Artigos

apropriação

São as cores, os fazeres, os dizeres – tanta confusão, tanta discussão.

Certo dia, certa conversa mais ou menos assim, quando se fez perguntas sobre a raça.

Respondi que sou de uma raça filha-da-puta, mesmo filha-da-puta!

‘Que merda de resposta é essa?’

‘Há dias que me sinto vermelho por dentro e verde por fora. Nesses dias sou da raça melancia’ – continuei. ‘O pior é quando me sei amarelo por dentro e branco por fora. Podia-se pensar que seria da raça ovo, mas a verdade é que não me vejo a sair pelo cu de uma galinha.’

sucesso do ovo

Quase sempre a vinheta no interior dos livros da Quetzal Editores têm como ponto de partida algumas palavras da história. A maior parte das vezes não coloco essa referência pois a descubro dias, ou semanas após colocação do post. No presente caso, porque sim, coloco a referência ao ovo da vinheta do livro “Sucesso” de Martin Amis.

(…) Lembro-me de que acabava de despachar a cozinheira com umas palavras duras sobre a consistência do meu ovo quente e, enquanto esperava os 285 segundos necessários à preparação do substituto, recostei-me na cadeira estimulando o paladar com um pedaço de torrada e Gentleman’s Relish.

página 63

crepioca, primeira versão

Aqui e agora se apresenta a primeira crepioca da minha autoria. Duas colheres de tapioca, um ovo e recheio de queijo mozarela.

de lado – 0096

O importante não é saber quem nasceu primeiro, se o ovo ou a galinha, mas descobrir quem foi o primeiro cagão.

barcelos na crista da onda

Este meu profético ovo já deu origem a dois galos. 

E o último galo foi parido pela refugiada Joana Vasconcelos, sim aquela que “Levava o meu caderno, para poder fazer desenhos. O meu iPad. Levava o phones para ouvir música. Os meus lápis para fazer desenhos. Os meus óculos de sol, todas as minhas jóias portuguesas. Levava as lãs e a agulha para qualquer eventualidade e o meu iPhone.”

Fomos galados! A estupidez confirma mais uma vez que não tem prazo de validade.

um ovo estrelado

A vida é como a gema de um ovo estrelado – perfeita; até se começar a mergulhar o pão.

afinal é pato!

Barcelos está em estado de choque.
“É um pato!”
“É um pato!”
São os gritos da multidão que se deslocou à “Rotunda da Bolacha” após o estrondo causado pela eclosão do Ovo. Testemunhas afirmam que ouviram pelas 08h31 um cábuuum seguido de um puf e de um sonoro quack! E como por milagre um pato de branco algodão substituiu o Ovo – quack!

Exigem-se responsabilidades. Exige-se um galo. Alguém pede, em desespero, ajuda à Joana Vasconcelos. Ela, contudo, encontra-se indisponível. Está presentemente na conferência “Fazer a mochila e partir. Utopia ou Imperativo?”

Em jeito de solução transformou-se o pato em galo – ah! pois.

é um pato!

um problema químico…

Para mim ter uma relação sexual é tão normal como roer a unha do dedo grande do meu pé esquerdo ou, numa imagem mais inocente, como pescar moncos dentro do nariz. Entendo, que pessoal, que só “faça o amor” a cada 29 de Fevereiro se sinta revoltado com a minha desenvoltura – temos pena!

Contudo, hoje, não falarei de sexo, mas de química, para perceberam que BigPole é um poço de sabedoria e para abafar, igualmente, os críticos mentecaptos.
Irão concluir, não apenas que a química está presente em muitos actos da nossa vida, mesmo naqueles que pensamos que não, como eu subjugo não apenas o sexo como a química. Um pouco de arrogância nunca me fez qualquer mal.
Acho que será a primeira vez que vai ser tratado, de forma consensual porque quimicamente, o resultado de uma actividade realizada por qualquer ser humano desde sempre. Tentarei usar uma linguagem simples, singela. Aqui vai…

Ontem, ou se preferirem hoje de madrugada, eram cerca das 03h15m, num ambiente de néon proveniente da minha sanita, quando estava a descer uma calça Denim Fit Loose e uma cueca boxer Hom, com um adorável desenho de fantasia e, cuja textura ultra-leve aconchega na perfeição o meu orgão genital, para alapar as nádegas numa Kohler com assento aquecido, pensava no tempo que se perde a evacuar; daí que tenha sempre à mão algumas revistas para folhear.

Depois de terminar o meu serviço, já com o regueiro limpo e não uso papel higiénico, mas sim as opções de uma sanita 4-1 que tem, também, função de bidé e como tal recebo no sítio adequado um jacto de água oscilante a uma temperatura suave e um fluxo de ar quente para secagem, tudo ajustável por comando, ah! e tem controlo de odor, puxei o autoclismo, atirei a roupa para o cesto de roupa suja, e nu preparava-me para um rápido banho de imersão ao som de uma relaxante música ambiente, quando reparei que ficou a boiar no fundo da sanita um resto, razoavelmente redondo, de fezes. Assustei-me. Enojei-me ver aquela coisa a enfrentar-me do fundo da minha Numi. Decidido a acabar com isso usei a função flush-full. O impossível aconteceu e o naco de fezes ganhou ao turbilhão aquático e lá permaneceu a boiar plácido. Assustado duplamente fiquei. Aquilo não se misturava.

Humm….. estaria perante um problema de polaridade? Duplo hummm… hummm…
Vejamos: bebi umas boas cervejas, acompanhadas por um petisco capaz de fazer corar o colesterol. E como sabemos que a água é uma substância polar e as gorduras apolares estaria perante um pedaço de fezes hidrofóbico? Grande questão química percebem? Novo flush-full, o mesmo resultado. Conclui que tinha de anular de alguma forma a polaridade das fezes e como tal atirei para dentro da sanita uns guardanapos que fui buscar à cozinha. Desta vez experimentei um eco-full e pumba o poio desapareceu nos meandros do esgoto. Milagre químico.

Conclusões a tirar? Primeiro que foi mais fácil afundar o Titanic; segundo que tenho de cortar nas gorduras.


o vosso químico BigPole

o gajo é comilão

Outro exemplo que mete nojo a qualquer bom vegetariano.

steak tartare

Bife tártaro que tive o prazer de comer no restaurante Hippopotamus (Tivoli Oriente) em Lisboa.