Artigos

for 5 days 3 positive things of my life

I’ve been nominated by Rhys Hughes to post for 5 days 3 positive things of my life

My 3 positives for day 1 are:
  1. I’m a human fan, not a electric one, of Rhys Hughes: the one writer who truly made a difference in my life.
  2. I finished reading a new story: “Trolls de Troy -18- Pröfy Blues”
  3. The barber shave me. I did not recognize myself in the mirror. I shouted. He yelled. The cat ran away. No mirror broke.
My 3 positives for day 2 are:
  1. I hired a goblin to clean my glasses. I now see a more colorful world. I go, however, constantly against the poles – a painful side effect.
  2. When I was 15 years I went for the last time to a witch she told me and to my mother that I had an open body. However I don’t find nothing abnormal with my body, except a huge appetite for knowledge.
  3. I had a vasectomy in 2010. The good thing about this is that I can sin without fertilize. The negative: have been surrounded by so many nurses I could not have since that date more sexual fetishes with nurses.
My 3 positives for day 3 are:
eu a true nerd

a true nerd!

  1. I had an enormous lucky to have outstanding grandmothers and grandfathers. My grandmother, by my father side, was a devout Christian. Every holy Sunday I went with her to the church, but I disliked going to the church and I pass the time counting how many bald heads where in the church. Now I have also a bald head but I am not part of any statistics.
  2. One day I told to my daughter that I don’t have a zero in the head but a airfield. She, then, glued on my head a plane toy. I was the proud owner of a portable airfield.
  3. Today I lost weight. I’m so happy. Now I can tell that I walk and not roll. Wait, what I see so far away but getting closer? Oh! Is my weight, I didn’t know that my weigh was equipped with GPS.
My 3 positives for day 4 are:
  1. I love beer. So I drink beer, like right now
  2. My son is at home. We are now all together, the four. A gestalt family.
  3. Tomorrow is the day before holidays!
My 3 positives for day 5 are:
  1. I love my wife Carla Carvalho Faria and my daughter and my son, and my mother and my father and all you that know that I love you.
  2. Like Jason E. Rolfe I have a sister. Is only one but she is equal to seven sisters. Thanks Glória Brito. Without you I am not me.
  3. I’m so luck to have virtual meet so amazing people like Rhys Hughes, Jason E. Rolfe, David Rix, Fiona Duffin, Adele Whittle, Ricardo Acevedo Esplugas, Ian Towey, Mercie Pedro E Silva, Sissy Pantelis, Carlos Rocha, Garrett Cook, Brendan Connell, Gisela Monteiro and many others (I only use the left side). I’ve meet equal nice and good people like César Figueiredo, Diogo Carvalho, Hugo Teixeira, Susana Leite and many, many others – all of you can turn my gloomy days into sunny days. Because all of you are so fascinating and true people.
    1. A special thanks to my dear friend Hugo Cardoso
    2. A special hug to my like sons Jorge Dias and Patrícia Marques and a big kiss to the mother of this two Lurdes Marques. And I miss you so much my forever friend Jorge Dias, the father.
    3. I know I miss someone but you know I love you, and you and you…

escravo!?

Virei um escravo, nada pago, da minha filha. Sou um fazedor de pulseiras em série. Ela escolhe as cores e eu trabalho porque sou “um pai fixe” e toma lá um beijo.

01740

A beber um gin até que aguento a escravidão.

vamos aprender, outra opinião!

A opinião? mais contundente feita por uma nova leitura do álbum “Vamos Aprender”. Qualquer lapso de memória é da minha inteira responsabilidade:

— pai, afinal desenhas muito bem!
— por que dizes isso?
— o crocodilo do Para a Margarida
— ó rapariga isso é a dedicatória dos autores: a Aida Teixeira e o Carlos Rocha, ele é que desenhou… já te tinha explicado isso.
(…)
— pai, como é possível o crocodilo ser tão lindo e ser o mau da história?
— este rato é demais, não é nojento como o rato morto da tua fotografia… afinal é nojento…
— repete-me lá isso…
— está a roer o pincel com os dentes, muito pouco higiénico não é pai?
— o leão faz um cara divertida, mas não deve ser bom ser mordido por um crocodilo.
— Margarida deves ler a história seguinte e não andares a saltar as folhas.
— é um livro de crianças, não é pai?
— sim é…
— então pai esta criança que faz anos HOJEEEE lê como uma criança do Japão (e soltou um valente gargalhada).
— a abelha é linda, mas continuo com medo de abelhas.
— quem esta menina das fotografias?
— é a filha da Aida Teixeira, a responsável pelos textos do livro.
— ah! é por isso que este senhor é o desenhador…
— como…?
— a menina não sabe desenhar muito bem.
— ó pai… és pitosga… (riso) pitosga…
– lê o livro e deixa-me em paz, pode ser?
— pitosga…
— Margarida…
(…)
— estás a ler ou a ver só os desenhos?
— estou a ler pai.
— é que não te ouço.
— ó pai, não és a minha professora por isso não preciso de ler alto.
— mas estás a ler mesmo, certo?
— zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz claro.
— se tiveres dificuldade pede ajuda, ’tá bem?
— ó pai já estou no 2º ano
(…)
— ó pai só tem quatro histórias!

a mãe e o pai; o pai e a mãe

Uma história em duas partes pela Margarida.

a mãe e o pai

a mãe e o pai

hugo teixeira, a cena de uma entrevista

Hoje acordei com uma ideia a moer-me cá na orelha esquerda. Quem é Hugo Teixeira? O que se passa dentro daquela carola que ele teima em embelezar com headphones todos marados? Terá uma mente perversa que tenta disfarçar com fotos, enviadas via express Instragam, de um gato mais fofo que a Madre Teresa? E a barba servirá para esconder marcas de guerra de paintball? Ou desde que começou a ver Dr. House acha que uma barba mal aparada é sinal de gajo que domina diferenciais?

Foi com a ideia de perceber quem é Hugo Teixeira que lhe coloquei uma série de perguntas armadilhadas, porque na realidade é um teste psicotécnico. Espero provar que Hugo Teixeira é um anão disfarçado que assassina caracóis em manteiga 100% reciclada como combustível para criar magia.

Bora lá:

1. já sei que não sabes desenhar, por isso qual o teu truque para ofereceres pranchas de imensa qualidade?
eh pá, questão difícil, ainda hoje disse isso, eu não sei desenhar, mas sei fazer cenas, cenas tas a ver, aquilo que eu QUERO realmente fazer… só não me venham com matemática!

2. não tens medo de ser sequestrado para apresentares o mais breve possível o volume II MAHOU, Na origem da Magia – por que a existir culpado és tu e não Ana Vidazinha?
Pá não sei qual é a idade dos raptores, se forem os miúdos das imensas escolas que ando por esse país afora era mesmo curtido, podia melhorar a história mil vezes… agora imagina se fossem os meia dúzia de nerds portugueses O_O

3. quando comes caracolis atacas o bicho morto com um grafo ou um um palito?
Com os dentes às vezes ou então faz-se aquele barulho específico, shlep! ao chupar.

mahou_na_origem_da_magia

mahou, na origem da magia

4. não andas a perder tempo demais com o Instagram quando podias avançar mais no mundo da magia?
Através do instagram incito magia, já reparaste, tudo tem a sua magia, mesmo que seja…uma foto a um esqueleto…
Quando era puto (ainda sou, mas o reumático está a querer instalar-se) gostava imenso de ver locais de onde os outros desenhavam e coloriam, aí sim era um mundo mágico para mim. Quero oferecer isso.

5. quando não brincas de DJ, ou tentas enfrentar um dólmen, tens tempo para pensares em banda desenhada? ou achas que aqui neste país é um caso perdido?
esta é difícil. pá! Dolmens é só nas férias, brincar de dj é uma coisa que já cá está desde que oiço música, agora para me acalmar e concentrar brinco com isso, ah e legos também. O país não mas eu sou um caso perdido, completamente entregue a mim mesmo.

6. não tens medo de te tornares um cromo da BD sempre de barba por desfazer? ou achas que isso é o teu estilo?
Sempre chamei preguiça à barba. Pronto tenho que marcar mais sessões de tosquia com a veterinária, mas diz lá, dá um certo estilo não?

7. hum não existe 7, mas eu respondo: pá porque é que perdi tempo com isto e daqui a pouco vou perder ali tempo no national geográfic com a tv em temporizador e acordar amanhã à tarde
E voltar a repetir tudo… ah! não! É amanhã, (hoje? sempre perdido no tempo) o Amadora BD, vou ver pessoal que não vejo há bue, vai ser porreiro!

Comprem um livro e pranchas originais fantásticas que eu tenho para venda, não sei desenhar mas sei fazer cenas, montes delas.


Afinal quem é Hugo Teixeira?
Uma coisa é certa é um tipo que tem um fetiche por cenas realmente mágicas!
Por isso comprem o seu livro Mahou, Na Origem da Magia e mergulhem sem dificuldade num mundo de verdadeira magia feita de palavras e imagens. Aproveitem que ele vai estar presente no Amadora BD; para o encontrar nada mais fácil, basta seguir as setas.

não são pitos!

Pássaros criados pelo meu pai.

plano de fuga da margarida

— Pai chega aqui.
— O que se passa miúda?
— Ficas com este plano de fuga?
— Explicas melhor, poder ser?
— Não percebes, pois!
—Nope
— Pois, mas é simples. Olha p’ra ‘qui. O Gui sai disparado para Marte; o Bruno sai disparado para o outro lado do recreio; eu saio, também, para o outro lado do recreio; a Inês Carvalho cai para o chão; a Lígia vai para a sala de aula e o João Francisco, também vai para a sala. Fugimos todos.
— Fogem de quem?
— Oh pai, não percebes mesmo nada.

coisa assustadora

Coisa assustadora que apareceu dentro da casa de meus pais.

pai gordo, careca, bola de pêlo

O titulo do artigo não tem nada a ver com o seu conteúdo, mas como são as três novas formas, carinhosas, com que a minha filha me identifica, registo isso para me recordar mais tarde.

Actualmente a pilha de livros continua mais alta do que nunca, e com livros acima das quinhentas páginas.

Hoje iniciei a leitura do quinto livro da saga, de George R. R. Martin, “As Crónicas de Gelo e Fogo”, “A Dance with Dragons” (“A Dança dos Dragões”) e nele já temos as personagens Tyrion Lannister e Daenerys Targaryen.

vazio? eis a questão!

Entrei na Trindade com destino a Vila de Conde. O metro quando chegou à estação da Fonte de Cuco estava completamente cheio; transpirava pessoas por tudo o que era sítio.

Corria tudo bem, estava a curtir uma boa leitura e uma doce música, até entrar um velhote na estação de Esposade que petrificou o olhos em cima de mim; o olhar suplicava o meu lugar. Que cena! Dirigi a vista para os lados e não pude deixar de constatar que estavam no compartimento pessoas mais novas do que eu. Que fossem elas a ceder o lugar. Hoje em dia há cada marado.

Mais um solavanco e foi com dificuldade que o velhote se aguentou a pé, apesar de estar abraçado a um varão. Vi-lhe gotas de suor a escorrer pela cara; só faltava o sujeito ter agora um ataque de coração. A agravar o clima os olhos do homem continuavam acampados em mim. Haja paciência! O tipo não vê que a carruagem está repleta de adolescentes bexigosos. Porque não os encara ao estilo Bambi?

Fiquei tentado a levantar-me quando percebi que o velhote até podia ser o meu pai. Se, assim fosse, eu gostaria que alguém lhe tivesse cedido o lugar. Cruzei e descruzei as pernas com a ideia de que, possivelmente, mesmo que remotamente, poderia estar a ser um sacana – ele podia ser o meu pai!

Ele podia ser o meu…, no segundo momento em que este pensamento me ocorreu tive a epifania que resolveu os problemas morais que estava a sentir; a constatação de que em situação semelhante, o mais certo, era o meu pai não ter alguém a ceder-lhe o lugar porque existirá sempre um filho-da-puta como eu. Fiquei com o espírito sossegado, encerrei as pálpebras para apreciar devidamente a Icarus Dream Suite Op. 4 de Yngwie Malmsteen que começou a invadir-me os ouvidos.