço e de Maria João da Rocha Afonso

manter a paixão

Desde o início da pandemia que Aleksandro é recebido no hall, assim que chega do trabalho, pela sua mulher Rubena ornada com luvas e máscara cirúrgica. Ela despe-lhe toda a roupa, colocando-a num saco de plástico; a roupa irá posteriormente para a máquina de lavar roupa.

Completamente nu, Rubena inicia uma tarefa que Salas sente ser agora o epítome da paixão. Rubena besunta-lhe o corpo com gel desinfectante com uma solução de 95% de álcool e demora-se pacientemente em todas as partes; sem pressas Aleksandro sente o corpo ser higienizado – sublime. E com um beijo nos lábios do seu marido Rubena dá o trabalho por terminado.

Esta rotina decorreu sem sobressaltos durante catorze dias. Hoje antes do ritual do beijo Rubena coloca uma máscara em Aleksandro e sussurra-lhe sensualmente ‘espera pela surpresa’. De olhos vendados ele aguarda saturado de desejo o regresso de Rubena.

A última frase que Aleksandro ouviu na sua vida antes do raspar de um fósforo foi ‘sente agora o ardor da nossa paixão’.

1q84 (vol. 2) de haruki murakami

O Livro 1 revelou a existência do mundo de 1Q84. Algumas perguntas encontraram resposta. Outras permanecem em aberto: Quem é o Povo Pequeno? Como farão esses seres para abrir caminho até ao mundo real? Existirão mesmo?, como sugere Fuka-Eri. Chegarão Aomame e Tengo a reencontrar-se? «Há coisas neste mundo que é melhor nem saber», como diz o sinistro Ushikawa. Em todo o caso, o destino dos heróis de 1Q84 está em marcha. No céu, distinguem-se nitidamente duas luas. Não é uma ilusão.

Casa das Letras

1Q84 de Haruki Murakami continua a ser excepcional.

Tradução de Maria João Lourenço e de Maria João da Rocha Afonso

belas adormecidas de stephen king e owen king

Num futuro próximo, algo muito estranho começa a suceder. Quando as mulheres adormecem, dos seus corpos emerge uma espécie de casulo que as isola do mundo exterior. Enquanto dormem, são transportadas para um lugar onde não existe violência e onde tudo é harmonioso. Se, durante esse processo, forem incomodadas, acordadas ou se o invólucro for tocado, elas tornam-se extremamente violentas. Mas há uma mulher, Evie, que é imune a esse fenómeno. Tratar-se-á de uma singularidade médica que deve ser estudada ou de um demónio que deve ser exterminado?
Os homens, abandonados aos seus instintos mais primários e divididos em fações guerreiras, ou tentam destruí-la ou salvá-la.

wook

Uma ideia interessante com uma pobre execução.

Como não tenho dois dedos de testa gostaria, até, de ter uma razoável explicação para um final pouco satisfatório.

Tradução de Ana Lourenço e Maria João Lourenço.

de lado – 0096

Há mulheres com perna que nunca acaba. A essas chamamos “cobras”.

#januhairy

Vamos ser claros: aqui esta-se perante o regresso do movimento Gina dos anos 80 e mais nada.

— Uma mulher de Malakal disse-me: «Nesta região, ninguém ficou desfeito por uma mina antipessoal.» Mas depois um dos vizinhos disse-me que a vaca dessa mulher havia pisado uma mina, que tinha explodido. Então, a mulher disse: «Ah, sim, a minha vaca.» Numa guerra, a morte de uma vaca não quer dizer grande coisa.
Viagem Por África de Paul Theroux (pág. 86)

e então vai entender de claudio magris

Neste monólogo narrativo sobre um amor total e falhado, uma mulher fala-nos a partir de uma obscuridade misteriosa – a partir da morte? – e revela-nos num tom terno e impiedoso, que contém toda a grandeza e mesquinhez da vida e da morte, as alegrias e misérias da paixão – e do homem que ela ama, mas renuncia seguir de volta à vida. Em E Então Vai Entender, Claudio Magris movesse entre a experiência pessoal e o mito; entre a vontade de fuga e a intensidade da permanência, entre a ligeireza e a tragédia.

Quetzal Editores

Excelente narrativa.


Tradução de José Colaço Barreiros