Artigos

o colecionador de erva de francisco josé viegas

Esta leitura, ao contrário das outras histórias de Jaime Ramos, tem muito pouco de Jaime Ramos. Não deixa, contudo, de ser um livro brilhante e mesmerizante.

Com uma narrativa sensual e poética viajamos por vidas, memórias, tragédias; 20% de investigação, 80% de reflexões – 100% de qualidade.

fragmento.00449

HÁ QUANTOS ANOS FAZIA AQUELE CAMINHO PARA CASA? Há demasiados anos. Há quantos anos, ao fazer aquele caminho para casa, pensara se esse fora o destino que escolhera? Há muitos anos, anos de mais — mas nunca dera crédito à pergunta, porque a achara despropositada. E, portanto, é como se nunca a tivesse feito.
O Colecionador de Erva de Francisco José Viegas (página 187)

fragmento.00448

«A leitura é urna tarefa cada vez mais perigosa e arriscada, Isaltino. Ler é urna ocupação de risco a partir de certa altura. Com a idade, os olhos não resistem a tantos maus livros. E já não falo do cérebro.»
«Fica com um ar mais respeitável, chefe.»
«É bem capaz de ser. A oftalmologia é uma ciência nobre. Trata da promoção social das classes desfavorecidas. Na minha aldeia só o padre, o merceeiro e uma tia minha tinham óculos. Os outros limitavam-se a ver mal e julgavam que o mundo era assim, desfocado ou sujo. Não conheciam a retina, não sabiam o que eram as cataratas, não tinham termo de comparação, ignoravam a existência de dioptrias. E nunca poderiam ler Tolstói nem Turguéniev.»
O Colecionador de Erva de Francisco José Viegas (página 19)

um crime capital de francisco josé viegas

Em mais uma aventura de Jaime Ramos, Francisco José Viegas não desaponta, mas, também, não deslumbra.

fragmento.00440

«É ESPANTOSO, NÃO É, CHEFE?»
«Só ficamos surpreendidos de vez em quando, Isaltino, e isso é só quando queremos ou quando estamos distraídos. Já nada me surpreende.»
Um Crime Capital de Francisco José Viegas (pág. 125)

longe de manaus de francisco josé viegas

Depois de iniciar uma investigação sobre a morte de um homem desconhecido encontrado num apartamento dos arredores do Porto, Jaime Ramos é levado a percorrer caminhos que o transportam entre Portugal, o Brasil e a memória de Angola. Nesse triângulo vivem personagens solitárias que desaparecem sem deixar rasto e cujas biografias tenta reconstruir a partir do nada, socorrendo-se apenas da sua imaginação. Esse percurso transportará o leitor da Beirute do século XIX até ao coração da Amazónia e à Manaus contemporânea, do Porto a São Paulo, de Luanda ao Rio de Janeiro e ao Amapá, da guerra de Angola e da Guiné aos apartamentos vazios onde são recolhidos cadáveres, memórias e silêncios. Este cruzamento de geografias e de tipos humanos provoca alucinações no próprio narrador, que ora escreve em português de Portugal, ora em português do Brasil, e no investigador Jaime Ramos, que é obrigado a inventar histórias de perdição para que o seu mundo tenha algum sentido.

Terminei, ontem, a minha segunda leitura de Francisco José Viegas e do seu Inspector Jaime Ramos e não fiquei nada desiludido.

livros na palete – posição 019

Aproveitando os descontos acumulados e a promoção de 50% comprei estes livros por apenas 5,95€. Uma boa compra…

  • Ouro, Prata e Silva de Miguel Szymanski
  • Confissões de Uma Máscara de Yukio Mishima
  • A Carne de Rosa Montero

despertar de stephen king

Não direi que é, como está escrito na capa do livro “Um dos melhores que King alguma vez escreveu”. Não tem horror nem terror. É um livro catita.

Um pouco insosso.

livros na palete – posição 008

Uma nova remessa de livros recebidos. De tudo um pouco. Mais livros de viagem e quatros autores para descobrir:

Um novo de José Eduardo Agualusa: A Rainha Ginga; e a sequela de The Shining, Doutor Sono.

Doutor Sono de 2013 ganhou o prémio Bram Stoker Award para o melhor romance. E tudo aponta que a 08.11.2019 será exibido um filme com o mesmo nome.

Uma encomenda de livros em inglês. Dois autores desconhecidos: Larry Niven e Paolo Bacigalupi.

  • The Windup Girl de Paolo Bacigalupi
  • Monday Starts on Saturday de Arkady & Boris Strugatsky
  • Ringworld de Larry Niven
  • Broken Angels de Richard Morgan

As últimas aquisições de Julho:

Uma edição limitada a comemorar os 10 anos do lançamento do livro A Catedral do Mar de Ildefonso Falcone; edição pela Suma de Letras.

E “O Menino Nicolau e os Amigos” de Goscinny e Sempé.

E a prenda de anos da minha mais-que-tudo.

O sexto volume da Saga Witcher de Andrzej Sapkowski.

cell de stephen king

Outro livro muito divertido de Stephen King. Não desaponta.