Tag Archive for: pai

expulsar os demónios

23 Mar
23.03.2012

– Pai podes brincar comigo? – perguntou a minha filha mal acabei de abrir a porta de casa.
– Daí a pouco, agora tenho de expulsar uns demónios – respondi, no meu tom mais que sério, deixando-a pensativa. E lá ficou no hall a ruminar. Deve ter sido por causa da palavra “expulsar” que no seu modesto vocabulário, certamente, ainda não tinha um adequado sinónimo.

[… pausa para processamento de informação …]

– MÃE, MÃE… OHHH MÃEEEEEEEEEEEEEEE, tenho medo, o pai disse que há bichos aqui – gritou a soluçar, e correu para a mãe que a deve ter abraçado estupefactamente aborrecida.
– Onde está o teu pai?
– Na casa de banho. E ’tá a gritar!
– Pois está, a gritar “saiam daqui demónios!” – frase dita num tom de voz tão gélido que me arrepiou até os cabelos que não tenho.
– O pai está a brincar. Não é a sério. Olha Margarida vai à cozinha buscar uma colher de pau para também nós brincarmos.
– Uma colher de pau? – questionou a inocente criança. Este pedido da mãe foi ouvido por um pai ligeiramente assustado. Uma névoa de suspeição já entrava na casa de banho por baixo da porta e pelo buraco da fechadura.
– Sim, Margarida, vamos bater com ela na cabeça do palerma do teu pai. Pode ser que com dois chifres ele convença os demónios a deixarem a nossa casa.

Danger, Will Robinson!” – aí estava eu, mais uma vez, numa posição periclitante. Sou vítima de odiar a monotonia e sinto-me, como tal, na obrigação de criar momentos teatrais.

andar de mota, com efeitos especiais…

21 Fev
21.02.2012

Um inocente pai apanhado por dois filhos diabos. E que descobriu isso apenas hoje ao limpar o cartão de memória da máquina.

harrison jones

12 Fev
12.02.2012

Harrison Jones tem desta vez um papel importante na expansão Cataclysm e com ele temos uma das três principais quest lines de Uldum.

Há referências a vários episódios passados nos filmes de Indiana Jones – tudo do meu ponto de vista.

Estas três primeira imagens têm algumas semelhanças com a parte do filme “Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal” quando Indiana se enfia dentro de um frigorífico para se proteger de uma explosão nuclear.

harrison jones

harrison jones, a explosão

harrison jones, a explosão

harrison jones, a explosão

[Upon opening the Well of the Souls and peering down]
Sallah: Indy, why does the floor move?
Indiana: Give me your torch.
[Indy takes the torch and drops it in]
Indiana: Snakes. Why’d it have to be snakes?
Sallah: Asps… very dangerous. You go first.

from imdb
harrison jones

harrison jones, os salteadores da arca perdida

Luta de Indiana Jones com um soldado alemão que acaba, como aqui, por ser triturado pela hélice do avião.

harrison jones

harrison jones, os salteadores da arca perdida

A versão humana dos Alarm-O-Bot de Gnomeregan.

harrison jones

gnomeregan na sua versão uldum

harrison jones

a preparar a destruição do campo

harrison jones

harrison jones, antes do aparecimento da arca

Belloq: So once again, Jones, what was briefly yours is now mine.

from imdb
harrison jones

harrison jones, os salteadores da arca perdida

[as the Nazis are opening the Ark]
Indiana: Marion, don’t look at it. Shut your eyes, Marion. Don’t look at it, no matter what happens!

from imdb
harrison jones

harrison jones, os salteadores da arca perdida

harrison jones

harrison jones, indiana jones e a grande cruzada

milagres

19 Jan
19.01.2012

Existem na Bíblia dois episódios mágicos de que gosto especialmente:

  • a multiplicação dos pães e peixes
  • e a transformação da água em vinho.

Agora, em adulto, imagino-me sentado num sofá de massagem com suporte para um copo de Dry Martini a que nunca faltaria o maravilhoso licor e as verdejantes azeitonas.

Descendo para os anos da infância constato com uma cristalina clarividência que todos os dias a minha mãe e pai realizavam diariamente a magia mais poderosa:

  • o afecto multiplicava-se
  • ingredientes esquisitos transformavam-se em carinhosa comida
  • roupa rasgada aparecia cosida

and last but not least a gaveta das meias e cuecas nunca esvaziava.

o porquinho-da-índia

09 Dez
09.12.2011

Ofereci ao membro mais novo da família um porquinho-da-índia abissínio de pêlo muito sedoso. Veio acompanhado de uma casota com um esconderijo, feno da montanha com extra camomila, ração, 750 gramas de cavie nature, 22kg de serradura. A compra foi uma decisão espontânea e como todas as coisas que realizo sem causa aparente tive um inicial calafrio de receio – mas o bicho é tão pequeno e fofinho. O que poderia acontecer de mal? Nada, certo? Errado.

O primeiro imprevisto surgiu logo em casa e muitas leis de Murphy poderiam ser aplicadas à situação: não foi fácil colocar a residência oficial do bicho no local pensado previamente. Com as medidas de 100cmx45cmx40cm a gaiola estacionou, finalmente, no balcão da cozinha junto à janela por uns justos centímetros, ufa! Primeiro mede-se o espaço e depois adquire-se o objecto, já deveria ter aprendido isto com o roupeiro, mas sou muito distraído com estes pormenores à carpinteiro. Tenho de admitir que não antecipo os problemas que podem ocorrer por ausência de medições prévias.

Ainda me recordo do meu primeiro contacto kafkiano com a bricolage: a colocação de uma estante na parede do quarto do meu filho. Na altura tinha uma enorme caixa de ferramentas 16 Dexter, habitáculo ideal para o vácuo. Actualmente tenho uma enorme caixa de ferramentas 16 Dexter com uma broca, fita adesiva preta, buchas, parafusos, martelo, desandador.

Na loja de ferragens: “Quero um parafuso para pendurar uma estante na parede.” “Na parede?” “Sim.” “Tamanho?” “Sei lá! Acho que deve ter 1 metro.” “Não, o tamanho do parafuso?” “Um que aguente a estante. Ou, melhor dois parafusos, a estante tem duas coisas de ferro na parte de cima.” “Ah, já vem com chapas para cabides!” “Só a montei seguindo as instruções no papel, não decorei o nome das peças.” “Pois. Bem, para isso parafusos 6 devem servir, mas se já tiver buchas leva parafusos para as buchas que tem.” “Buchas?” “Sim, são necessárias para fixar qualquer parafuso à parede.” “Veja. Eu tenho uma caixa de ferramentas com um martelo, uma broca, fita adesiva e com aquilo para apertar parafusos. Por isso dê-me o que preciso para colocar a estante na parede.” “Certo, dois parafusos 6, duas buchas 6.” “Não tem parafusos com outro feitio. A ferramenta que tenho para os parafusos não tem o formato desta racha.” “Certo, precisa de um desandador novo. O seu desandador deve ser de estrela. Mais alguma coisa?” “Não, acho que está tudo.” “Só uma pergunta. Qual o tamanho da broca?” “Não sei. O meu pai usou-a para furar a parte detrás do móvel da sala para passar o cabo da televisão e fiquei com ela.” “Mas então é uma broca de madeira.” “Não é mesmo de ferro.” “Não é isso. É uma broca para furar madeira.” “E?” “Precisa de uma diferente para furar a parede.” “Que seja. Hoje estou por tudo.” “Dois parafusos, duas buchas, uma broca, um desandador. Penso que basta. Tem berbequim?” “Não tenho, mas uso o do meu pai. Deve dar para furar a parede?” “Sim, só tem de usar a broca que leva.” “Certo. E já agora dê-me 20 parafusos e 20 buchas; assim, uso sempre as mesmas coisas para os trabalhos lá em casa.”

apenas um extracto, a história completa aguarda publicação

os escolhidos: maio, 2011

21 Jun
21.06.2011
  1. Passado que é mais um ano cá me encontro a percorrer o mesmo caminho; a arrotar bom dia, boa tarde, boa noite. Estou a ficar farto
  2. há mulheres mesmo muito boas… mas que são de plástico.
  3. está a ficar calor. e ela está começar a morder as unhas das mãos.
  4. foi-me dito que “hoje em dia tudo tem um preço; até as putas!”
  5. e lá estava ela (sim ela) hipnotizada a olhar para a estrelas do monitor enquanto coça a barbicha disfarçada por uma mal depilação.
  6. continua a chover; e eu que estive a pensar em vestir o meu lindo kilt.
  7. alguém é suficientemente suicida para dizer à mulher/amante que está com um ligeiro (pequeno, minúsculo) excesso de peso?
  8. vou escrever uma coisa muito, mas muito intima, mesmo, mesmo ora leiam: hoje sinto-me adocicado
  9. acordei mesmo agora. bastou colocar os óculos.
  10. e o dedo furava-lhe o queixo com aquela unha suja que usava para tirar cera das orelhas
  11. era chamado de urso sempre que ela se abafava naquele corpo felpudo. uma catarse de pêlo
  12. que inveja tenho daquelas mulheres que milagrosamente perdem peso passados que são 9 meses; eu continuo constantemente grávido!
  13. o lápis ameaçava uma imaculada folha branca com um risco. é um lápis anarquista. se ao menos fosse para escrever um poema.
  14. se os economistas se dedicassem a fazer desenhos o mundo seria um melhor lugar para viver
  15. fui acusado de não ter papas na língua! eu por acaso tenho culpa de ter sido treinado pela minha mãe a papar tudo e a não deixar nada?
  16. a aturar o canal panda. a filha faz desenhos. vê televisão. já é um sistema operativo multi-tarefa
  17. dizem-me que sou complicado; uma decisão rápida: entre o vodka martini e o dry martini vou por este último. sou de escolhas fáceis
  18. chegaram à conclusão que não sou maluquinho; sou mesmo doido.
  19. um bêbedo é como um pombo-correio sabe sempre o caminho para o pombal.
  20. chovia… um vizinho perguntou se não era melhor atravessar a rua a correr para se abrigar. respondi que assim se molhava mais rápido.
  21. Margarida, qual é a pessoa mais doida que conheces?, perguntei. És tu pai. E a seguir a mim?. Só tu pai, só tu é que és doido.
  22. ele não é simplesmente um chato; é um verdadeiro asno. zurra.
  23. existem pessoas que deixam crescer a barba por desleixo; eu não – a minha sobeja por uma questão de estilo. okay! fiquem bem.
  24. há visitas a blogs ao estilo “prostituta” – entram, e saiem satisfatoriamente anónimos.
  25. outras há ao estilo “coito interrompido” – antes de entrar já estavam de saída!
  26. ela puxava o lábio superior até o nariz beber da humidade labial; os dentes revelam-se em toda a sua magia amarela
  27. não me está a acontecer nada de especial. mas achei, apesar de tudo, dar a conhecer esta irrelevância.

from the perverse mind of paulo brito

porco-da-índia

13 Dez
13.12.2010

Este é o habitante mais irritante da casa. Odeio o bicho e amaldiçoo o dia em que num impulso de estupidez o ofereci à minha filha – “pai que coisa fofa..”; arhhhhhhhhhhhhhhhhhh!

Tenho de o despachar de alguma forma da residência.
Já experimentei dizer à minha filha, quando esta durante a sacra limpeza semanal do chiqueiro não o viu (estava dentro do balde azul da reciclagem), que o tinha comido, mas ela gritou, chorou, chamou pela mãe entre soluços e acusou-me perante todos os seus conhecidos que eu ia comer o bicho; eu que até já sonhava com um guisado de ervilhas.

Não suporto o dito animal e tenho de do despachar de casa. A solução passa por contratar um hitman ou por o introduzir na trituradora da cozinha enquanto faço um filme para o youtube.

o irritante

O sacana do bicho que já teve a ousadia de me ferrar o dedo indicador da mão direita tem de ser eliminado vivo ou morto. Definitivamente.

libelinha

20 Jul
20.07.2010

Entro no carro e a família estava em desespero pelo facto do insecto resistir aos avanços dos lenços de papel e não se deixar capturar.
Tive a sensação de ser um D. Sebastião:
“pai mata o bicho”
“tira-mo daqui”
Eu saquei da máquina digital e pumba, pimba disparei várias vezes. O resultado é o que se vê… uma linda libelinha que foi depois despejada sem danos na natureza.

o pai, segundo a margarida

14 Jul
14.07.2010

A minha filha ofereceu-me dizendo que este “és tu pai”.
Que amor, ela consegue ver-me muito mais “plano” do que aquilo que realmente sou.

Que sorte eu tenho.

um pintassilgo

08 Jun
08.06.2010

Um pintassilgo da criação do meu pai.

© 1999.2020 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!