Tag Archive for: pai

e tenho 60 anos?!

13 Ago
13.08.2019

— Ligaram para o meu marido a dizer que o meu não estava inscrito em nenhuma escola! Mas eu tratei com um senhor que tem umas tatuagens e tem pra aí uns 60 anos.
— Eu aparento 60 anos? E eu que dava à senhora uns 30 anitos.

À noite a cirandar pela Feira de Artesanato sou chamado a atenção por uma menina com: “Jovem não quer vir provar uma ginga?”
— Não posso porque a minha mãe não deixa e hoje não é Domingo — respondi.
— E o pai não quer — foi dito por entre uma gargalhada pela jovem.

Isto, claro, que amenizou o acontecimento da manhã.

17 Abr
17.04.2017 “And have you still nothing to say to me, Earth – my mother, my father? Are you ashamed of me? Or are you proud? Or are you no long there? – an emptiness, an absence, empty void? Have you solved my puzzled yet? Signing off.”
Entanglement by Douglas Thompson

o pai, eu…

16 Mar
16.03.2017

Apresento uma versão de mim directamente das mãos e dos olhos da Margarida.

porta VIII será sempre o reflexo de moi.

encontros de literatura e banda desenhada – amazonas contemporâneas

18 Jan
18.01.2016

Estes encontros, compostos por quatro debates: 16, 19, 21 e 23 de Janeiro, estão integrados nas comemorações do 40º aniversário do ILCH e pretendem abordar a relação entre a literatura e a banda desenhada, ou como referiu o Prof. Manuel Curado na sua mágica intervenção “o que cola“.

No dia 16 tivemos: Herdeiras de Wonder Woman. As Amazonas na Ficção Popular Contemporânea

Desde a criação de Wonder Woman em 1941, abundam na ficção popular as mulheres que defendem pela força a liberdade de decidir o seu destino. Entre elas, contam-se Katniss Everdeen (Os Jogos da Fome) e Lisbeth Salander (Millenium. Os homens que odeiam as mulheres). Com Diogo Carvalho, exploramos os modos como estas personagens contribuem para a vitalidade e diversidade da nova mitologia das amazonas.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

Hoje será: Maus, de Art Spiegelman. Um romance Gráfico do Holocausto

Um testemunho real de um sobrevivente de Auschwitz, é isto, entre muitas outras coisas que podemos encontrar neste romance gráfico de Art Spiegelman. Com Marie Manuelle Silva, abordamos as técnicas gráficas, os recursos narratológicos e as figuras estilísticas que o autor usa para representar o Holocausto de forma real e impactante, inscrevendo este estrondoso sucesso de público e de crítica em diferentes correntes da tradição literária e da tradição ilustrativa.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

No dia 21 será: O Motivo do Herói Órfão. Oliver Twist e os Heróis da Banda Desenhada

Quantos heróis que conhecemos são, de uma ou outra forma, órfãos. Trata-se de uma lei ou de puro acaso? Tendo Oliver Twist de Dickens como ponto de partida e Margarida Pereira como convidada, iremos procurar na literatura a origem deste motivo presente na BD e nos Comics.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

No dia 23 será: Para Além do Véu. Persépolis, de Marjane Satrapi

Conversamos com Said Jalali sobre o romance autobiográfico de Marjane Satrapi, Persépolis, que é o olhar de uma menina sobre as alterações radicais introduzidas pela revolução de 1979 na vida quotidiana da sociedade iraniana. Romance de formação escrito e desenhado num contexto de deslocamentos geopolíticos e geoculturais à escala global, Persépolis narra os exílios de Marjane – tanto fora como dentro do Irão.

Encontros de Literatura e Banda Desenhada

Herdeiras de Wonder Woman. As Amazonas na Ficção Popular Contemporânea teve como convidado Diogo Carvalho.
Antes da sua apresentação foi nos oferecida uma mágica intervenção pelo Prof. Manuel Curado. Esta intervenção foi de tal forma intensa, poética que logo se percebeu que a noite ia ser em Grande. O Prof. Manuel Curado revelou sem sobressaltos e com um dialéctica argumentativa tão bem tecida a razão da literatura, nas suas mais diversas formas, nos invadir os sentidos desde sempre. O Prof. Manuel Curado provou ser o nec plus ultra do mágico das palavras e conseguiu deliciar-me ainda mais quando terminou o seu acto com as palavras “o diabo do espelho.

diogo carvalho

diogo carvalho

Diogo Carvalho, a razão que me dez deslocar a Braga, esteve perfeito a falar, sem papas na língua, sobre a Wonder Woman per si, falou nas mudanças no seu uniforme (como sinal dos tempos), os seus motivos como heroína, o seu protagonismo e a forma como foi/está actuando/actuar no universo de super-heróis. Conseguiu em poucas palavras contextualizar a sua criação, com doces e picantes pormenores. Falou do seu multifacetado criado, William Moulton Marston. Falou do presente e do futuro da Wonder Woman.

Quanto a Katniss Everdeen e Lisbeth Salander como amazonas herdeiras da Wonder Woman o que fica em resumo é que ambas são os Alpha das suas histórias. Como mulheres fazem, “e como colocar isto sem ofender, mas tendo de utilizar um cliché“, perguntava Diogo Carvalho, “um bom trabalho de homem. Ou melhor, um trabalho atribuído geralmente ao homem.”

Katniss Everdeen faz o que faz por amor à irmã, ofereceu-se como tributo, e acaba por agir sempre por estímulo. Perante um problema, age. Não cria problemas, mas encontra soluções por… impulso. E perante uma sociedade distópica, acaba por ser ela, pela sua perseverança, coragem, abnegação, a alavanca (“Deem-me um ponto de apoio e moverei a Terra.”) para derrubar o sistema por dentro – implosão.
Lisbeth Salander faz o que faz por vingança. Ao contrário de Katniss Everdeen, Lisbeth Salander perante uma situação adversa, raramente age por impulso. Tudo é planeado. Ela está por fora de um sistema deficiente, corrupto e as suas acções levam a que este expluda.

Foi colocada uma questão. Se elas são o que são ou fazem o que fazem por não estar presente a figura do pai – acho que a ideia da pergunta é esta (contudo, posso estar errado).
A pergunta é interessante e a resposta aceite é que em ambas o pai, pode ou ser o modelo ou a motivação para elas serem como são – fortes, independentes.
Quanto a Katniss Everdeen é fácil concluir que é a ausência do pai que a torna o que é uma Alpha. É ela a razão de a mãe e irmã estarem vivas.
Quanto a Lisbeth Salander foi a existência de um pai que a torna Alpha por competição e sobrevivência.

Se o papel poderia ter sido atribuído a um homem? Podia, mas o efeito não seria tão másculo.

Katniss Everdeen e Lisbeth Salander comprovam acima de tudo que qualquer ser humano consegue ser Homo homini lupus. Apenas são precisas certas circunstâncias, uma série de eventos catalisadoras da nossa natureza predatória.

Isto são pensamentos avulsos que fui tendo e que decidi agora transcrever.

Avalio positivamente o encontro. Adorei as conversas muito interessantes e estimulantes. Os alunos do Mestrado de Mediação Cultural e Literária estão de parabéns.

eu e a barba

17 Jan
17.01.2015

Como a Margarida me vê:
de barba e com phones.

the ironic fantastic #3 no cadernos de daath

07 Set
07.09.2014

É com imenso orgulho que vejo referido no blog do meu escritor português de eleição, David Soares, algumas palavras sobre a revista editada por mim, The Ironic Fantastic #3.

São demonstrações como estas que compensam o pesadelo que foi editar este número. Obrigado.

14951

sepulturas dos pais

Aproveito para publicitar a capa de «Sepulturas dos Pais», escrito por David Soares e desenhado por André Coelho. Uma edição da Kingpin Books, com lançamento previsto para 25 de Outubro, no Amadora BD.

for 5 days 3 positive things of my life

25 Ago
25.08.2014

I’ve been nominated by Rhys Hughes to post for 5 days 3 positive things of my life

My 3 positives for day 1 are:
  1. I’m a human fan, not a electric one, of Rhys Hughes: the one writer who truly made a difference in my life.
  2. I finished reading a new story: “Trolls de Troy -18- Pröfy Blues”
  3. The barber shave me. I did not recognize myself in the mirror. I shouted. He yelled. The cat ran away. No mirror broke.
My 3 positives for day 2 are:
  1. I hired a goblin to clean my glasses. I now see a more colorful world. I go, however, constantly against the poles – a painful side effect.
  2. When I was 15 years I went for the last time to a witch she told me and to my mother that I had an open body. However I don’t find nothing abnormal with my body, except a huge appetite for knowledge.
  3. I had a vasectomy in 2010. The good thing about this is that I can sin without fertilize. The negative: have been surrounded by so many nurses I could not have since that date more sexual fetishes with nurses.
My 3 positives for day 3 are:

eu a true nerd

a true nerd!

  1. I had an enormous lucky to have outstanding grandmothers and grandfathers. My grandmother, by my father side, was a devout Christian. Every holy Sunday I went with her to the church, but I disliked going to the church and I pass the time counting how many bald heads where in the church. Now I have also a bald head but I am not part of any statistics.
  2. One day I told to my daughter that I don’t have a zero in the head but a airfield. She, then, glued on my head a plane toy. I was the proud owner of a portable airfield.
  3. Today I lost weight. I’m so happy. Now I can tell that I walk and not roll. Wait, what I see so far away but getting closer? Oh! Is my weight, I didn’t know that my weigh was equipped with GPS.
My 3 positives for day 4 are:
  1. I love beer. So I drink beer, like right now
  2. My son is at home. We are now all together, the four. A gestalt family.
  3. Tomorrow is the day before holidays!
My 3 positives for day 5 are:
  1. I love my wife Carla Carvalho Faria and my daughter and my son, and my mother and my father and all you that know that I love you.
  2. Like Jason E. Rolfe I have a sister. Is only one but she is equal to seven sisters. Thanks Glória Brito. Without you I am not me.
  3. I’m so luck to have virtual meet so amazing people like Rhys Hughes, Jason E. Rolfe, David Rix, Fiona Duffin, Adele Whittle, Ricardo Acevedo Esplugas, Ian Towey, Mercie Pedro E Silva, Sissy Pantelis, Carlos Rocha, Garrett Cook, Brendan Connell, Gisela Monteiro and many others (I only use the left side). I’ve meet equal nice and good people like César Figueiredo, Diogo Carvalho, Hugo Teixeira, Susana Leite and many, many others – all of you can turn my gloomy days into sunny days. Because all of you are so fascinating and true people.
    1. A special thanks to my dear friend Hugo Cardoso
    2. A special hug to my like sons Jorge Dias and Patrícia Marques and a big kiss to the mother of this two Lurdes Marques. And I miss you so much my forever friend Jorge Dias, the father.
    3. I know I miss someone but you know I love you, and you and you…

escravo!?

21 Mai
21.05.2014

Virei um escravo, nada pago, da minha filha. Sou um fazedor de pulseiras em série. Ela escolhe as cores e eu trabalho porque sou “um pai fixe” e toma lá um beijo.

01740

A beber um gin até que aguento a escravidão.

vamos aprender, outra opinião!

19 Jun
19.06.2013

A opinião? mais contundente feita por uma nova leitura do álbum “Vamos Aprender”. Qualquer lapso de memória é da minha inteira responsabilidade:

– pai, afinal desenhas muito bem!
– porque dizes isso?
– o crocodilo do Para a Margarida
– ó rapariga isso é a dedicatória dos autores: a Aida Teixeira e o Carlos Rocha, ele é que desenhou… já te tinha explicado isso.
(…)
– pai, como é possível o crocodilo ser tão lindo e ser o mau da história?
– este rato é demais, não é nojento como o rato morto da tua fotografia… afinal é nojento…
– repete-me lá isso…
– está a roer o pincel com os dentes, muito pouco higiénico não é pai?
– o leão faz um cara divertida, mas não deve ser bom ser mordido por um crocodilo.
– Margarida deves ler a história seguinte e não andares a saltar as folhas.
– é um livro de crianças, não é pai?
– sim é…
– então pai esta criança que faz anos HOJEEEE lê como uma criança do Japão (e soltou um valente gargalhada).
– a abelha é linda, mas continuo com medo de abelhas.
– quem esta menina das fotografias?
– é a filha da Aida Teixeira, a responsável pelos textos do livro.
– ah! é por isso que este senhor é o desenhador…
– como…?
– a menina não sabe desenhar muito bem.
– ó pai… és pitosga… (riso) pitosga…
– lê o livro e deixa-me em paz, pode ser?
– pitosga…
– Margarida…
(…)
– estás a ler ou a ver só os desenhos?
– estou a ler pai.
– é que não te ouço.
– ó pai, não és a minha professora por isso não preciso de ler alto.
– mas estás a ler mesmo, certo?
– zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz claro.
– se tiveres dificuldade pede ajuda, ’tá bem?
– ó pai já estou no 2º ano
(…)
– ó pai só tem quatro histórias!

a mãe e o pai; o pai e a mãe

18 Fev
18.02.2013

Uma história em duas partes pela Margarida.

a mãe e o pai

a mãe e o pai

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!