Tag Archive for: pai

bricolage

06 Dez
06.12.2008

Hoje dia ventoso e a dita porta mal fechada a provocar de segundo a segundo o “tal” ruído. E é um barulho de merda. Chato. Irritante. Penso em levantar-me da cadeira para fechar a porta. Mas já que vou ter de elevar o meu corpo à sua posição bípede decidi ir mais longe e resolver o problema de vez.

Analiso a situação. Concluo que a calha de alumínio está ligeiramente levantada do chão e por isso a porta raspa nela.
A solução é simples e a execução ainda mais célere. De martelo na mão e após duas valentes marteladas é a maldita calha colocada numa posição mais elegante. Rente ao chão. Fecho a porta pelo lado de fora para admirar o meu trabalho de bricolage e de engenho humano. E o silêncio foi orgiástico.

Abro a porta e ela não abriu. Aparentemente embatia na calha. Mas como. COMO?

Vou pela porta frontal, a de entrada dos clientes, para perceber a sua recusa em se abrir. E não é que a calha motivada pelas marteladas ficou com a ponta levantada?? Solução mais duas marteladas na ponta. Resultado? Calha 1 – Martelo 0.
Eu deveria saber que marteladas não resolvem nada por isso resumi o uso do martelo a pancadinhas certas, cirúrgicas no alumínio. Mas a calha teimava em resistir.

Não pensem que desisti, que entrei em pânico. Eu nunca desespero. Eu chamo sempre o meu pai.

feirar

05 Mar
05.03.2008

“Vamos feirar.” foi dito com incontida satisfação por duas moçoilas que pairavam perto do meu pequeno-almoço.
O feirar, que é um verbo, recordou-me de uma frase dita por Egas, amigo de Carlos Maia:

Então, decidido.. Terça feira vou-te buscar ao Ramalhete, e vamo-nos gouvarinhar.

Os Maias por Eça de Queirós

Na terça-feira prometida Ega não veio buscar Carlos para se irem gouvarinhar. E foi Carlos que daí a dias, entrando como por acaso no Universal, perguntou rindo ao Ega:
— Então quando nos gouvarinhamos?

Os Maias por Eça de Queirós

Eça de Queirós, mestre dos neologismos, utiliza esta palavra quando se refere aos momentos de conversa e convívio, em casa da família da Condessa Gouvarinho.
O feirar já era usado por Gil Vicente, nomeadamente no Auto da Feira.

Quem quiser feirar,
venha trocar, qu’ eu não hei-de vender;
todas virtudes qu’ houverem mister
nesta minha tenda as podem achar,
a troco de cousas que hão-de trazer.

Auto da Feira por Gil Vicente

O feirar continua, mesmo, vivo e recomenda-se.

livre-arbítrio

19 Fev
19.02.2008

Os baptizados são realizados em pessoas, em crianças, que não têm a possibilidade de dizer não ou sim. Não têm qualquer consciência das implicações do acto que lhes é imposto pela sua família.

A religião cristã defende que o homem é responsável pelas suas acções. Deus deu-lhe uma arma poderosa o livre-arbítrio. Ele não impõe a sua vontade nas nossas escolhas, no nosso caminho, na nossa estrada da vida. Como é que esta imposição baptismal é conciliada com o livre-arbítrio?

Este livre-arbítrio existe igualmente na estrada do amor.

Why is commitment such a big problem for a man? I think that for some reason when a man is driving down that freeway of love, the woman he’s with is like an exit, but he doesn’t want to get off there. He wants to keep driving. And the woman is like, “Look, gas, food, lodging, that’s our exit, that’s everything we need to be happy… Get off here, now.” But the man is focusing on sign underneath that says, “Next exit 27 miles,” and he thinks, “I can make it.” Sometimes he can, sometimes he can’t. Sometimes, the car ends up on the side of the road, hood up and smoke pouring out of the engine. He’s sitting on the curb all alone, “I guess I didn’t realize how many miles I was racking up.”

Mas, e sem descurar a importância do amor, quero é falar do primeiro livre-arbítrio, o concedido por Deus. Este livre-arbítrio é uma “coisa” muito boa, especialmente para Ele. Ele nunca faz asneiras. Somos sempre nós que as cometemos. Quer seja por omissão, quer seja por acção ele irá sempre dizer:
– “A estrada que seguias levou-te a uma encruzilhada. Havia o caminho da direita e o caminho da esquerda. A escolha foi tua, meu filho.”
– Sim, a escolha foi minha. E essa escolha que ditou todo o meu futuro ficava como todas as decisões “na encruzilhada do bom e do mau caminho”[1] e como sempre não basta “choose wisely”[2]. Faltou, falta, sempre, um pormenor, que como todos os pormenores é um pormenor de merda.
As guerras, os desastres, a fome, a miséria humana não são culpa de Deus. Dele nunca. São culpa nossa. Como filosofia é uma coisa espectacular. Como isenção de culpa é uma coisa ainda melhor. Sem esquecer que Ele até nos dá linhas orientadoras, um código de conduta, uma constituição moral, os 10 mandamentos.

Há filhos que se podem orgulhar de pais, mais ou menos, semelhantes a esta presença/ausência divina.

Há filhos que têm pais sentinela, não os vemos, não os cheiramos, mas eles estão lá para nos premiarem com uma bofetada por alguma acção “potencialmente” mal feita. Nunca sabemos a razão da marca gravada a quente na cara. O pai sentinela não informa. Faz-nos pensar. Faz-nos crescer. Magoa-nos.

Há, também, os pais faróis, firmes, hirtos, iluminam o nosso caminho – “i’m the light“, mas mudam de direcção com uma regularidade constante. São defensores do cinzento, do “nim” e estão lá para nos premiarem com uma iluminada bofetada por alguma acção que já pode ter sido boa, mas que já não o é. Nunca sabemos a verdadeira razão do ardor na cara. O pai farol não informa. Faz-nos pensar na volatilidade das nossas acções. Faz-nos crescer. Faz-nos políticos.

E, já agora, por que é que me estou a queixar? Sou ateu. Bem, sou mais agnóstico. Porque um agnóstico é um ateu politicamente correcto. E o meu pai é o meu Pai.

[1] Vinicius de Moraes, O terceiro filho
Em busca dos irmãos que tinham ido
Eu parti com pouco ouro e muita bênção
Sob o olhar dos pais aflitos.
Eu encontrei os meus irmãos
Que a ira do Senhor transformou em pedra
Mas ainda não encontrei o velho mendigo
Que ficava na encruzilhada do bom e do mau caminho
E que se parecia com Jesus de Nazaré…”

[2] Palavras ditas pelo Cavaleiro do Graal no filme Indiana Jones and the Last Crusade.

no café

16 Nov
16.11.2007

Mais conversa de café.
— O meu pai foi um grande filho-da-mãe. Um grande sacana. Valha-nos que a morrer não deu trabalho. Foi em três dias, contou f. com incontida satisfação

andar de mota

30 Ago
30.08.2007

Todo o adulto, que se preze e seja digno de uma bondosa maturidade, ressona. Eu ressono.
Ressono por uma série de motivos.
A razão secular é o silêncio. Ressono para quebrar a monotonia do silêncio de casa, apenas quebrado pelo ronronar da bomba do aquário.
Ressono para dizer “Estou aqui crianças. Toca a avançar para outra qualquer divisão da casa para o pai dormir descansado!!”
Claro que o motivo mais relevante é o amor. Ressono para que a minha cara metade possa comentar junto dos amigos e amigas o sacrifício que é tentar dormir a meu lado.

doeu?

18 Jul
18.07.2007

Na segunda-feira o meu filhote convidou um amigo igualmente fã de wrestling para jantar. Tendo em conta a regra de ouro em que ninguém pode jogar xbox logo após o jantar, fomos, mesmo assim, condescendes e deixamos a televisão ligada na Sic Radical. O z. explicou-me que apesar de a maioria dos combates serem a fingir há alguns que não o são.
— Sabe pai do Luís… há combates em que eles tomam medicamentos para não terem dor e esses combates são a sério.
— Se se atirarem de um prédio abaixo nem morrem… — continuava z. com a sua explicação.
Depois parou por uns momentos a pensar na última frase e emendou-se:
— Bem… morrer morrem, mas não sentem dor…

até já

31 Out
31.10.2006

O meu pai é bom,
mas quando está a ralhar comigo
parece um tubarão
Mas ele é bom.

Eu sou teimoso
e muito curioso,
mas quando quero uma coisa
sou muito amoroso.

Adeus pai.
Tu és bom,
mas quando estás a ralhar
pareces um leão.

by lm

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!