Artigos

fujam, vem aí a saúde

Após entrar no parque da cidade de Barcelos fui ultrapassado por algumas pessoas que fugiam esbaforidas, suadas, coradas. Uma chocou contra mim. Aproveitei e perguntei-lhe a razão daquela correria. ‘Ora essa, é por causa da Saúde,’ respondeu com um ar de surpresa, tresmalhado com ofensa. Olhei por cima dos ombro e vislumbrei mais pessoas a fugirem. Não vi nada parecido com a Saúde. Não obstante, com algum receio iniciei a fuga.

colours and green

Uma fotografia no parque da cidade de Barcelos.

colours

Uma fotografia no parque da cidade de Barcelos.

os amantes (excerto)

Ele sai de casa atrelado à sua yorkshiree terrier. Ela sai de casa a reboque do seu husky siberiano. Não se cruzam, mas encontram-se diariamente pelas 07h15m de relógio no sector 1.2rc2 do parque da cidade de Barcelos. Aí aguardam pacientemente que os canídeos defequem. Depois cada um deles com a mão direita envolta num saco de plástico recolhe da fina relva as fezes desiguais.

Mão extraída do saco; fechado com nó – ele e ela finalmente cruzam-se com um olhar tímido, cúmplice enquanto cada saco de fezes é depositado no caixote do lixo em sincronia.


informações: apenas um extracto da história

feira de artesanato de barcelos, 2012

A 30ª Feira de Artesanato de Barcelos 2012 foi de 27.07 a 03.08, mas só hoje escrevo sobre a minha passagem pelo recinto. O facto de o blog ser o meu umbigo escrevo com uma ordem cronológica altamente marada. E desta vez escrevo para dizer bem da Feira de Artesanato. Gostei da noite lá passada.

A companhia foi de qualidade elevada e o resto veio na corrente. Pela primeira vez jantei na Feira. A tasca escolhida foi a do Basquete Clube de Barcelos onde saboreei um bom grelhado de carnes mistas regado por duas minis e apimentado por conversas sumarentas.  Lamentavelmente não tenho fotos da comida.

cucujaes

grupo de cantares do museu regional de cucujães

Sem esquecer o ritmo caliente e brejeiro do Grupo de Cantares do Museu Regional de Cucujães que nos acompanhou musicalmente. Um dos primeiros grandes momentos musicais da noite.

Depois do jantar passeamos pelo parque. E aqui não houve grandes surpresas, exceptuando um stand do qual não registei o nome – culpa minha.

joao

artesão, joão gonçalves ferreira

O passeio ajudou a digestão e diminuiu o tempo de espera para o outro momento musical da noite. A actuação do grupo Galo na Forca. Foi um momento musical de grande qualidade e que me surpreendeu pela positiva em todos os sentidos.

dsc00206

galo na forca

Excelente presença em palco.

dsc00207

galo na forca

lapdance 1.01

Num abrir e fechar de olhos LapDance chegou ao destino. Claro que para quem tem dois dedos de testa, enfim, para qualquer entendedor mediamente inteligente LapDance nunca fechou os olhos; isso seria o convite ao suicídio. É um sujeito doido, até desleixado, mas não kamikaze. O que interessa para a nossa história é o facto de que viajou mais rápido do que uma lesma vítima inocente da toma de viagra.

Desligou a mota no parque reservado aos VIP. Levantou a viseira do capacete, adorava especialmente este momento mágico; enquanto posicionava o descanso admirou-se com os pneus esfarelados, sintoma de boas curvas e ardente velocidade; o crepitar do escape abriu-lhe o apetite para umas castanhas assadas na brasa. Ali de preto iluminado apenas pela luz do candeeiro público auto alimentado sentiu-se um homem capaz de enfrentar sem dificuldade qualquer problema que Nectarina tivesse ou viesse a ter.

Só depois deste inócuo narcisismo é que tirou o capacete, deixando-o a repousar no depósito de gasolina, e observou pasmado e com uma total incompreensão a Bolo-Rei. Olhava como uma vaca para o vazio deixado por um TGV que ora estava ali, ora já não. Os seus olhos presenciavam a ausência de luz onde esta deveria existir. Se estivesse com o capacete alojado na cabeça poderia usar como desculpa a massa anónima de insectos colados à viseira. A verdade é que os enormes tubos de néon que compunham em voltas e reviravoltas as letras da palavra Bolo-Rei estavam completamente às escuras – seria agradável um suave piscar, até uma faísca. O facto da Bolo-Rei ter a forma de um rectângulo de ouro não sossegava LapDance; e a agravar o quadro nem a luz piloto, amarela, que assinalava a campainha das traseiras emitia qualquer luminosidade. Estranho, muito estranho, pensou. Estaria a sonhar? Um calafrio seria algo que não desgostaria LapDance; sempre era a prova de que estava bem acordado, mas o seu fato Alpinestars entre outras funcionalidades mantinha-o a uma temperatura corporal constante.

Cautelosamente aproximou-se da porta. As botas faziam estalar a gravilha; o tubo de escape copiava o som. Sentiu que estaria melhor no sofá a curtir um filme e a comer pipocas. A sua tara por comida era lendária, e qualquer motivo servia de pretexto para provocar todas as suas papilas gustativas.

Empurrou a porta que estava ligeiramente entreaberta. Entrou, e o que sentiu de imediato foi um cheiro que lhe trouxe agradáveis recordações de orgias, o cheiro adocicado de vómito; mas por mais preparado que pudesse estar não estava para aquele cenário.

[em continuação…]

as outras duas descobertas: “janelas de futuro”

No dia 25 de Setembro escrevi

Hoje foi um dia de descobertas; duas trouxeram uma frutada surpresa a terceira revelou-se completamente inebriante.
Resolvo para já assinalar a descoberta “inebriante”.

Hoje é dia de escrever sobre as duas descobertas frutadas. Aqui está a segunda.

O projecto Braga Parque “Janelas de Futuro” – Exposição urbana de arte criado no âmbito do rebranding da marca Braga Parque teve uma breve passagem pela cidade de Barcelos; até fim de Outubro, ainda, pode ser visto no Braga Parque.

Foi uma exposição interessante e um desafio ganho pelos criadores:

  • Storytailors – Moda
  • Alexandre Farto (Vhils) – Consumo Urbano
  • Filipe Pinto Soares – Universo Infantil
  • Tiago Bettencourt – Música

janelas de futuro

infância feita de futuro, filipe pinto soares

Enquanto a minha filha passeava pelo Largo da Porta Nova de bicicleta pude sem confusão e com tranquilidade admirar os trabalhos.
Não consegui tirar grandes fotos devido à claridade da manhã e aos vidros que protegiam os quatro enormes expositores. Mas eu vi bem e é isso que interessa.

stone bench in the park

Um banco de pedra existente no parque da cidade de Barcelos.

o golpe de uma vida

“Columbus Day” é um dia de passeio no parque. Há alguns flashbacks que dão a explicação para o motivo de Val Kilmer estar a passear no parque de um lado para o outro e a telefonar. Passeia e telefona. E tem até um final feliz!

the park

No parque da cidade de Barcelos.